Últimas

Sábado, 12 de Maio de 2007, 09h:42 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A opção preferencial dos pobres

     Publicada em caderno especial pela Folha no dia 6 de maio, pesquisa do Datafolha confirma as tendências de declínio católico e de expansão pentecostal. Para dissabor do pontífice católico, a eficiência proselitista e o dinamismo do pentecostalismo, que já abriga 17% dos brasileiros, tornaram o Brasil o segundo maior país evangélico do mundo. Por diversas razões, o Brasil constitui terreno dos mais férteis para seu avanço.
     A liberdade religiosa, assegurada pela separação jurídica entre Estado e igreja, garantiu a legitimação e dilatação do pluralismo e a consolidação de um mercado religioso competitivo. Na esfera cultural, a permanência de forte substrato religioso de matriz cristã (verificável nas elevadas taxas de brasileiros que afirmam crer em Deus, Diabo, nascimento virginal e ressurreição de Cristo) permite que a prédica pentecostal construa pontes com a religiosidade popular, embora com menor êxito nos lugares onde o catolicismo popular é enraizado e mobilizado institucionalmente, caso do Nordeste.
     No campo religioso, a fragilidade institucional da Igreja Católica, expressa no pequeno número de sacerdotes e no alto contingente de católicos não praticantes, ou alheios aos poderes eclesiásticos, diminui o custo pessoal da apostasia, facilita o trânsito religioso e o trabalho dos concorrentes. No plano político, candidatos, partidos e governantes demandam apoio eleitoral e político dos líderes pentecostais a cada pleito e em votações no Legislativo, reforçando, assim, o poder de barganha, a participação política e a influência destes religiosos na esfera pública (de cujo impacto se ressentem grupos feministas, homossexuais e afro-brasileiros).
     No plano socioeconômico, vigoram altos índices de desemprego e de informalidade no mercado de trabalho, precarização da educação pública e das condições de trabalho sob o capitalismo flexível, vexaminosa desigualdade social, explosão da criminalidade. Nada mais providencial para uma religião que cresce majoritariamente na pobreza, nas periferias desassistidas das regiões metropolitanas e nas frentes migratórias.
     Tal contexto, porém, não é responsável por seu sucesso, que é, acima de tudo, fruto de sua capacidade de explorá-lo. Facilita seu proselitismo, liderado por um sem-número de pastores desprovidos de erudição teológica, mas peritos na língua e nos interesses materiais e ideais dos pobres. Ativismo religioso do qual também se encarregam diligentemente os leigos.
     Pragmáticos, seus líderes hipertrofiam as promessas de cura e prosperidade, adaptam a mensagem mágico-religiosa às demandas de fiéis e virtuais conversos, provendo-os de sentido para lidar com infortúnios e aflições, mudar a subjetividade e elevar a auto-estima. Daí os rituais de descarrego e libertação de demônios, a alta voltagem emocional dos cultos, a estridência da música gospel e a criação de igrejas que possuem gestão empresarial, utilizam técnicas de marketing, fixam metas de produtividade, sistematizam a oferta de serviços mágicos e investem pesado no evangelismo eletrônico.
     Mas seu apelo conversionista encerra notórios limites de classe. Seus pendores contraculturais, ascéticos, moralistas e antiintelectualistas encontram baixa receptividade na classe média mais escolarizada, indisposta a mudar hábitos por causa de motivos religiosos, como declaram tê-lo feito 54% dos pentecostais.
     Liberalizar costumes, estratégia neopentecostal, permitiu recrutar, timidamente, pessoas de classe média. Além da barreira de classe, sua pretensão identitária totalizante enfrenta embaraços frente a mudanças culturais em curso, como a difusão do relativismo cultural, do individualismo e do hedonismo, a pluralização e fragmentação das identidades, a multiplicação das pertenças sociais e a autonomização dos indivíduos das autoridades e instituições religiosas.
     Por possibilitar maior controle comunitário dos fiéis, sua condição de religião minoritária e sectária consegue deter, embora muito parcialmente, os efeitos licenciosos dessas mudanças. Para tanto, contribui a relação carnal entre pentecostalismo e pobreza, dada a dependência do laço e da submissão religiosos que esta última fomenta.

 

RICARDO MARIANO é sociólogo, professor da PUC-RS e autor de "Neopentecostais: Sociologia do Novo Pentecostalismo no Brasil" (Loyola)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

EP vira "garoto propaganda" do HMC

emanuel hmc 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (MDB) não se conteve e gravou um vídeo de um minuto e 35 segundos em que aparece em frente ao HMC. E, imitando a passagem de um repórter de TV, convida a população a conhecer o recém-inaugurado hospital. Enquanto fala, imagens mostram salas, equipamentos e a...

DEM "esconde" candidatos a vereador

beto 2 a 1 400 curtinha   O presidente do DEM em Cuiabá, Beto 2 a 1 (foto), secretário estadual de Governo, faz mistério sobre a chapa que está sendo montada para concorrer a vagas na Câmara de Cuiabá. Não esconde apenas o nome do vereador Marcelo Bussiki que, em março, deixa o PSB aproveitando...

Fávero e peso político em novo partido

silvio favero 400   A definição pelo presidente Jair Bolsonaro para que Silvio Fávero conduza a Comissão Provisória em MT da Aliança pelo Brasil, partido que só será criado oficialmente no próximo ano ou em 2021, representa peso político importante para o deputado de primeiro...

Prefeito estoura limite e TCE faz vetos

francis maris 400 curtinha   No sétimo e penúltimo ano de mandato, o prefeito cacerense Francis Maris (foto) segue na mesma toada, de que a administração precisa continuar "enxugando" a máquina, embora já tenha conseguido o equilíbrio fiscal e que quem o suceder receberá uma gestão...

Vice muda de partido e vai a prefeito

leandro felix 400 curtinha   O vice-prefeito de Nova Mutum e primeiro-suplente de deputado estadual, Leandro Félix (foto), pretende deixar o DC. Deve se filiar no Podemos ou no PRB. Vai depender da orientação política dos irmãos Adriano (Podemos) e Otaviano Pivetta (PDT), respectivamente, prefeito de Mutum e...

Câmara só regulamenta salário de EP

misael partido 400 curtinha   Ao fixar o salário do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro em R$ 27 mil, a Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto) não aumenta o subsídio de Emanuel de imediato, mas sim regulamenta o valor que já era pago desde dezembro de 2018. O imbróglio começou...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.