Últimas

Domingo, 18 de Março de 2007, 15h:28 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A tese de Dilma

  Em sua coluna Ponto de Vista na Veja desta semana, Stephen Kanitz elogia a tese da ministra Dilma Rousself (Casa Civil), que propõe reduzir os juros. "A ministra comprou uma briga e tanto e precisará de todo o apoio dos que querem ver o custo da renda fixa cair", destaca o colunista. Confira abaixo..

    Dilma Rousseff, ministra-chefe da Casa Civil, tem apresentado uma tese que merece os aplausos de todos os administradores de esquerda deste país. É uma tese que defendemos há mais de quarenta anos. Dilma propõe reduzir os juros, não para recuperar a capacidade de investimento do estado ou para gastar no social, que é o discurso usual daqueles que se opõem aos juros elevados. Ela quer reduzir os juros para poder "reduzir o custo do capital social das empresas". Finalmente alguém se tocou do verdadeiro problema. O custo do capital no Brasil é alto porque os juros da dívida interna também são altos.
Se o estado paga 13% ao ano de "renda fixa" para "rolar" a sua dívida, nenhum projeto empresarial com retorno abaixo de 13%, 14% ou até 19% será retirado das gavetas. Nenhum administrador ou empreendedor vai assumir o risco de quebrar, o risco de perder tudo, o risco de processos trabalhistas e de consumidores, se o estado oferece 13% ao ano, e sem risco. A China reduziu o custo da "renda fixa" para 1%, o que permitiu a empreendedores e engenheiros desengavetar projetos simples, sem muita tecnologia, em que basta parafusar duas peças diferentes e nada mais, e por isso rendem 4% ao ano, barateando o preço de venda, que é tudo de que precisaríamos.

    É a "renda fixa" que eleva a "renda variável e a taxa de retorno" dos empresários e acionistas. Por isso, no Brasil, só desengavetamos projetos que rendam no mínimo 19% ao ano, projetos com "elevado valor adicionado", projetos que exigem subsídios e renúncias fiscais, projetos com empréstimos subsidiados pelo BNDES, com "zonas francas fiscais", que requerem câmbio favorável e elevados investimentos em "ciência e tecnologia". Essas foram as grandes bandeiras dos nossos empresários "desenvolvimentistas" e de seus economistas, começando com Celso Furtado.

    Era a única forma de conciliar o desejo desses economistas de capturar para o estado a quase totalidade da poupança nacional – o que exige do estado esses juros estratosféricos para serem renovados e subsídios empresariais para que haja crescimento. Tudo isso sob os aplausos da direita, que adora receber juros elevados sem ter de fazer nada, a risco zero. Com essa aliança diabólica, o juro real não cairá tão cedo.

    Eu evito investir em "renda fixa" por uma questão ética. Não me sinto confortável em ganhar sem fazer nada, especialmente à custa do povo brasileiro. Sempre fiz questão de investir em ações, gerando crescimento e empregos, correndo o risco da volatilidade da "renda variável", o que me faz dormir tranqüilo quando recebo meu merecido dividendo. A tese de Dilma já foi aplicada com excelentes resultados no Brasil pelo administrador Raymundo Magliano Filho, presidente da Bolsa de Valores de São Paulo, que reduziu pela metade o custo de capital das empresas do Novo Mercado, do qual me orgulho de ser árbitro. Magliano foi eleito "administrador do ano de 2006", merecia um Nobel.

    Ou seja, a tese de Dilma é viável, e nem falta vontade política para aplicá-la. Lula afirmou em seu discurso de posse que "nenhum país cresce se o custo do capital for alto". Frase que o jornalismo econômico obviamente ignorou e o jornalismo administrativo, inexistente neste país, não noticiou.

    Do ponto de vista ético, chegou a hora de o estado devolver à sociedade o "capital social" que tomou emprestado, o trilhão que alguns desenvolvimentistas agora não querem devolver, o que mantém o juro e o custo do capital deste país elevado. Se o "capital social" for finalmente devolvido à sociedade nos próximos cinco anos, os juros da "renda fixa" cairão para 1%, como no resto do mundo, e deixaremos de ser os lanterninhas do crescimento. 

    Dilma comprou uma briga e tanto ao enfrentar essa aliança diabólica. Ela precisará de todo o apoio dos engenheiros, administradores, contadores, advogados, médicos que querem ver o custo da "renda fixa" cair, obrigando os investidores a virar empreendedores e a assumir o risco da "renda variável". Ela já tem o meu total apoio, agora só falta o seu.

  Stephen Kanitz é formado pela Harvard Business School (www.kanitz.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Opositores ganham força em Barra

adilson gon�alves 400 curtinha   Grupos de oposição estão ganhando "musculatura" em Barra do Garças, numa expectativa otimista de derrotar o candidato apoiado pelo prefeito Beto Farias (MDB), o atual vice Wellington Marcos, que está filiado ao DEM. Wellington é considerado nome "pesado"...

Cuiabá já conta com 10 "prefeitáveis"

paulo grando 400 curtinha novo   Dez partidos já possuem um ou mais pré-candidatos a prefeito de Cuiabá. E a "inflação" de nomes tende a aumentar empurrada pela necessidade de sobrevivência dessas legendas, que, lançando nome à majoritária, ajudam seus candidatos a vereador na busca por...

Apoio de Bolsonaro é aposta de França

roberto franca 400 curtinha   Roberto França (foto) segue cheio de esperanças do apoio de Bolsonaro a seu nome como pré-candidato a prefeito de Cuiabá. Entre o sim e o não, preferiu seguir o calendário eleitoral e se afastar da apresentação do seu tradicional programa de TV Resumo do Dia, de...

Adin contra nomeação em Cáceres

angelo audicom 400 curtinha   Presidida por Ângelo Silva de Oliveira (foto), a Audicom-MT, entidade que congrega auditores e controladores internos dos municípios do Estado, ingressou com Adin no Tribunal de Justiça, pleiteando liminar para, assim como ocorreu em Rondonópolis, também derrubar uma lei em vigor...

Viúva de Adriano disputa em Cáceres

anelise silva 400 curtinha   Anelise Silva (foto), viúva do ex-reitor da Unemat e ex-deputado Adriano Silva, lançou pré-candidatura à prefeita de Cáceres pelo DEM do governador Mauro. Ela enfatiza que sofre a dor da perda e que decidiu entrar no páreo para dar continuidade ao projeto de Adriano de...

Vereador tenta barra compra de cestas

diego guimaraes 400 curtinha   O vereador pela Capital, Diego Guimarães (foto), denunciou junto à Ouvidoria do TCE o que definiu como irregular a aquisição, com dispensa de licitação, de cinco mil cestas básicas de alimentos pela secretaria municipal de Assistência Social e Desenvolvimento...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.