Últimas

Domingo, 22 de Abril de 2007, 07h:44 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A lei do Uso do Solo x os estacionamentos pagos

   O gestor ambiental e publicitário Dejair Soares alerta, em artigo abaixo, sobre a ilegalidade que estão cometendo alguns centros comerciais de Cuiabá ao cobrar de seus clientes a utilização dos estacionamentos, transformando "garagens coletivas" em vagas de "garagens comerciais". Confira abaixo. 

   Os municípios, para ordenar seu território, recorrem a diversos instrumentos jurídicos de gerenciamento urbano, como a Lei de Uso e Ocupação do Solo. Esta lei determina o que, onde e quanto pode ser construído em cada região da cidade. Além disso, exige vagas de estacionamento das atividades e empreendimentos geradores de tráfego de veículos.
    A aprovação da construção de um empreendimento e a liberação de seu alvará de localização e funcionamento pela Prefeitura está condicionada ao cumprimento de determinadas cláusulas, como não poderia deixar de ser.
    A obrigatoriedade de vagas de estacionamento evita o congestionamento das vias públicas circunvizinhas. 
     Em Cuiabá, esta regulamentação, até o ano de 1997, embasava-se na Lei n.º 2023/82, a qual foi substituída pela Lei Complementar n.º 044/97. Ambas exigiam vagas para estacionamento nas atividades e empreendimentos geradores de tráfego.
      De acordo com o artigo 52 da Lei Complementar n.º 044/97, centros comerciais (shopping centers) e supermercados devem destinar área mínima para o estacionamento na proporção de uma vaga para cada 50 m² ou fração de área construída.
   Os locais de reunião e afluência de público (como cinemas) devem destinar uma vaga de estacionamento para cada cinco pessoas que compõem a capacidade máxima de usuários.
    Porém, recentemente os centros comerciais de Cuiabá começaram a cobrar de seus clientes a utilização dos estacionamentos, transformando as vagas dos estacionamentos das "garagens coletivas" em vagas de "garagens comerciais" (conforme incisos XXX e XXXI do artigo 3.º, da Lei Complementar n.º 102/97, Código de Obras).
    Na esteira da transgressão à lei, o supermercado (o Big Lar do Jardim das Américas) passou também a lucrar com a cobrança ilegal.
    Portanto, o que era condição sine qua non para o funcionamento da atividade principal, no caso o centro comercial ou o supermercado, virou empreendimento independente: "garagem comercial".
     Desta forma, entende-se que o empreendimento anterior deixou de atender às exigências legais, haja vista que não oferece estacionamento para seus clientes e assim estes passam a utilizar os espaços públicos do sistema viário para esta função, vindo a tumultuar as regiões do entorno do empreendimento.
     Igualmente, a "garagem comercial" deve ser analisada e aprovada pela Prefeitura, conforme o Código de Obras exige de um empreendimento independente.
      Com efeito, à luz desse Código, "garagens comerciais" são aquelas destinadas às locações de espaços para estacionamento e guarda de veículos; e "garagens coletivas" são aquelas destinadas à guarda de mais de um veículo, em vagas individuais utilizadas pelos proprietários das unidades autônomas ou pelos clientes ou visitantes, quando se tratar de estabelecimentos comerciais, industriais, de serviços ou institucionais, dispostas em espaço comum.
    Em vista do exposto, entende-se ILEGAL A COBRANÇA DE ESTACIONAMENTO (enquanto parte integrante de outro empreendimento) e/ou ILEGAL A RENOVAÇÃO DO ALVARÁ DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COMERCIAIS que pratiquem a cobrança, uma vez que não atendem à exigência de vagas de estacionamento para seus clientes, conforme determina a Lei Complementar n.º 103/03, a Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano.
     Neste ritmo, daqui a alguns dias os restaurantes, bares e boates começarão a cobrar pela utilização dos sanitários?
    Numa terra sem lei, galo cego canta de galo, ou galinho tem puleiro nesse milheiro?

    Dejair Soares é publicitário, gestor público, gestor de Estado e Cidade e gestor ambiental

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Despesas e o uso eleitoreiro de CPI

marcelo bussiki 400 curtinha   Buscando visibilidade pela reeleição em ano eleitoral, alguns vereadores da Capital, vergonhosamente, usaram e abusaram de dinheiro público para promoção pessoal na esteira da CPI do Paletó. A tendência é do relatório paralelo que pede afastamento do...

Sorriso incentiva 40 projetos culturais

ari lafin 400 curtinha   A seis meses de concluir o mandato, o prefeito de Sorriso, Ari Lafin (foto), estabeleceu, dentro do Plano Municipal de Cultura, o "PROMIC - Festival da Cultura 2020" para contemplar 40 projetos cujos valores somam R$ 340 mil, envolvendo artes visuais, artes cênicas, cultura popular, música, audiovisual,...

Quase R$ 2 mi para o Lucas Protegida

binotti 400 curtinha   A Prefeitura de Lucas do Rio Verde, sob Luiz Binotti (foto), contratou, por R$ 1,9 milhão, um consórcio formado pela Rocha Comércio de Equipamentos, que ficará com a maior "fatia" de R$ 1,4 milhão, e a Airplates Tecnologia da Comunicação, com R$ 521,7 mil, para desevolver o...

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

Nomes do DEM para vereador de VG

pablo 400 curtinha   O DEM do casal Jayme-Lucimar, senador e prefeita, respectivamente, é dono da maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com sete dos 21 vereadores. Destes, cinco já estão trabalhando projeto de reeleição, sendo eles Gisa Barros, que era do PSB; Valdemir Bernadino, o Nana; Pedro...

Flerte com candidato de outro partido

selma arruda 400 curtinha   Apesar de estar filiada ao Podemos, a ex-senadora Selma Arruda, que teve o mandato cassado por crimes eleitorais e deixou a cadeira neste ano, continua flertando com o pedetista, empresário e vice-governador Otaviano Pivetta, que não demonstra mais tanto ânimo para continuar com o projeto de disputa...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.