Últimas

Terça-Feira, 10 de Abril de 2007, 01h:13 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A pergunta que falta

Igor Gielow, fala sobre a legalização do aborto, entre eles também está o desinteresse político sobre o caso.

     De tempos em tempos, a discussão sobre a legalização do aborto ressurge. Geralmente, some logo, pois de um lado há preguiça política e, do outro, mistificações contaminam argumentos. Não nos falta histeria de bispos e feministas.
Tomara que isso mude. 
     Após falar ligeirezas, o ministro José Gomes Temporão (Saúde) acerta ao defender o debate em termos de saúde pública, mas escorrega ao achar que o debate pode embasar um plebiscito. Primeiro, porque estamos no Brasil. Ou alguém vê TVs abertas e rádios, únicas fontes universais de informação do país, dispostas a bancar tal discussão de forma esclarecedora? 
     Bastaria a idéia surgir para o lobby religioso apontar a ação "contra a vida", a despeito do fato de que os cerca de 1 milhão de abortos ilegais anuais, cuja segurança decresce com a renda, seguirão ocorrendo.
Aqui, se apoiar a mudança na lei, você é "a favor do aborto". 
     Ora, ninguém que fez aborto o aprova como recurso corriqueiro, nem ele é visto como uma opção contraceptiva. É um extremo. É um episódio fisicamente traumático e psicologicamente arrasador.
Hoje, a mulher que se arrisca a fazer aborto, independente do motivo, é uma criminosa. Falta então a pergunta certa: "A mulher que fez um aborto deve ser presa?". 
     Segundo, o plebiscito é tolo. Não se trata de uma imposição à maioria, e sim a salvaguarda de um direito. Essa é uma opinião; há os que defendem direitos de células, tudo é argumentável. Uma legalização demandaria aconselhamento prévio para evitar banalizações e acompanhamento posterior para orientar e detectar eventuais reincidências. 
     Talvez o SUS não comporte isso, esse é outro ponto. Mas todo o debate parece improvável, ainda mais qualificando um plebiscito em si duvidoso, que acabaria como uma versão mais cara da pesquisa Datafolha que indicou contrariedade à legalização.

Igor Gielow é jornalista

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sexto suplente na Câmara por um mês

aluizio leite 400 curtinha   Aluízio Leite (foto), filiado histórico do PV, tomou posse como vereador pela Capital na último dia 2. Mas vai ficar na cadeira por somente 31 dias, até o retorno do titular, delegado Marcos Veloso, que se afastou para cuidar de assuntos pessoais e hoje se encontra hospitalizado com...

No TCE pra tentar receber da prefeitura

flavia mesquita 400 curtinha   Flávia Mesquita (foto), da Luppa Administração de Serviços, pediu socorro ao TCE para tentar receber por serviços prestados à secretaria de Saúde de Cuiabá, alegando que o município está inadimplente há oito meses. E apontou quebra da ordem...

Pai e filho pré-candidatos em Poconé

henrique santos 400 curtinha pocone   Em Poconé, pai e filho estão animados para o teste das urnas deste ano. Um a prefeito e, outro, para vereador. Euclides Santos, que já foi vereador (89/92) e prefeito por duas vezes (93/96 e 2001/2004), além de secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos em...

Expectativa de tocar a Cultura de MT

paulo traven 400 curtinha   Um dos três adjuntos da pasta de Cultura, Esporte e Lazer do Estado, José Paulo da Mota Traven (foto) vem se articulando para assumir de forma efetiva o comando da secretaria. Ele conta com apoio de alguns membros do staff, como do secretário de Governo, Alberto (Beto) Machado. O governador...

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.