Últimas

Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2007, 08h:06 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

Artigo

A mídia e a violência

     Tive acesso a uma pesquisa quantitativa de opinião pública a respeito de um projeto chamado “Mato Grosso e a construção da paz social”, que a  Secretaria estadual de Justiça e Segurança Pública pretende implantar. A pesquisa foi feita em Sinop, um município de 102 mil habitantes, a 500 km de Cuiabá na região do Médio-Norte do estado.
     Não gostaria de entrar na discussão dos dados numéricos, porque não pedi permissão ao Instituto Vetor da Pesquisa, autor da sondagem. Mas gostaria de ater-me a algumas observações muito importantes: a percepção da violência na cabeça das pessoas.
     Os dados são impressionantes. A maioria dos habitantes pensa na violência pelo menos uma vez por dia e conversa freqüentemente em família sobre o assunto. A violência tomou conta da cabeça dos habitantes, embora a incidência não seja tão relevante ao ponto de contaminar tanto assim a cabeça das pessoas.
     Mas assusta mesmo quando se percebe que a maior fonte do amedrontamento da sociedade local, ao ponto do medo, do pânico e do terror, são os programas policiais veiculados nas emissoras locais de televisão. Quando os moradores são confrontados com a violência vivida, uma minoria foi vítima diretamente ou através de parentes. Porém, o medo é generalizado.
     É aqui que entra um dos pontos curiosos da pesquisa: as pessoas admitem que são profundamente influenciadas no medo e no pavor da violência pelos programas dito policiais na televisão. Incluem os programas nacionais e estaduais.
     Se a população de Sinop sofre essa síndrome, é de se esperar que toda a população de todas as demais cidades no estado também sofra a mesma influência. Cabe perguntar sobre o controle a esses programas. Não há, de parte do Ministério do Trabalho que rege a carreira profissional dos apresentadores, do Sindicato dos Jornalistas, do Ministério Público, da Justiça e de ninguém. Como a matéria prima é a quebra da ordem pública, a locução dos apresentadores é sensacionalista e transmite a idéia de que o mundo está sempre acabando em crimes de morte, de assaltos, de roubos, de tráfico de drogas, de roubo de veículos, etc.
     A liberdade de expressão no Brasil é ampla e abrangente. Não se pode censurar previamente qualquer publicação ou emissão, responsabilizando-se os autores perante a lei pelos excessos. Na falta de controle, os dito programas exigem cadáveres e corpos se esvaindo em sangue para “ilustrar” a violência. Existe um discurso de mostrar para combater. Mas esse é um discurso descosturado. Mostra-se generalizadamente, em horários livres de exibição na televisão, cenas chocantes de acidentes, de mortes e de assassinatos, ou de prisão de assaltantes e traficantes, com depoimentos inapropriados para a infância e a juventude.
     O que fica, para as escolas de comunicação, para os técnicos e para os sociólogos e antropólogos é a discussão: até que ponto a mídia não alimenta a violência pela “glamourização” do crime, já que jovens imaturos e desprepados se sentem super-homens quando aparecem algemados diante das câmeras e podem dar a sua versão “heróica” sobre sua performance criminosa. A mídia tem apavorado a sociedade tanto quanto os bandidos.

 

Onofre Ribeiro é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Mauro e vitórias na briga de decretos

mauro mendes 400 A estratégia do governador Mauro Mendes (foto) de articular com os Poderes a edição do decreto de toque de recolher vem dando frutos. O governo publicou decreto impondo toque de recolher das 21h às 5h, com fechamento do comércio às 19h. O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, discordou e fez...

Prefeito é intubado e pode ir para SP

Prefeito de Tapurah Carlos Alberto Capeletti   É grave o quadro de saúde do prefeito de Tapurah (432 km de Cuiabá), Carlos Alberto Capeletti (PSD). Após piora, ele precisou ser intubado nesta quinta (4). Foi internado na terça (2), após testar positivo para Covid-19, em uma UTI no Hospital 13 de Maio, em...

Setasc doou 330 mil cestas básícas

Rosamaria 400 curtinha   A Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Setasc), sob Rosamaria de Carvalho (foto), já entregou mais de 330 mil cestas básicas desde o inicio da pandemia, sendo 110 mil em Cuiabá e Várzea Grande. E como assistência social foi considerada como serviço essencial,...

Interinos ficam sem cargos no TCE

jose carlos novelli 400 curtinha   Com o retorno dos conselheiros do TCE, Antonio Joaquim e José Carlos Novelli (foto), dois substitutos perderam os postos não apenas nas relatorias, como também ficam sem os cargos na gestão. É o caso de Isaías Lopes da Cunha, que deixou de ser ouvidor-geral, sendo...

MT perde José Afonso Portocarrero

portocarrero-400   Morreu nessa quarta  (3), aos 93 anos, José Afonso Portocarrero (foto). O ex-presidente dos extintos  Banco do Estado de Mato Grosso (Bemat)  e Loteria do Estado de Mato Grosso (Lemat)  morreu de causas naturais. Viúvo, deixa quatro filhos.  Na vida profissional, foi o responsável...

Secretários filiados e sem pretensões

Beto 2x1 400 curtinha   Presidente do DEM em Cuiabá, o secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 x 1 (foto), disse, em visita ao Rdnews, quando concedeu entrevista à tvweb RDTV, que alguns colegas secretários estão filiados ao partido, mas isso não significa que eles...