Últimas

Sábado, 06 de Janeiro de 2007, 01h:20 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A negação do processo democrático

    O advogado Antônio Monteiro comenta, em artigo assinado em A Gazeta, a polêmica em torno dos transgênicos.

    Além de prorrogar o imbróglio jurídico que impede a liberação comercial dos produtos transgênicos, a última reunião de 2006 da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), encerrada no dia 14 de dezembro, revelou mais um desafio ao processo democrático. Apesar de a maioria de parlamentares ter aprovado em Congresso a Lei de Biossegurança que regulamentou o alcance da atuação da comissão, uma minoria continua se valendo de subterfúgios para impedir que entre em vigor a lei democraticamente aprovada.

    A negação do processo democrático usa como pretexto a suposta preocupação com questões ambientais em um estudo científico já reconhecido, aprovado e aplicado no mundo inteiro há anos, inclusive no Brasil. É sabido que a biotecnologia desenvolve microrganismos geneticamente modificados para a indústria farmacêutica, química e têxtil, entre outras, em um amplo campo de aplicação que inclui desde produtos para mineração a enzimas para a indústria alimentícia. Na área da saúde, há duas décadas a biotecnologia é empregada na fabricação de mais de 400 produtos médicos, vitamina C, hormônios de crescimento, anticorpos, medicamentos utilizados no combate à Aids, produção de insulina e vacinas contra a hepatite B.

     Ora, se já há tantos produtos da biotecnologia em plena utilização no mundo inteiro, e se obedecem a rígidos critérios de controle de riscos à saúde e ao meio ambiente, por que toda essa resistência contra os transgênicos, especialmente no Brasil? A cautela e a experiência de outros países de nada servem para nós? Será mesmo que os cientistas brasileiros não são capazes de produzir avaliações sérias e isentas? A situação parece indicar que, na verdade, simplesmente prorroga-se a moratória à biotecnologia, que vem desde a aprovação da soja transgênica pela CTNBio, em 1998, como manifestação cega e antidemocrática, sem embasamento científico. Estabeleceu-se um entrave ideológico anticapitalista e antiglobalização em torno de uma tecnologia que o Brasil tem enorme vocação para desenvolver. O artifício extremo dessa resistência é o recurso ao Judiciário, na velha fórmula de fazê-lo interferir no exame de conveniência conferido ao Executivo para, em última análise, tornar letra morta a decisão que veio do Legislativo, que afinal aprovou o uso da biotecnologia no país.

    Se convém submeter à audiência pública um processo de aprovação de OGM, por que a própria CTNBio não convocou a audiência? Não será porque a sociedade nada tem a agregar de válido na análise técnico-científica a cargo da CTNBio? Como a lei faculta a CTNBio convocar audiências públicas, mas não impõe isso a ela, por que os que foram à Juízo confiam menos na CTNBio do que a própria lei o faz?

      Já foram feitas tantas intervenções nos trabalhos da comissão, que muitos não têm dúvida de que se trata de impedir que a biotecnologia se desenvolva no Brasil. Nada a ver com o meio ambiente ou a saúde pública.

    Antônio Monteiro é advogado e membro do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...

Com Paccola, Câmara terá polêmicas

paccola 400 curtinha   O vereador eleito pela Capital, tenente-coronel PM Marcos Eduardo Ticianel Paccola (foto), do Cidadania, promete levar muitas polêmicas para os embates que pretende travar no Legislativo. Ele é daqueles sem papas na língua. Defende, por exemplo, que a população tenha direito de se armar. Em...

Esposa de deputado na 2ª suplência

maria avalone 400   Não foi só o deputado estadual Wilson Santos que frustrou-se na tentativa de eleger membro da família à cadeira de vereador. O também parlamentar Carlos Avalone, presidente regional do PSDB, apostou todas as fichas na esposa Maria Avalone. Mas ela só chegou à...

Neurilan e apoio de Botelho à AMM

eduardo botelho 400 curtinha   Em busca de apoio de lideranças políticas para permanecer no comando da AMM por mais três anos, Neurilan Fraga foi pedir socorro para o presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (foto). Quer que o parlamentar seja o presidente de honra de sua chapa. Neurilan tem se articulado como pode e,...