Últimas

Sábado, 12 de Maio de 2007, 09h:42 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A opção preferencial dos pobres

     Publicada em caderno especial pela Folha no dia 6 de maio, pesquisa do Datafolha confirma as tendências de declínio católico e de expansão pentecostal. Para dissabor do pontífice católico, a eficiência proselitista e o dinamismo do pentecostalismo, que já abriga 17% dos brasileiros, tornaram o Brasil o segundo maior país evangélico do mundo. Por diversas razões, o Brasil constitui terreno dos mais férteis para seu avanço.
     A liberdade religiosa, assegurada pela separação jurídica entre Estado e igreja, garantiu a legitimação e dilatação do pluralismo e a consolidação de um mercado religioso competitivo. Na esfera cultural, a permanência de forte substrato religioso de matriz cristã (verificável nas elevadas taxas de brasileiros que afirmam crer em Deus, Diabo, nascimento virginal e ressurreição de Cristo) permite que a prédica pentecostal construa pontes com a religiosidade popular, embora com menor êxito nos lugares onde o catolicismo popular é enraizado e mobilizado institucionalmente, caso do Nordeste.
     No campo religioso, a fragilidade institucional da Igreja Católica, expressa no pequeno número de sacerdotes e no alto contingente de católicos não praticantes, ou alheios aos poderes eclesiásticos, diminui o custo pessoal da apostasia, facilita o trânsito religioso e o trabalho dos concorrentes. No plano político, candidatos, partidos e governantes demandam apoio eleitoral e político dos líderes pentecostais a cada pleito e em votações no Legislativo, reforçando, assim, o poder de barganha, a participação política e a influência destes religiosos na esfera pública (de cujo impacto se ressentem grupos feministas, homossexuais e afro-brasileiros).
     No plano socioeconômico, vigoram altos índices de desemprego e de informalidade no mercado de trabalho, precarização da educação pública e das condições de trabalho sob o capitalismo flexível, vexaminosa desigualdade social, explosão da criminalidade. Nada mais providencial para uma religião que cresce majoritariamente na pobreza, nas periferias desassistidas das regiões metropolitanas e nas frentes migratórias.
     Tal contexto, porém, não é responsável por seu sucesso, que é, acima de tudo, fruto de sua capacidade de explorá-lo. Facilita seu proselitismo, liderado por um sem-número de pastores desprovidos de erudição teológica, mas peritos na língua e nos interesses materiais e ideais dos pobres. Ativismo religioso do qual também se encarregam diligentemente os leigos.
     Pragmáticos, seus líderes hipertrofiam as promessas de cura e prosperidade, adaptam a mensagem mágico-religiosa às demandas de fiéis e virtuais conversos, provendo-os de sentido para lidar com infortúnios e aflições, mudar a subjetividade e elevar a auto-estima. Daí os rituais de descarrego e libertação de demônios, a alta voltagem emocional dos cultos, a estridência da música gospel e a criação de igrejas que possuem gestão empresarial, utilizam técnicas de marketing, fixam metas de produtividade, sistematizam a oferta de serviços mágicos e investem pesado no evangelismo eletrônico.
     Mas seu apelo conversionista encerra notórios limites de classe. Seus pendores contraculturais, ascéticos, moralistas e antiintelectualistas encontram baixa receptividade na classe média mais escolarizada, indisposta a mudar hábitos por causa de motivos religiosos, como declaram tê-lo feito 54% dos pentecostais.
     Liberalizar costumes, estratégia neopentecostal, permitiu recrutar, timidamente, pessoas de classe média. Além da barreira de classe, sua pretensão identitária totalizante enfrenta embaraços frente a mudanças culturais em curso, como a difusão do relativismo cultural, do individualismo e do hedonismo, a pluralização e fragmentação das identidades, a multiplicação das pertenças sociais e a autonomização dos indivíduos das autoridades e instituições religiosas.
     Por possibilitar maior controle comunitário dos fiéis, sua condição de religião minoritária e sectária consegue deter, embora muito parcialmente, os efeitos licenciosos dessas mudanças. Para tanto, contribui a relação carnal entre pentecostalismo e pobreza, dada a dependência do laço e da submissão religiosos que esta última fomenta.

 

RICARDO MARIANO é sociólogo, professor da PUC-RS e autor de "Neopentecostais: Sociologia do Novo Pentecostalismo no Brasil" (Loyola)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

EP cresce 5; Abílio perde 3, diz Ibope

emanuel pinheiro 400 curtinha   Pelos números do Ibope, revelados nesta sexta à noite pela TV Centro América (Globo), Abílio Júnior (Podemos) oscilou negativamente 3 pontos percentuais em menos de uma semana, de 48% para 45% das intenções de voto. Já o emedebista Emanuel Pinheiro (foto)...

Sob arrogância, ataque e desrespeito

abilio junior 400 curtinha   O candidato Abílio Junior (foto), que disputa o segundo turno em Cuiabá com o prefeito Emanuel, chegou bastante nervoso e irritado para o debate nesta sexta, na TV Vila Real (Record). Demonstrando arrogância, ignorou o superintendente do Grupo Gazeta de Comunicação, Dorileo Leal, na...

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...