Últimas

Segunda-Feira, 16 de Abril de 2007, 15h:27 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A falsa diversidade

    Em função do descaso do governo Lula/PT com a educação pública superior, fato que levou os docentes universitários a uma justa e longa greve em 2005, o período letivo 2007, na UFMT, foi iniciado somente no dia 09 de abril. Como é de praxe, a primeira semana - momento de satisfação para todos os que fazem a UFMT - é destinada à recepção aos calouros. Para isso, a Administração Superior (AS/UFMT) preparou, sob a coordenação da Pró-Reitoria de Vivência Acadêmica (Pró-Vivas), extensa programação. Nos outdoors do campus, era possível ver a chamada para as atividades, no formato de "um convite à diversidade".

  Infelizmente, a convivência diária na Instituição nos impede de acreditar no convite. A "diversidade" não passa de discurso pinçado nas teias teóricas da pós-modernidade/pós-critica; esta, via de regra, incoerente e sem a menor conexão entre teoria e prática. Tal afirmação baseia-se em fatos. Os mais recorrentes são os momentos em que a AS/UFMT se propõe a oferecer algum tipo de "debate". Em tais momentos, raramente se vê uma mesa composta por debatedores com posicionamentos diversos. Os ditos "debates", de voz única e sempre referendando o pensamento hegemônico neoliberal, são apenas para mascarar a falta de democracia interna. Contudo, para além desses instantes caricatos, a AS/UFMT começou a dar passos bem mais graves.

    Desses passos, destaco o que segue: em janeiro/2006 (há mais de um ano), na aula inaugural de 2005/2, estudantes protestaram, firmemente - mas sem violência - contra a privatização das Universidades. Para simbolizar a privatização, recorreram à Semiótica, colocando um vaso sanitário (privada) à frente da mesa em que estava também um represente do MEC. Ao final dos discursos, convidaram todos à retirada da sala. Pouquíssimos permaneceram.

  Na seqüência, a ASCOM (Assessoria de Comunicação/UFMT) noticiou a aula, mas sem menção ao protesto, artificializando uma normalidade. No dia seguinte (20/01/2006), publiquei, pelo Sindicato dos Docentes (ADUFMAT), o artigo "Omissão Jornalística: fatos para debaixo do tapete na UFMT". Condenei a postura jornalística da ASCOM. Disse que nem a Rede Globo, defensora da "ordem", agia mais dessa forma. Mesmo en passent, e, sempre, desvirtuados de suas intenções, protestos têm sido registrados pela mídia.  Em fev/2007, fui "intimado", como "testemunha", por conta do meu artigo mencionado. No dia 13/03/2007, fui "inquirido" em sindicância que visa "apurar" as ocorrências envoltas ao protesto estudantil. A solicitação de "providências" foi encaminhada pela Pró-reitora da Pró-Vivas apenas no dia 25/07/2006 (06 meses após). Em sua justificativa, o adjetivo "grave" tenta qualificar o protesto.

    Diante de tamanha "gravidade", vista apenas pela AS/UFMT, a Vice-reitoria, somente no dia 12/12/2006 (11 meses após o fato e 06 meses depois do pedido da Pró-reitora), abriu a sindicância, constituindo uma Comissão, composta por dois técnico-administrativos e um estudante/militar. Na essência, de posse das fotos que acompanham aquele meu artigo, a Comissão inquiriu-me, dentre outras questões,  sobre os nomes dos estudantes que protestaram. Senti um retrocesso aos tempos da ditadura.

    Ao sair da "Inquirição" - indignado - escrevi uma "Carta Aberta" à responsável pela Pró-Reitoria em tela. Tal carta deveria ser publicada pela ADUFMAT, no dia 15/03. Todavia, o texto foi censurado pela diretoria do meu próprio Sindicato; um equívoco, pois a referida Carta apenas incita à reflexão de ex-companheiros que apóiam ou dirigem a UFMT. Na Carta, pretendo fazê-los ver quem eram e em que se transformaram, se é que já não eram quem demonstram ser hoje.

   No último dia 13, no Teatro Universitário, durante a propaganda governamental do programa "Universidade Nova", dissimulada de "aula magna", professores e estudantes, identificados como Grupo pela democratização da UFMT, fizeram um ato de protesto contra a sindicância em curso. Em silêncio, de mordaças nas bocas, por meio de uma faixa, pediram ao Reitor Paulo Speller que não cerceie e não permita o cerceamento da liberdade de expressão de ninguém.

   Assim, além de denunciar a prática da antidemocracia na UFMT, reforço o pedido ao Magnífico Reitor, apelando para a imediata suspensão da desnecessária sindicância. Conviver com a crítica é condição sine qua non nas democracias; é demonstração de maturidade acadêmica, equilíbrio administrativo e civilidade burguesa. É o mínimo que posso pedir aos que se arrogam defensores da alteridade, das diferenças. Eis a oportunidade para coerência entre discurso e prática. Eis a chance para fazer valer o convite à convivência da diversidade na UFMT.

    Roberto Boaventura da Silva Sá, doutor em Ciência da Comunicação/USP e professor e coordenador da Graduação em Letras/UFMT

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

DEM, bate-cabeça e plano B frustrado

fabinho garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal e empresário Fábio Garcia (foto) acabou deixando o DEM órfão de candidatura a prefeito da Capital. Numa conversa com o governador Mauro, seu padrinho político, Fabinho o assegurou que iria sim disputar o Palácio Alencastro, mesmo pedindo trégua por...

Mauro sofre 2 derrotas para Emanuel

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto), principal estrela do DEM em MT, acabou amargando duas derrotas em Cuiabá para o prefeito Emanuel, neste ano, embora não tenha sido candidato nas urnas. Em princípio, buscou candidatura própria com o seu partido, mas todos os nomes possíveis, como de Gilberto, Gallo,...

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

MAIS LIDAS