Últimas

Domingo, 18 de Março de 2007, 15h:28 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A tese de Dilma

  Em sua coluna Ponto de Vista na Veja desta semana, Stephen Kanitz elogia a tese da ministra Dilma Rousself (Casa Civil), que propõe reduzir os juros. "A ministra comprou uma briga e tanto e precisará de todo o apoio dos que querem ver o custo da renda fixa cair", destaca o colunista. Confira abaixo..

    Dilma Rousseff, ministra-chefe da Casa Civil, tem apresentado uma tese que merece os aplausos de todos os administradores de esquerda deste país. É uma tese que defendemos há mais de quarenta anos. Dilma propõe reduzir os juros, não para recuperar a capacidade de investimento do estado ou para gastar no social, que é o discurso usual daqueles que se opõem aos juros elevados. Ela quer reduzir os juros para poder "reduzir o custo do capital social das empresas". Finalmente alguém se tocou do verdadeiro problema. O custo do capital no Brasil é alto porque os juros da dívida interna também são altos.
Se o estado paga 13% ao ano de "renda fixa" para "rolar" a sua dívida, nenhum projeto empresarial com retorno abaixo de 13%, 14% ou até 19% será retirado das gavetas. Nenhum administrador ou empreendedor vai assumir o risco de quebrar, o risco de perder tudo, o risco de processos trabalhistas e de consumidores, se o estado oferece 13% ao ano, e sem risco. A China reduziu o custo da "renda fixa" para 1%, o que permitiu a empreendedores e engenheiros desengavetar projetos simples, sem muita tecnologia, em que basta parafusar duas peças diferentes e nada mais, e por isso rendem 4% ao ano, barateando o preço de venda, que é tudo de que precisaríamos.

    É a "renda fixa" que eleva a "renda variável e a taxa de retorno" dos empresários e acionistas. Por isso, no Brasil, só desengavetamos projetos que rendam no mínimo 19% ao ano, projetos com "elevado valor adicionado", projetos que exigem subsídios e renúncias fiscais, projetos com empréstimos subsidiados pelo BNDES, com "zonas francas fiscais", que requerem câmbio favorável e elevados investimentos em "ciência e tecnologia". Essas foram as grandes bandeiras dos nossos empresários "desenvolvimentistas" e de seus economistas, começando com Celso Furtado.

    Era a única forma de conciliar o desejo desses economistas de capturar para o estado a quase totalidade da poupança nacional – o que exige do estado esses juros estratosféricos para serem renovados e subsídios empresariais para que haja crescimento. Tudo isso sob os aplausos da direita, que adora receber juros elevados sem ter de fazer nada, a risco zero. Com essa aliança diabólica, o juro real não cairá tão cedo.

    Eu evito investir em "renda fixa" por uma questão ética. Não me sinto confortável em ganhar sem fazer nada, especialmente à custa do povo brasileiro. Sempre fiz questão de investir em ações, gerando crescimento e empregos, correndo o risco da volatilidade da "renda variável", o que me faz dormir tranqüilo quando recebo meu merecido dividendo. A tese de Dilma já foi aplicada com excelentes resultados no Brasil pelo administrador Raymundo Magliano Filho, presidente da Bolsa de Valores de São Paulo, que reduziu pela metade o custo de capital das empresas do Novo Mercado, do qual me orgulho de ser árbitro. Magliano foi eleito "administrador do ano de 2006", merecia um Nobel.

    Ou seja, a tese de Dilma é viável, e nem falta vontade política para aplicá-la. Lula afirmou em seu discurso de posse que "nenhum país cresce se o custo do capital for alto". Frase que o jornalismo econômico obviamente ignorou e o jornalismo administrativo, inexistente neste país, não noticiou.

    Do ponto de vista ético, chegou a hora de o estado devolver à sociedade o "capital social" que tomou emprestado, o trilhão que alguns desenvolvimentistas agora não querem devolver, o que mantém o juro e o custo do capital deste país elevado. Se o "capital social" for finalmente devolvido à sociedade nos próximos cinco anos, os juros da "renda fixa" cairão para 1%, como no resto do mundo, e deixaremos de ser os lanterninhas do crescimento. 

    Dilma comprou uma briga e tanto ao enfrentar essa aliança diabólica. Ela precisará de todo o apoio dos engenheiros, administradores, contadores, advogados, médicos que querem ver o custo da "renda fixa" cair, obrigando os investidores a virar empreendedores e a assumir o risco da "renda variável". Ela já tem o meu total apoio, agora só falta o seu.

  Stephen Kanitz é formado pela Harvard Business School (www.kanitz.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Lúdio desiste e PT perde com Barranco

ludio cabral 400 curtinha   O deputado Lúdio Cabral (foto) estava se movimentando para tentar convencer o PT a lançá-lo ao Senado, por aclamação, e ainda instigar o diretório estadual a buscar recursos junto à Nacional para a campanha. Mas o tiro saiu pela culatra. O guru do partido no Estado,...

Carta de Abicalil cita traição de Lúdio

carlos abicalil 400 curtinha   Carlos Abicalil (foto), ex-federal e hoje assessor do deputado Valdir Barranco, demonstra até hoje estar "atravessado" com Lúdio Cabral por causa da traição política de 2010. Na época, mesmo o PT o tendo lançado ao Senado, Lúdio, ex-vereador por Cuiabá e...

Júlio apoiou Bolsonaro pra varrer o PT

julio campos 400 curtinha   Júlio Campos (foto), pré-candidato a senador pelo DEM, diz que em 2018 não só votou em Bolsonaro, como participou de carreata e vestiu camisa com as cores verde e amarela em apoio à candidatura do capitão. Lembra que estava convicto naquele momento de que era preciso varrer o PT...

Já com apoio de mais de 50 prefeitos

otaviano pivetta 400 curtinha   Otaviano Pivetta (foto) não para nas articulações políticas. E, se apoio elevado de prefeitos vier a ser decisivo, ele será eleito senador na suplementar de 26 de abril. Dos 141 gestores municipais do Estado, mais de 50 já anunciaram que estarão no palanque do...

Grupo de EP e Kleber pra marketing

kleber lima 400 curtinha   O grupo do prefeito Emanuel Pinheiro decidiu abrir diálogo com o jornalista e marqueteiro Kleber Lima (foto), visando o pleito de outubro. Não há mais resistência a uma possível contratação de Kleber, independente de quem o grupo lançar ao Palácio Alencastro,...

Prefeito coloca secretarias em alerta

emanuel pinheiro 400 curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro (foto) colocou em estado de alerta a Defesa Civil e as secretarias municipais de Obras e Serviços Urbanos por causa da chuva torrencial que caiu neste sábado em Cuiabá. Em vários locais, inclusive na região central, como em frente à praça...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.