Últimas

Quarta-Feira, 30 de Maio de 2007, 10h:56 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A casa pode cair

     Há pouco afirmei em artigo, que o calcanhar-de-aquiles do governador Blairo Maggi é a Segurança Pública. Não que eu seja "adivinhão", "bidu", ou coisa que o valha. São os fatos. Contra fatos não existem argumentos.
     Tortura e pistolagem no Araguaia, praticados por policiais. Em Cuiabá e Várzea Grande, policial militar assaltante de banco. Em Rondonópolis esta tragédia, que pelo despreparo, irresponsabilidade e descaso, tira a vida de uma criança de 11 anos, fere mais nove pessoas, podendo fazer mais uma vítima fatal, a professora que foi baleada no rosto, atingida no olho.
     Por questão salarial, cujos projetos estão tramitando na Assembléia Legislativa, da a entender que a hierarquia está sendo quebrada, criando uma turbulência na corporação com desdobramentos imprevisíveis.
     Pelos fatos ocorridos na região do Araguaia trocou-se o comando estadual da Polícia Militar. Acompanhei algumas entrevistas do novo comandante. Se teorias ajudassem a eliminar bandidos, diminuir a violência e a criminalidade, o governador teria nomeado o oficial adequado para a função.
     No entanto, na prática a coisa é diferente. Basta ver o desnorteamento em que se encontra o secretário Carlos Brito. Nada pessoal contra o secretário. Trata-se apenas de analisar sua atuação administrativa. Carlos, "puxa seu carro daí". Você não é do ramo. Se o governador quer lhe prestigiar, que lhe dê uma função para qual você tenha aptidão e conhecimento, caso contrário, você sairá do governo mais "frito do que lambari para tira-gosto".
     No que se refere à tragédia de Rondonópolis, Carlos Brito disse que houve no mínimo negligência, que os fatos serão apurados e os responsáveis punidos. Santa ingenuidade! Negligência. E a vida da criança, da professora, das pessoas aterrorizadas como é que fica? Que assistência receberão do governo? Os traumas, as seqüelas. Quem pagará por isso? São feridas que não se cicatrizam. Os cinco meses do segundo mandato da "turma da botina", está atingindo um nível de desfavorecimento ao governo, que não enxerga ou finge não enxergar, que a continuar, não resta outra alternativa a não ser caminhar rumo ao cadafalso. Se descambar "a casa pode cair".
     O governo Maggi tem convivido com fatos negativos que acabam desbancando a "áurea" de governo sério, governo de visão, quebrador de paradigmas, que se acreditava ser verdadeira.
     Na questão do entrevero com o Poder Legislativo, afirmou: "Walter Rabello e Zé Carlos do Pátio não podem ver um banquinho ou um caixote que querem subir para discursar". Será que esse tipo de declaração do chefe maior do Poder Executivo contribui em alguma coisa?
     Na Sema, secretaria cuja agilidade é de suma importância para o desenvolvimento, o clima é de instabilidade e incerteza no seio de todo quadro de funcionários. No Detran, acusações de que um diretor usa o carro oficial para suas horas de lazer na sua chácara.
     No Cepromat, o Ministério Público Estadual denuncia que a administração estadual está pagando mais de 100% que as empresas privadas pagam a empresas de telecomunicações. O que cheira (ou fede) a superfaturamento e corrupção, com dispensa de licitação. O presidente do órgão, segundo consta, até então é homem de confiança do governador.
     Todos estes fatos estão tirando o sono da "turma da botina", requintado ainda, com o labirinto percorrido por Luiz Antônio Pagot, na busca de assumir o comando nacional do Dnit. Uns dizem que está garantido, outros não acreditam.
     Imagino eu que o povo que escolheu o empresário, cidadão, político, quer que Blairo Maggi assuma o governo, defina as regras, respeite a independência e a harmonia entre o Legislativo e o Executivo, sem "fugir da raia", passando a bola para o vice.
     O êxito ou fracasso do seu governo depende única e exclusivamente de suas atitudes e decisões. Se deixar o desgaste descambar a "casa pode cair" e o fim será melancólico, para o grupo que fez o discurso de que iria mudar Mato Grosso, recebendo por duas vezes a confiança do eleitorado mato-grossense.

José Arimatéia é ex-deputado estadual

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

Deputado agora pula de palanque

elizeu nascimento 400 curtinha   O ex-vereador e hoje deputado estadual Elizeu Nascimento (foto), que amargou a oitava colocação na disputa ao Senado na eleição suplementar do último dia 15, mudou de lado, como se troca de camisa. Em princípio, era apoiador do projeto de reeleição do prefeito...

Ex-aliado, Sales lembra quem é Abílio

coronel sales 400   Em mensagem enviada aos amigos, reforçando pedido de voto para Emanuel Pinheiro, o coronel PM da reserva e secretário de Ordem Pública da Capital, Leovaldo Sales (foto), diz conhecer bem os dois candidatos que disputam, neste segundo turno, o Palácio Alencastro. Sobre Emanuel, lembra que este tem...

Uma perna no muro e dicas indiretas

eduardo botelho 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (foto), chega ao final deste 2º turno das eleicões em Cuiabá com uma perna no muro. Ele liberou toda sua equipe para votar em quem quiser e todos pedem voto para Emanuel. Já Botelho, particulamente, preferiu não assumir publicamente o seu...

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...