Últimas

Terça-Feira, 16 de Outubro de 2007, 08h:54 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

Artigo

A Tragédia do Jardim das Flores

     Eu estava em Rondonópolis, no dia 26 de maio (um sábado), quando ocorreu um dos maiores atos de violência que se teve notícia nessa cidade – na verdade, no próprio Estado de Mato Grosso –, nos últimos tempos. Um grupo de policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) se meteu a fazer uma simulação de resgate de vítimas de um suposto seqüestro, mas o saldo da exibição foi dos mais trágicos: um adolescente de 13 anos morreu ao ser atingido por um tiro de escopeta e outras 12 pessoas – entre crianças e adultos – ficaram feridas. Como se noticiou, os soldados usaram balas reais, em vez de projéteis de festim.
     O que era para ser motivo de festa – um mutirão de serviços da Prefeitura, numa escola do bairro Jardim das Flores -, por pouco, não vira uma matança. Consta que até o prefeito Adilton Sachetti (PR) e outras autoridades que prestigiavam o evento, por alguns instantes, estiveram na linha de tiro dos valorosos integrantes da “tropa de elite” da PM. Em entrevista a uma TV, o prefeito não conseguiu esconder o pavor, num misto de irritação, diante do que aconteceu num dos bairros mais pobres do segundo pólo econômico de Mato Grosso.
     Do Extremo-Norte, onde se encontrava na ocasião, entregando obras, o governador Blairo Maggi ordenou que o comando da Segurança Pública “tomasse providências”. Ele próprio desembarcou na cidade, horas depois, com a cara de poucos amigos. A cúpula da PM viajou no mesmo dia para Rondonópolis, promoveu um festival de entrevistas, com uma sucessão de promessas e a decisão de praxe: a abertura de inquérito para apurar causas e responsáveis pelo infausto acontecimento.
     Durante vários dias, a população rondonopolitana viveu em permanente estado de comoção. A tragédia só não foi maior porque os próprios militares envolvidos na operação se deram conta do “estrago” que faziam e interromperam os tiros. O desespero, obviamente, tomou conta das pessoas (em torno de 800, segundo estimativa dos organizadores do mutirão) e causou ainda mais comoção diante do saldo trágico da desastrada operação. Até hoje, a “Tragédia do Jardim das Flores” deixa assustados os moradores de Rondonópolis. É uma dolorosa lembrança – principalmente, para os familiares das vítimas -, mas é, também, um marco profundo e sinistro na imagem da gloriosa Polícia Militar.
     Mas o que dói também é constatar que esse triste (e violento) episódio vem sendo tratado com o mais absoluto descaso por parte do Governo do Estado. Lá se vão quase seis meses e, até agora, a sociedade – em especial, os moradores da cidade – não mereceu sequer uma satisfação por parte da Secretaria de Segurança. O que se verifica é um jogo de empurra entre as Polícias Civil e Militar.
     As duas instituições, cada qual a seu modo, conduzem inquéritos internos, supostamente com o fim de chegar às causas e aos responsáveis pelo desastre. No dia da tragédia, o comandante regional da PM foi afastado das funções, mas foi “premiado” em seguida com um cargo administrativo no Comando Geral, em Cuiabá. A PC foi ao local da macabra operação, mas caiu do cavalo, pois os militares, tão rápidos e certeiros como na hora de disparar contra cidadãos indefesos, apagaram as cenas do crime. Os PMs suspeitos de disparar contra a multidão foram presos, mas já estão em liberdade. Como punição, foram designados para cuidar de presos na penitenciária da cidade.
     A verdade é que os tais inquéritos se arrastam sem nenhuma conclusão lógica. Até mesmo os laudos de balística, estranhamente, não foram concluídos. Para que serve um certo Complexo de Perícia Oficial e Identificação, também conhecido como Politec?
     Se a intenção da Prefeitura de Rondonópolis, ao promover o mutirão, era beneficiar os moradores do bairro com uma série de ações práticas e de caráter social, por que levar a PM para dar show? Polícia existe para combater crimes, não para fazer teatro – ainda mais macabro, como aquele encenado no Jardim das Flores.
     Toda essa história, na verdade, está muito mal contada. E, a propósito, o Estado é acusado de se omitir na ajuda às famílias das vítimas.

Antonio de Souza é jornalista em Cuiabá (af-souza1957@uol.com.br-asouza80@hotmail.com)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

3 deputados sob certa cordialidade

janaina riva 400 curtinha   Max Russi, Eduardo Botelho e Janaina Riva (foto), que mandam na Assembleia, demonstram entre eles um certo clima de cordialidade, mas chegaram a entrar em queda-de-braço até fechar um novo acordo político sobre a Mesa Diretora. Com a decisão do Supremo de veto a Botelho no comando do...

Expediente na AL só a partir do dia 8

max russi 400   Por causa do aumento da taxa de incidência de Covid-19 entre servidores e parlamentares, as atividades presenciais da Assembleia foram suspensas na quinta (25). O expediente só retoma em 8 de março. Neste período, estão sendo mantidas somente as atividades estritamente essenciais para o...

Estado paga os servidores nesta 6ª

mauro mendes 400 curtinha   Servidores do Estado recebem salário de fevereiro hoje, dentro do mês trabalho. É a sexta vez seguida que o governador Mauro Mendes consegue pagar a folha dos ativos, inativos e pensionistas antes da virada do mês, depois de promover reformas, redução da máquina e...

Sistema de saúde sob colapso em ROO

Em Rondonópolis, cidade-polo da região Sul, que abrange 17 municípios, não há mais leitos de UTI para socorrer pacientes em quadro grave de Covid-19. Todos os 30 do hospital Santa Casa estão ocupados, inclusive um leito de UTI reservado para atender outros casos, acabou destinado para paciente com o novo coronavírus. Há 10 leitos de UTI no Hospital Regional e todos também estão lotados. Várias pessoas em...

Deputado, Mesa da AL e incoerência

claudinei 400   Claudinei Lopes (foto), delegado de polícia que, na onda Bolsonaro, se elegeu deputado pelo PSL, em 2018, se mostra cada vez mais incoerente. É daqueles que gostam de levantar polêmicas e críticas, mas sem consistência. Ele se manifestou, por exemplo, contra a reeleição à Mesa...

Dilmar ensaia disputa para federal

dilmar dal bosco 400   Todos os deputados estaduais querem buscar a reeleição, com exceção de Dilmar Dal Bosco (foto), que está no terceiro mandato. Integrante da nova Mesa Diretora da Assembleia, como primeiro-vice-presidente, e líder do Governo Mauro, Dilmar não esconde o desejo de disputar cadeira...