Últimas

Quarta-Feira, 30 de Maio de 2007, 10h:56 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A casa pode cair

     Há pouco afirmei em artigo, que o calcanhar-de-aquiles do governador Blairo Maggi é a Segurança Pública. Não que eu seja "adivinhão", "bidu", ou coisa que o valha. São os fatos. Contra fatos não existem argumentos.
     Tortura e pistolagem no Araguaia, praticados por policiais. Em Cuiabá e Várzea Grande, policial militar assaltante de banco. Em Rondonópolis esta tragédia, que pelo despreparo, irresponsabilidade e descaso, tira a vida de uma criança de 11 anos, fere mais nove pessoas, podendo fazer mais uma vítima fatal, a professora que foi baleada no rosto, atingida no olho.
     Por questão salarial, cujos projetos estão tramitando na Assembléia Legislativa, da a entender que a hierarquia está sendo quebrada, criando uma turbulência na corporação com desdobramentos imprevisíveis.
     Pelos fatos ocorridos na região do Araguaia trocou-se o comando estadual da Polícia Militar. Acompanhei algumas entrevistas do novo comandante. Se teorias ajudassem a eliminar bandidos, diminuir a violência e a criminalidade, o governador teria nomeado o oficial adequado para a função.
     No entanto, na prática a coisa é diferente. Basta ver o desnorteamento em que se encontra o secretário Carlos Brito. Nada pessoal contra o secretário. Trata-se apenas de analisar sua atuação administrativa. Carlos, "puxa seu carro daí". Você não é do ramo. Se o governador quer lhe prestigiar, que lhe dê uma função para qual você tenha aptidão e conhecimento, caso contrário, você sairá do governo mais "frito do que lambari para tira-gosto".
     No que se refere à tragédia de Rondonópolis, Carlos Brito disse que houve no mínimo negligência, que os fatos serão apurados e os responsáveis punidos. Santa ingenuidade! Negligência. E a vida da criança, da professora, das pessoas aterrorizadas como é que fica? Que assistência receberão do governo? Os traumas, as seqüelas. Quem pagará por isso? São feridas que não se cicatrizam. Os cinco meses do segundo mandato da "turma da botina", está atingindo um nível de desfavorecimento ao governo, que não enxerga ou finge não enxergar, que a continuar, não resta outra alternativa a não ser caminhar rumo ao cadafalso. Se descambar "a casa pode cair".
     O governo Maggi tem convivido com fatos negativos que acabam desbancando a "áurea" de governo sério, governo de visão, quebrador de paradigmas, que se acreditava ser verdadeira.
     Na questão do entrevero com o Poder Legislativo, afirmou: "Walter Rabello e Zé Carlos do Pátio não podem ver um banquinho ou um caixote que querem subir para discursar". Será que esse tipo de declaração do chefe maior do Poder Executivo contribui em alguma coisa?
     Na Sema, secretaria cuja agilidade é de suma importância para o desenvolvimento, o clima é de instabilidade e incerteza no seio de todo quadro de funcionários. No Detran, acusações de que um diretor usa o carro oficial para suas horas de lazer na sua chácara.
     No Cepromat, o Ministério Público Estadual denuncia que a administração estadual está pagando mais de 100% que as empresas privadas pagam a empresas de telecomunicações. O que cheira (ou fede) a superfaturamento e corrupção, com dispensa de licitação. O presidente do órgão, segundo consta, até então é homem de confiança do governador.
     Todos estes fatos estão tirando o sono da "turma da botina", requintado ainda, com o labirinto percorrido por Luiz Antônio Pagot, na busca de assumir o comando nacional do Dnit. Uns dizem que está garantido, outros não acreditam.
     Imagino eu que o povo que escolheu o empresário, cidadão, político, quer que Blairo Maggi assuma o governo, defina as regras, respeite a independência e a harmonia entre o Legislativo e o Executivo, sem "fugir da raia", passando a bola para o vice.
     O êxito ou fracasso do seu governo depende única e exclusivamente de suas atitudes e decisões. Se deixar o desgaste descambar a "casa pode cair" e o fim será melancólico, para o grupo que fez o discurso de que iria mudar Mato Grosso, recebendo por duas vezes a confiança do eleitorado mato-grossense.

José Arimatéia é ex-deputado estadual

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Máquinas para reciclar garrafas pets

maquina 400 curtinha   Sob iniciativa da secretaria de Inovação e Comunicação da Capital, dentro dos projetos que buscam a sustentabilidade, a prefeitura vai colocar máquinas de reciclagem de garrafas pets em 15 pontos da cidade e com possibilidade de ampliar os locais de recolhimento. Em troca, o cidadão...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.