Últimas

Segunda-Feira, 07 de Maio de 2007, 09h:11 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A burrice do rei


"Alguém com uma carreira artística há quarenta anos, e um sucesso inigualável, deveria ter ao menos noção da  relevância da liberdade de expressão. E Roberto Carlos parece que não entendeu nada" É o que destaca André Petry, em artigo desta semana na revista Veja, intitulado “A burrice do rei”. Confira reprodução abaixo.


    A cena é repulsiva: o caminhão parou diante do depósito da editora e recolheu 670 caixas, cada uma delas com dezesseis exemplares do livro. Carregando 10.700 exemplares, dirigiu-se para um depósito em Santo André. Ali, os livros poderão ter dois destinos: ou serão reciclados, rendendo cerca de 2,5 toneladas de papel, ou queimados numa fogueira.
    Eis, em resumo, o desfecho do caso envolvendo o livro Roberto Carlos em Detalhes, escrito pelo historiador Paulo Cesar Araújo, que foi censurado como resultado do acordo judicial mais escandaloso e esdrúxulo de que se tem notícia. É inacreditável que num país livre, em plena vigência do estado de direito democrático, com uma Constituição que assegura a liberdade de expressão, tenhamos uma fogueira queimando milhares de livros. É grotesco e vergonhoso.
    A grande fogueira, no entanto, vai queimar mais do que livros. Vai queimar a biografia mesma de Roberto Carlos e, junto com ela, o respeito que alguns milhares de fãs têm pelo rei – e que se incinerou com sua iniciativa intolerante e burra. É intolerante porque não há nada, nas 504 páginas do livro, que possa ser considerado uma invasão de privacidade em se tratando de uma personalidade pública – cuja privacidade, obviamente, é mais restrita do que a de um cidadão comum. É intolerante porque o rei não se contentou em retirar do livro trechos supostamente ofensivos (veja reportagem na página 120). Não, ele quis censurar o livro todo, todas as 504 páginas, todos os quinze capítulos, tudo. E, por fim, é uma iniciativa burra porque alguém com uma carreira artística há quarenta anos, e um sucesso inigualável, deveria ter ao menos uma noção da relevância da liberdade de expressão – a sua, a dos outros, a de todos. E Roberto Carlos parece que não entendeu nada. Sua estupidez não lhe deixa ver que a violação à liberdade de expressão começa proibindo que se diga algo e, como ensina a história das tiranias, termina exigindo que se diga outro algo. Já pensou exigir que Roberto Carlos grave Se Eu Quiser Falar com Deus, a belíssima canção de Gilberto Gil da qual ele não gosta nem de chegar perto?
    A fogueira vai queimar também os dedos da Justiça, na pessoa do juiz Tércio Pires, que, mesmo sem identificar calúnia, mentira ou difamação no livro, abençoou o acordo e assassinou a liberdade de expressão. O estarrecedor é que a censura não decorreu de um ato autoritário, costurado às escondidas da Justiça. Foi selado dentro de um tribunal! Na presença de um juiz! E promotor! Será que um juiz pode promover um acordo que fere um direito constitucional? Criamos a censura legal? A ditadura judiciária?
    A burrice de Roberto Carlos e a indigência da Justiça, associadas à covardia da editora Planeta, que deveria ter insistido para fazer soar sua sílaba, são reflexos dos tempos ameaçadores que vivemos. Uma hora são os pequenos ditadores religiosos querendo, autoritariamente, impedir a realização de um debate sobre o aborto. Outra hora são os petistas, do fundo de sua alma totalitária, propondo formas de controlar o noticiário da imprensa em época de eleição.
    E, agora, essa. O rei é intolerante e burro. A justiça é indigente. E a vítima somos todos nós.

André Petry é articulista de Veja

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Wellington tem 47 lotados no Senado

wellington 400 curtinha   Com dois meses e meio na cadeira de senador, Carlos Fávaro tem hoje 18 assessores lotados no gabinete, muito aquém do quadro dos colegas Jayme Campos e Wellington Fagundes. O chefe de gabinete de Fávaro é o advogado Irajá Rezende de Lacerda, filho do primeiro-suplente Zé Lacerda....

Cáceres, lockdown e frases de alerta

francis maris 400 curtinha   Em Cáceres, o prefeito Francis Maris (foto) decretou lockdown desde a última segunda, dia 29, como forma de forçar os moradores a permanecer em casa para conter o avanço da Covid-19. Mas as medidas restritivas não estão surtindo tanto efeito na prática. Muitos continuam...

4 prefeitos de MT com coronavírus

luiz binotti 400 curtinha   Pelo menos quatro prefeitos em Mato Grosso já foram diagnosticados com Covid-19. O caso mais recente envolve Luiz Binotti (foto), de Lucas do Rio Verde. Ele aguarda resultado de exames, mas já se encontra em isolamento domiciliar. Com sintomas do novo coronavírus, Binotti decidiu ficar em casa. De um...

Forçando cuiabanos a ficar em casa

emanuel pinheiro 400 curtinha   Acuado por causa do avanço dos casos de Covid-19, o que tem provocado colapso na rede pública de saúde, principalmente em Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) decidiu adotar medidas mais restritivas para conter circulação e aglomerações de pessoas,...

Relação tensa e agora sem assessores

niuan ribeiro 400 curtinha   A relação política entre o prefeito Emanuel Pinheiro e o vice Niuan Ribeiro (foto), em Cuiabá, deve azedar ainda mais. Ambos estão rompidos politicamente desde o ano passado. Niuan, que atua no 6º andar do Palácio Alencastro de olho nas ações de Emanuel, que...

PEC da Previdência na pauta nesta 5ª

dilmar dal bosco 400 curtinha   A polêmica e controversa PEC da Previdência, apresentada pelo governador Mauro, deve ser apreciada nesta quinta, em primeira votação, pelos deputados. O Executivo conseguiu os votos mínimos necessários para conseguir aprovação. Deputados da oposição...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.