Últimas

Quarta-Feira, 17 de Janeiro de 2007, 09h:07 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A privatização da água e esgoto

  "A  privatização e/ou concessão se faz necessária em alguns setores de prestação de serviços do setor público". O comentário é do jornalista e analista político João da Costa Vital, em artigo nesta quarta (17), em A Gazeta. Leia reprodução abaixo.

     O Congresso Nacional aprovou ao apagar das luzes do exercício de 2006 o projeto de lei que institui as diretrizes nacionais para o saneamento básico e a política federal destinada ao setor. Trata-se de uma posição exponencial entre as iniciativas aptas a criar e alargar a infra-estrutura do país. O modelo operacional previsto na lei abriga inovações capazes de abrir caminho para a remoção de uma das principais causas de infortúnio social a questão de calamidade da água tratada, seu fornecimento normal e do esgotamento sanitário.

     Foram necessários 20 anos para que, após hibernar tal projeto no Congresso nacional, finalmente, a proposta recebesse a energia condicionante da lei. Entretanto, a morosidade não foi de todo um mal. Pelo menos, o decorrer do tempo serviu para adequar a matéria a conceitos mais modernos de gestão pública e introduz um pacto positivo no esforço de liberar e/ou libertar o poder público para propor privatização ou concessão dos serviços de água e esgoto, bem como outros setores componentes da infra-estrutura do país. A privatização e/ou concessão se faz necessária em alguns setores de prestação de serviços do setor público. Temos que entender que os estados e municípios do Brasil estão empobrecidos, sem condições de atendimento da crescente demanda que está a exigir a população. E, a privatização em alguns setores têm dado certo. Vejamos as teles, a Cemat e as nossas rodovias. O setor da telecomunicação desenvolveu em mais de 1.000%, nos últimos dez anos; a nossa Cemat idem; e as melhores rodovias federais do país são aquelas que sofreram o processo de concessão e/ou privatização.

   E, "para não dizer que não falei [ou não falo] das flores", quero aqui parabenizar o prefeito Wilson Santos pela reforma da nossa esquecida avenida Beira-Rio, com recapeamento do asfalto, trabalho de urbanização, jardinagens e sinalização. Esta é uma avenida que esteve esquecida por mais de 20 anos pelo poder público. É uma avenida importante não só por abrigar ali duas das mais importantes universidades de Cuiabá: a Unic e a minha querida Cândido Rondon, bem como por desafogar o trânsito. Inclusive, a gestão Wilson Santos vai muito bem na área de infra-estrutura, pois conta ali com o competente, simples, trabalhador e honesto secretário Andelson Gil do Amaral.

   Mas, voltando ao caso das privatizações, somos totalmente a favor da privatização da Sanecap, mas que não seja feita a concessão apenas na questão da água e sim do tratamento e esgotamento sanitário. Explico. Segundo o IBGE, 47% dos municípios não tratam e nem coletam adequadamente os esgotos, e Cuiabá desenvolve essa tarefa apenas parcialmente, ou seja, somente 80% da população recebe água encanada e tratada, e apenas 25% do nosso esgoto é tratado. O lançamento de esgotos in natura nos corpos hídricos é o principal problema de qualidade das águas dos nossos rios e, em conseqüência, a água distribuída pelos municípios fica comprometida. Sabemos nós que, segundo pesquisas, 90% dos nossos municípios estão falidos, face à injusta distribuição do bolo tributário, onde sobram para os municípios um irrisório 14%, ficando a maior parte com a União. Se não bastasse isso há uma inadimplência insuportável por parte dos munícipes que, vergonhosamente, não colaboram com o poder municipal, recolhendo seus impostos e taxas, tais como: IPTU e taxa de água e esgoto. Eu sempre digo que ser prefeito no Brasil é cavar a sua sepultura na política. Veja o caso do ex-prefeito Roberto França, que sempre foi campeão de votos, não conseguiu se eleger em 2006 para uma simples cadeira de Assembléia Legislativa. A Sanecap já deveria ser privatizada à mesma época da Cemat, quando ainda era Sanemat, pois fora administrada de forma incompetente pela dobradinha Pedro Henry/Gilson de Oliveira. O governo Dante entregou uma massa falida para o ingênuo Roberto França.

   O poder público do Brasil está falido, apesar da injusta carga tributária que pagamos. Universalizar a prestação de serviços de água e esgoto exige recursos enormes, que o Brasil não tem, que Cuiabá não tem.

João da Costa Vital é contador, pedagogo, jornalista, analista político e escreve em A Gazeta às quartas-feiras. E-mail: Joaocvital@pop.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Rosana reassume Sinop na quinta

gilson de oliveira 400 curtinha sinop   Pela segunda vez, o apresentador de TV Gilson de Oliveira (foto), do MDB, comanda temporariamente Sinop, a chamada capital do Nortão. A prefeita e empresária Rosana Martinelli saiu de licença não remunerada por 12 dias para cuidar de assuntos pessoais. Viajou aos Estados Unidos....

Vereador induzindo as pessoas ao erro

diego guimaraes curtinha 400   O vereador oposicionista pela Capital Diego Guimarães (foto), do PP, está induzindo a erro às pessoas. Mesmo o prefeito Emanuel já tenho anunciado que vetará a proposta da Câmara Municipal de aumentar o seu próprio salário, uma forma de criar o efeito cascata e...

Quitados atrasados da gestão Taques

mauro mendes 400 curtinha   O governador Mauro Mendes comemora o fato de estar fechando os 10 primeiros meses de mandato já tendo conseguido, mesmo sob crise financeira e uma série de medidas austeras para equilibrar as contas públicas, regularizar todos os pagamentos aos municípios de 2018 empurrados para sua...

Tangará, os indecisos e PSL com Caio

caio 400 tangara da serra curtinha   Em Tangará da Serra, até agora ninguém sabe para onde vão alguns partidos, como PTB, PL (ex-PR), Pros e DC. Há uma chance de que estes, que outrora foram importantes na cidade, nem lancem candidatos a vereador, principalmente porque não possuem nomes suficientes para...

Tangará da Serra com 3 na pré-disputa

reck junior 400 curtinha   Faltando um ano para a escolha do próximo prefeito, Tangará da Serra já sabe praticamente quem serão as opções nas urnas: Wesley Torres (MDB), Reck Júnior (foto), do PSD, e Vander Masson (PSDB). Nos bastidores, as discussões concentram-se nas...

Lei veta atuação de ambulante de fora

marcia alto paraguai curtinha 400   Em Alto Paraguai, a Câmara Municipal, sob Márcia Leite de Oliveira (foto), promulgou uma proposição que está provocando polêmica. Proíbe vendedor ambulante "de fora" de comercializar produto ou mercadoria de qualquer natureza na circunscrição do...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O que você acha das denúncias, principalmente sobre pagamento de propina, feitas pelo ex-presidente da AL José Riva, que tenta fechar delação?

São verdadeiras

Nem tudo é verdade

Acho que ele está mentindo

Não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.