Últimas

Domingo, 06 de Maio de 2007, 02h:05 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

LEGISLATIVO

400 vereadores em MT correm risco de cassação

  O presidente da União das Câmaras Municipais do Estado (Ucmmat), Aloízio Lima Pereira (sem partido), se mostra radicalmente contrário à decisão pró-fidelidade do Tribunal Superior Eleitoral, que pode resultar na perda do mandato de ao menos 400 vereadores em Mato Grosso. "Essa interpretação do TSE não veio resolver a questão da fidelidade partidária. Aliás, veio é complicar. Não concordo que o mandato tenha que ser só do partido", avalia Aloízio, na lista de infiéis do ponto de vista partidário, já que deixou o DEM (ex-PFL) e agora namora o PR do governador Blairo Maggi.

    Vereador por Salto do Céu, Aloízio tenta acalmar aqueles parlamentares que, assim como ele, vivem no "inferno", sob o drama da perda do mandato. Muitos suplentes preparam ação judicial para ficar com as vagas dos que se desfiliaram.

   O dirigente municipalista calcula que dos 1.291 vereadores nos 141 municípios mato-grossenses, cerca de 400 trocaram de partido a partir da eleição de 2004. "Ocorreu muito troca-troca, mas muitos recuaram e, oficialmente, nem deixaram os partidos de origem. Há uma confusão geral. O PR, por exemplo, nem está legalizado ainda em MT".

   Para o presidente da Ucmmat, o mandato deve pertencer ao eleito e não somente ao partido. "Quem é eleito também tem que ter os méritos, senão deixa a gente refém dos caciques que controlam os partidos. Enquanto detentor do mandato, a pessoa tem, sim, que zelar pelo partido, mas não virar refém".

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • zaluir | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O tema é realmente polemico, na minha opinião a maior revolução politica no Brasil desde quando a Mulher começou a Votar.
    Temos na Consituição a garantia de que para ter efeitos qualquer Lei deve ser pelo menos um ano antes das Eleições.
    Penso, sem entrar no mérito, que tal interpretação do TSE, deveria ter validade somente após as proximas eleições.
    Tanto no Direito Penal, como no Tributário, temos o princípio de que a Lei só pode retroagir se for para beneficiar, por analogia, penso que também aqui deve valer este princípio.
    A final, trocar de partido era e é uma pratica consolidada no meio Politico.

  • Régis Rodrigues Ribeiro | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O pensamento deste vereador Presidante da Ucmmt só mostra que o mesmo está preocupadíssimo com a perda de seu mandato e, afirmar que a resposta do TSE não é forma correta de combater a infidelidade partidária só encontra abrigo em mentes atrasadas de quem não sabe o que está falando.

  • Jose Moreira Figueira | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Entende-se, que está pratica tornou-se um ato constante no meio politico, pois, na maioria das vezes existe, dirigentes politicos que estão no comando de suas agremiações partidarias que esquecem a Constituição federal a legislação eleitoral, e o proprio estatuto do partido, para impor suas condições aos filiados que nem os proprios comandantes obedecem, entedemos não ser salutar a troca de partido, unica e simplesmente por interesse pessoal, mais no tema em tela dou razão para o presidente da UCMMAT, pois virou uma verdadeira bagunça, e os vereadores já estão em fase de conclusão de seus mandatos, e os quais já estão, e irão procurar definir suas siglas para as proximas eleições, ai esperamos que na reforma politica seja resolvida esta questão,(se é que vai ter reforma politica) com definições bem claras e objetivas,uma lei padrão, que não haja dois pesos e duas medidas.......

  • PAULO ROBERTO FELIX DE ANDRADE | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Todos que tenham interesse em manter os cargos letivos óbviamente são contra esta Lei de 1.995 e que está na Cosntituição. O que todos tem que entendê-la, é que não existe retroatividade e nem nada a ver com filiação em outra legenda, mas sim com a desfiliação do partido pelo qual foram eleitos. Diz a Lei que 24 horas após a desfiliação o parlamentar filiado a legenda pelo qual foi eleito o ato estará consolidado. Portanto tenham conhecimento da Lei e da Constituição antes de colocarem o nome a disposição de um pleito eleitoral

  • João Lucas | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Realmente, estou convencido de que: "a classe política brasileira, na sua grande maioria, é uma quadrilha legalizada pelo povo."

    João Lucas

  • Francisco Antonio De Souza | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Realmento concordo com o ponto de vista do Presidente da UCMMAT, pois o mandato não deve ser só do partido, e sim mandato politico deve ser tambem do parlamentar, pois o mesmo estando obedecendo a legislação e o estatuto do partido, há de convir que mandatos politicos conguista-se com (liderança politica) e com politicos que tem serviços prestados, e não só com propostas de partidos..........

  • Rosandro de Moura Andrade | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Bem, como ja foi dito aqui anteriormente, o caso realmente e polemico e de forma alguma nao sou eu que vou disser que o tse esta certo ou errado. Mas partindo do raciocinio do presidente da uccmat, eu concordo com ele; poxa o mandato dos vereadores em especifico ja esta pra la da metade e agora vem uma determinacao desta magnetude onde pode fazer com que os vereadores no caso percam seus mandatos, nao da realmente pra entender esse sistema politico que vivenciamos. Mesmo o vereador Aluizio nao estando mais no antigo PFL hoje DEM, Apoio a sua decisao como um defensor da classe que preside....

    vereador ROSANDRO DE MOURA ANDRADE

  • Erica | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Nao discordo em momento algum do Presidente da UCCMAT.
    "Essa interpretação do TSE não veio resolver a questão da fidelidade partidária. Aliás, veio é complicar. Não concordo que o mandato tenha que ser só do partido"

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

Irmão de Thelma na lista dos traidores

ronaldo pimentel 400 curtinha   Na carta aberta assinada por Ricardo Saad, que preside o PSDB cuiabano, ele reclama de dívidas milionárias herdadas de antecessores, inclusive dos R$ 4 milhões de pendências somente do pleito de 2016, e menciona, entre outras coisas, que "(...) há correligionários, que estavam...

A bronca de Saad com Wilson Santos

ricardo saad curtinha 400   O vereador Ricardo Saad (foto), presidente do PSDB da Capital, resolveu disparar a metralhadora verbal contra colegas tucanos. Sobre o ex-prefeito e hoje deputado Wilson Santos, considera que este nada fez para ajudar o partido a se reestruturar, visando as eleições de outubro. Mesmo sendo vice-presidente...

Janela tira muitos políticos do calvário

gilberto figueiredo curtinhas   O fechamento da janela partidária, que encerrou-se no último sábado, dia 4, marcou o fim de um longo calvário aos partidos, que tiveram que suportar em seus quadros políticos que não estavam mais de “alma”, mas somente de “corpo”. Na Câmara...

Só 2 vereadores não vão à reeleição

felipe wellaton curtinha 400   Apenas dois entre os 25 parlamentares cuiabanos não vão buscar a reeleição. O licenciado Gilberto Figueiredo, que trocou o PSB pelo DEM, quer concorrer a prefeito, assim como Felipe Wellaton (foto), que até trocou de partido, saindo do PV e agora no Cidadania. Pretende disputar...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

thiago muniz 400 curtinha   Dos 21 vereadores de Rondonópolis, somente quatro não vão à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (foto), agora no DEM, Hélio Pichioni (PSD), Jailson do Pesque-Pague e Rodrigo da Zaeli (ambos do PSDB). Eles garantem se tratar de um caminho sem volta. Destes, dois tentam...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.