Últimas

Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2007, 10h:01 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A Lei de Responsabilidade Fiscal e os municípios

 

    O economista e geógrafo François de Bremaeker, coordenador do Banco de Dados Municipais, discorre, no artigo abaixo, sobre a Lei de Responsabilidade Fisca. Para ele, o sucesso da LRF somente se deu em razão do controle da inflação a níveis 'civilizados'. Confira.

     François E. J. de Bremaeker

    Diversas avaliações sobre o desempenho da Lei de Responsabilidade Fiscal têm sido elaborados por órgãos governamentais e por entidades não-governamentais, sempre apresentando resultados favoráveis.

    Em primeiro lugar, o sucesso da Lei somente se deu em razão do controle da inflação a níveis ditos "civilizados". Foi o que criou um ambiente favorável para a aplicação da atual legislação que rege as finanças públicas no País.

     Em segundo lugar, é bom esclarecer, o Município é o único ente governamental instado a cumprir integralmente a Lei de Responsabilidade Fiscal, vez que o seu artigo 62 possibilita aos Estados e à União a manutenção de uma prática consagrada: repassar encargos de sua exclusiva competência para serem custeados pelos Municípios, conta que alcançou a cifra de R$ 7,4 bilhões em 2005. Obviamente que os demais entes federados se eximem desta "responsabilidade fiscal".

    Em terceiro lugar, se a Lei de Responsabilidade Fiscal valesse para todos no que diz respeito ao impedimento da renúncia de receita, sem que seja apresentada uma nova fonte de recursos, ela deveria ter derrogado a Lei Complementar 87/1996, a Lei Kandir, em que a União desonera o ICMS (imposto estadual) da exportação dos produtos primários e semi-elaborados.

     O prejuízo financeiro dos Estados com a renúncia fiscal imposta pela União aos Estados é enorme. Segundo estes, a desoneração pode variar entre R$ 15 bilhões e R$ 18 bilhões, mas o ressarcimento previsto é de apenas R$ 5,8 bilhões, ou seja, perto de um terço do real valor da desoneração, sendo que os Estados ainda estão "brigando" pela liberação dos últimos R$ 1,3 bilhão.

     Enquanto os Estados sucumbem diante do montante da sua dívida, reajustada por pesados juros, amargam a cada ano um colossal prejuízo com a desoneração do seu ICMS, do qual os Municípios são sócios em 25% deste montante (que pode variar entre R$ 2,7 bilhões e R$ 3,5 bilhões).

      Se somarmos o quanto os Municípios pagam para a manutenção de serviços e programas dos Estados e da União e mais o quanto os Municípios perdem com a desoneração do ICMS, chega-se a uma conta que oscila entre R$ 10,1 bilhões e R$ 10,9 bilhões.

       Se a parcela não restituída aos Estados pela desoneração do ICMS fosse compensada da sua dívida, eles poderiam investir mais e assumir, de fato, o custeio das suas obrigações, aliviando as finanças municipais.

       François E. J. de Bremaeker é economista e geógrafo no Rio de Janeiro e coordena o Banco de Dados Municipais (bremaeker@ibam.org.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Câmara de Barra devolve R$ 100 mil

joao rodrigues 400 presidente c�mara barra do gar�as   A Câmara Municipal de Barra do Garças devolveu à prefeitura R$ 100 mil para serem investidos em medidas de combate ao novo coronavírus. O presidente do Legislativo, vereador João Rodrigues de Souza, o doutor...

Auditor assume Secretaria de Controle

demilson nogueira 400   O auditor Newton Gomes Evangelista, servidor de carreira, é o novo secretário de Controle Interno da Assembleia. Ele já respondeu também pela Auditoria-Geral da Casa. Newton assumiu a Controladoria Interna no lugar do ex-prefeito de Ponte Branca, Demilson Nogueira (foto), que deixou o posto...

Cuiabá é a unica com tudo fechado

emanuel pinheiro curtinha   A pressão sobre o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) fica agora mais forte para flexibilizar logo o decreto restrito por causa do coronavírus. Ele é o único dos gestores das maiores cidades mato-grossenses que ainda mantém decisão de fechar praticamente tudo na Capital, com...

Deputado põe aliado no lugar do irmão

ronaldo taveira 400 curtinha   Coube ao próprio deputado Wilson Santos indicar um nome para o lugar do irmão Elias Santos, que na última sexta (3) deixou a secretaria de Gestão de Pessoas da Assembleia para concorrer a vereador em Cuiabá. E o ex-prefeito emplacou no cargo que rende R$ 19,9 mil mensais o velho...

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

Irmão de Thelma na lista dos traidores

ronaldo pimentel 400 curtinha   Na carta aberta assinada por Ricardo Saad, que preside o PSDB cuiabano, ele reclama de dívidas milionárias herdadas de antecessores, inclusive dos R$ 4 milhões de pendências somente do pleito de 2016, e menciona, entre outras coisas, que "(...) há correligionários, que estavam...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.