Últimas

Sábado, 08 de Setembro de 2007, 09h:10 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

A legalidade das infrações de trânsito

  Ninguém gosta de ser notificado por uma infração de trânsito, tendo em vista o caráter sancionatório do ato administrativo, que redunda sempre no pagamento de valor monetário considerável aos cofres da União, Estados e municípios. O ato administrativo sancionatório a que me refiro - utilizando uma linguagem mais popular e menos jurídica - é a multa de trânsito, imposta ao infrator pela autoridade de trânsito, de onde surgem diversos questionamentos posteriores que deságuam no Poder Judiciário.
     A situação jurídica para verificação da regularidade do auto de infração começa com a notificação, pois é exigida definição precisa, pormenorizada, do ato que infringe a lei de trânsito, sob pena de ser a autuação considerada dúbia e com isso causar a nulidade da notificação e do próprio auto de infração, uma vez que ofenderá ao princípio constitucional da ampla defesa e do contraditório. Afinal, o infrator necessita saber em qual tipo do Código Brasileiro de Trânsito está incurso, o que deve estar bem e expressamente indicado na notificação, para poder se defender.
     Vou dar um exemplo da necessidade de especificação, da precisão exigida: o art. 195 registra "desobedecer as ordens emanadas da autoridade competente de trânsito ou de seus agentes". Pergunto: que ordem, que comando, que sinal foi desobedecido? Como poderá haver defesa se não ocorrer a descrição da ordem que foi desobedecida ou se não se identifica a autoridade competente ou o agente que a ordenou? Daí porque quem autua não deve deixar de assinalar integralmente os dados que caracterizaram o fato e permitem a defesa do interessado.
     Outro ponto é a notificação. É única, bastando aquela no momento da infração? Não. A jurisprudência já se firmou para exigir a dupla notificação ao infrator, com o que se legitimará a imposição da penalidade de trânsito. A primeira, com o objetivo de garantir a defesa prévia, por ocasião da lavratura em flagrante do auto de infração (art. 280, VI, Código Brasileiro de Trânsito), ou, se detectada a falta a distância, mediante comunicação documental (art. 281, parágrafo único, inciso II, do Código Brasileiro de Trânsito). A segunda, quando do julgamento da regularidade do auto de infração e da imposição da penalidade (art. 281, caput, e art. 282, Código Brasileiro de Trânsito).
     O referido entendimento está consolidado no enunciado de súmula 312 do Superior Tribunal de Justiça, cujo teor é o seguinte: No processo administrativo para imposição de multa de trânsito, são necessárias as notificações da autuação e da aplicação da pena decorrente da infração. O procedimento de cunho administrativo que visa à aplicação de sanção, por infringência ao Código Brasileiro de Trânsito, obedece a um iter procedimental que respeita aos princípios constitucionais exigidos para que possa o Estado, validamente, impingir a pena imposta em lei.
     Desse modo, é necessário interpretar o art. 281, parágrafo único, inciso II, do Código Brasileiro de Trânsito, levando-se em consideração os princípios constitucionais do devido processo legal e da ampla defesa, ressaltando-se que, a mera expedição da notificação, sem que haja o efetivo recebimento por parte do infrator, também não dá início ao prazo para oferecimento de defesa.
     Para finalizar, não se terá trânsito seguro sem educação, assim como essa seguridade ficará sobremodo prejudicada se faltar fiscalização, imposição e cobrança efetiva das penalidades. Portanto, os comportamentos devem ser adequados e eficientes, seja das autoridades, seja dos motoristas e pedestres, para o cumprimento da lei de trânsito e, por conseqüência, para a segurança de todos nós. Isso porque é a vida que pede passagem.

Antônio Horácio da Silva Neto é presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam). E-mail: ahsneto@terra.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Covid mata 20º pastor da Assembleia

aparecido domingues pastor cidao 400   Morreu neste sábado mais um pastor da Assembleia de Deus em consequência da Covid-19. Aparecido Francisco Domingues, o Cidão (foto), que era vice-presidente em Paranaíta, é o 20º pastor da Igreja em Mato Grosso a vir a óbito, após ser infectado pelo novo...

Os virtuais candidatos a governador

ygor moura 400   Mesmo que timidamente, alguns começam a externar, em privado, o desejar de disputar o governo estadual por um bloco de oposição, contrapondo o projeto de reeleição de Mauro Mendes. O empresário Ygor Moura (foto), da rede de clínicas de depilação Espaçolaser,...

Nomes "de fora" pra deputado federal

valtenir pereira 400   Enquantos os oito deputados da bancada federal de MT (Barbudo, Medeiros, Leonardo, Rosa Neide, Juarez, Bezerra, Emanuelzinho e Neri) vão em busca da reeleição, na esperança de continuarem em Brasilia por mais quatro anos, outros líderes correm por fora, dispostos a também entrar na...

Todos federais vão tentar a reeleição

carlos bezerra 400   Todos os oito deputados federais mato-grossenses estão trabalhando projeto de reeleição. Mas um resolveu espalhar, em paralelo, a ideia de tentar o Senado: Neri Geller (PP). Sabe-se, porém, que a jogada do deputado de Lucas do Rio Verde e que já foi ministro da Agricultura não passa de...

Mil cestas básicas vão para músicos

alberto machado 400   O secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está comemorando a decisão do governador Mauro Mendes e da primeira-dama Virginia Mendes, que desenvolve ações sociais de forma voluntária, de disponibilizar mil cestas básicas para...

Assembleia cede espaço pra vacinação

Eduardo Botelho _ 400   O prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro procurou e encontrou apoio da Assembleia para ampliar locais de vacinação da população contra Covid-19. Em reunião nesta sexta entre o prefeito e os deputados Eduardo Botelho (foto), Paulo Araújo e João José, que preside a...