Últimas

Terça-Feira, 10 de Abril de 2007, 01h:13 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A pergunta que falta

Igor Gielow, fala sobre a legalização do aborto, entre eles também está o desinteresse político sobre o caso.

     De tempos em tempos, a discussão sobre a legalização do aborto ressurge. Geralmente, some logo, pois de um lado há preguiça política e, do outro, mistificações contaminam argumentos. Não nos falta histeria de bispos e feministas.
Tomara que isso mude. 
     Após falar ligeirezas, o ministro José Gomes Temporão (Saúde) acerta ao defender o debate em termos de saúde pública, mas escorrega ao achar que o debate pode embasar um plebiscito. Primeiro, porque estamos no Brasil. Ou alguém vê TVs abertas e rádios, únicas fontes universais de informação do país, dispostas a bancar tal discussão de forma esclarecedora? 
     Bastaria a idéia surgir para o lobby religioso apontar a ação "contra a vida", a despeito do fato de que os cerca de 1 milhão de abortos ilegais anuais, cuja segurança decresce com a renda, seguirão ocorrendo.
Aqui, se apoiar a mudança na lei, você é "a favor do aborto". 
     Ora, ninguém que fez aborto o aprova como recurso corriqueiro, nem ele é visto como uma opção contraceptiva. É um extremo. É um episódio fisicamente traumático e psicologicamente arrasador.
Hoje, a mulher que se arrisca a fazer aborto, independente do motivo, é uma criminosa. Falta então a pergunta certa: "A mulher que fez um aborto deve ser presa?". 
     Segundo, o plebiscito é tolo. Não se trata de uma imposição à maioria, e sim a salvaguarda de um direito. Essa é uma opinião; há os que defendem direitos de células, tudo é argumentável. Uma legalização demandaria aconselhamento prévio para evitar banalizações e acompanhamento posterior para orientar e detectar eventuais reincidências. 
     Talvez o SUS não comporte isso, esse é outro ponto. Mas todo o debate parece improvável, ainda mais qualificando um plebiscito em si duvidoso, que acabaria como uma versão mais cara da pesquisa Datafolha que indicou contrariedade à legalização.

Igor Gielow é jornalista

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Máquinas para reciclar garrafas pets

maquina 400 curtinha   Sob iniciativa da secretaria de Inovação e Comunicação da Capital, dentro dos projetos que buscam a sustentabilidade, a prefeitura vai colocar máquinas de reciclagem de garrafas pets em 15 pontos da cidade e com possibilidade de ampliar os locais de recolhimento. Em troca, o cidadão...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.