Últimas

Segunda-Feira, 02 de Julho de 2007, 09h:07 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

A crise no Senado

     O Senado da República enfrenta a difícil missão de julgar eticamente seu presidente. A pensão alimentícia devida ao filho de senador Renan Calheiros com Mônica Veloso paga pressupostamente por uma empreiteira será investigada. Aos trancos os relatores e o presidente da Comissão de Ética do Senado não resistiram. Renunciaram às incumbências. Muitos indicados disseram aceitar, desde que não sofressem pressões. Finalmente, o senador Quintanilha do PMDB/TO (sem exigência alguma) foi agraciado com a presidência da comissão. O que pode agravar a crise pontual ou transmutá-la ao campo institucional. Afinal, mantém-se uma suspeita perigosa de que não se pode condenar, mesmo que seja verdadeira a acusação.
     O julgamento parlamentar justifica-se frente ao espírito republicano impecável. Se alguém dever algo ao julgado torna-se suspeito. E se muitos deverem não pode haver seriedade no julgar. O que o caso revela a priori são defesas parlamentares apaixonadas. A ética admitida não parece ser a ética da vida comum. Não existe a prevalência da convicção e observância dos princípios morais. Na tela somente as conseqüências e interesses pessoais prevalecem. Daí o julgamento tender ao setor embrionário. Refluir ao campo da inutilidade nada ajuda ao crescimento político nacional. A absolvição ou condenação só podem ocorrer dentro da persuasão racional do processo legal. Jamais na valentia de qualquer natureza.
     De fato, a ética pura da conquista do poder não consegue ir além da defesa do privado. Ela trama contra o interesse geral. O que a oposição quer julgar não é a conduta de um homem. Mas sim, uma política republicana insipiente. Trata-se de fraude à legalidade. Condenar a qualquer custo. A situação age como se fosse bom o tráfico de influência. Trata-se de fraude à legalidade. Tenta de um lado e outro objetivos sem razão. Empobrecem-se por abandonar a imparcial. Não nego que essa augura tem um gosto amargo. Ele, todavia, é bem mais adocicado do que qualquer situação de julgamento ditatorial. O que importa é não jogar a legalidade e racionalidade ao lixo. É preciso manter as barreiras da defesa ampla e devido processo legal. Essa tarefa é difícil, mas tem que ser tentada. A cada rei nu se desbaratado que seja condenado. Não provado que se absolva. Nada é mais importante neste instante que continuar ousando. E redefinindo o papel judicial do parlamento. Tomar uma após outra crise sistêmica de julgamento e fortalecer o direito cidadão e constitucional. A república falha de modo grave se condenar inocente ou deixar de punir o culpado. A nação constituída apesar dos pesares sobreviverá.
     Na política não temos sempre boas alternativas. É claro que existe sempre um conjunto de outras opções. O que importa não é ficar formulando meros juízos de valores, mas sim nunca abrir mãos dos princípios democráticos. Neste sentido, até que não estamos tão mal politicamente dizendo. Nas crises sociais e políticas recentes e mais agudas os interesses públicos e as finalidades das responsabilidades estatais prevaleceram em grande parte. Refutamos os conceitos de Maquiavel e optamos por Max Weber ao impor a denominada ética das responsabilidades na vida república local. Ao enfatizar a necessidade do culpado ser punido, descobrimos que os fins estão sempre impressos nos meios. E recobramos a razão social e jurídica sempre.
     A exigência do agir de acordo com a moral comezinha apontou aqui e acolá para saída mais compatível com o espírito democrático. Renan Calheiros moralmente já perdeu sua primeira batalha. Seja qual for o resultado do processo ético estará ele com sua força combalida e influência restrita. Tal como Fernando Collor, que se reabilitou do processo de cassação sem significância política de relevância. Não chegamos ao desejo republicano e pretensão do sério senador Jefferson Peres. Entrementes, não ficamos no estacionamento histórico - como quer o conjunto de políticos com mentalidades das velhas e imperiais repúblicas dos coronéis (existentes tão-somente no triste e glorioso passado nacional).

Hélcio Corrêa Gomes é advogado e diretor/tesoureiro da OAB/MT ( helciocg@brturbo.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Uma petista das causas bolsonaristas

edna sampaio 400   A emblemática vereadora petista Edna Sampaio (foto) se mostra a cada dia defensora das pautas bolsonaristas. Na Câmara de Cuiabá se aliou e vota combinado com os direitistas e conservadores tenente Paccola (Cidadania) e Michelly (DEM). No episódio em que a colega parlamentar fez uma "sarrada"...

Esperança do Procon por candidatura

gisela simona 400   Quem pensa que Gisela Simona (foto), aquela que perdeu para prefeita de Cuiabá e se queimou politicamente ao se aliar a Abílio no segundo turno, não se movimenta politicamente com interesse nas eleições de 2022 está redondamente enganado. Ela tenta, por tudo, reassumir a...

Sorriso tenta aval para conceder RGA

estevam calvo 400   A Prefeitura de Sorriso quer pagar RGA aos servidores, mas não encontrou até agora respaldo legal para assim proceder, considerando a Lei Complementar 173/2020 que, no contexto da pandemia, proíbe reajuste no salário de servidores federais, estaduais e municipais até 31 de dezembro deste...

Ambulância doada pela CBF para MT

Aron Dresch 400   O governo estadual recebeu doação de uma ambulância da CBF como forma de reconhecimento à dedicação dos profissionais da Saúde e dos serviços que estão sendo prestados durante a pandemia. O Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, foi escolhido para...

Fávaro, relatório e vacina sem Anvisa

carlos favaro 400   O senador mato-grossense Carlos Fávaro (foto), eleito na suplementar do ano passado, está comemorando a aprovação pelos colegas do seu relatório ao Projeto 1315/2021, que libera a importação de vacinas e insumos para o combate à Covid-19 no Brasil e sem depender do...

TRE intima deputado pra se defender

gilberto cattani 400   O TRE já citou o deputado Gilberto Cattani (foto) e o comando do PRTB para se manifestar sobre o pedido do suplente Emílio Populo, que quer a perda do mandato do recém-empossado por infidelidade partidária. O relator é o jurista Sebastião Monteiro. Cattani apresenta defesa na...