Últimas

Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2007, 07h:34 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

A tríplice aliança

   O economista Claudio de Moura Castro destaca, no seu Ponto de Vista na Veja deste semana, que o empresariado tem ajudado a melhorar a educação pública. "Num primeiro momento, socorre na manutenção das escolas, promove festas e dá dinheiro. Com o tempo, as iniciativas se tornam mais ambiciosas, dando lugar a programas criativos e eficazes". Confira o artigo reproduzido abaixo. 

    Imaginemos que a Aerospatiale resolvesse criar um programa para apoiar as escolas básicas francesas. O ministro da Educação mandaria confiscar a Légion d'Honneur do presidente, por demência. Em sistemas educativos consolidados, as empresas não precisam se meter na educação básica. Na América Latina, é o caso da Argentina e do Uruguai. Nos Estados Unidos, as empresas defendem a educação no cenário político. Contudo, em países de educação atrapalhada, como o nosso, o empresariado tenta ajudar, trilhando outros caminhos.

    Em um primeiro momento, os empresários socorrem na manutenção das escolas, promovem festas e dão um dinheirinho. Isso é infinitamente melhor do que nada, pois ajuda no cotidiano e abre portas para outras ações. Mas é pouco. Com a experiência, as iniciativas se tornam mais ambiciosas, dando lugar a alguns programas criativos e eficazes, por meio de institutos e fundações do terceiro setor. Modelo disso é a Fundação Bradesco, que opera rede exemplar de escolas, com mais de 100.000 alunos.

   Inevitavelmente, o alcance de iniciativas paralelas é limitado, não podendo mudar o panorama da educação no país. Diante disso, começa a tomar corpo outra forma de participação do empresariado na educação, com quantidade e variedade estonteantes de propostas – das tolas às geniais. Dada a impotência das redes públicas, são programas para reforçar o seu funcionamento. Trazem para a escola o que as empresas têm de melhor, ou seja, profissionalismo, pragmatismo, gestão e foco nos resultados.

    Algumas contrataram as mais brilhantes cabeças para criar programas para alunos repetentes, de alfabetização, educação por TV, uso de computadores, revistas, bem como aperfeiçoamento da gestão. Operando dentro das redes públicas ou para elas, seu impacto potencial é tão grande quanto o tamanho da rede em que agem. Contudo, alguns dos programas mais criativos vêm do terceiro setor de empresas médias, incapazes de financiar iniciativas de grande porte. Entram em cena, nesse momento, empresas enormes, como Petrobras, Banco do Brasil e Vale do Rio Doce, apoiando sua replicação em grande escala, dando-lhes assim uma envergadura muitíssimo maior. Trata-se de uma tríplice aliança: a rede pública, as fundações que desenvolvem os melhores programas e as fundações das grandes empresas que dão a eles um porte nacional. Essa fórmula começa a trazer benefícios concretos e tangíveis para a educação pública.

     Como o que interessa são resultados mensuráveis, ilustremos com exemplos em que há avaliações quantitativas. Boa parte das 33 melhores escolas brasileiras – selecionadas pela Unesco/MEC – recebe apoio do terceiro setor. É também o caso de estados que resolveram dar um salto em sua educação, como Acre, Pernambuco, Piauí e Sergipe. Uma das quinze maiores médias no Enem foi obtida pela escola da Embraer, que apenas atende alunos egressos de escolas públicas. O Acelera Brasil (Instituto Ayrton Senna) toma alunos multirrepetentes e oferece a eles um programa no contraturno da escola. Em um ano os participantes aprendem o equivalente ao que os alunos não repetentes aprendem em dois.

     Área que chama atenção pelo contraste entre público e privado é a gestão. De um lado, parte do empresariado brasileiro avançou muito na qualidade de sua gestão.  De outro, a maioria das redes municipais dá o exemplo mais rematado de primitivismo administrativo. Daí a importância de trazer a elas as boas práticas de gestão empresarial, passo inicial para que se obtenham bons resultados na educação.

   Vejamos o exemplo do Pitágoras (onde o autor trabalha), cuja fundação criou o Sistema de Gerenciamento Integrado (SGI), que também recebe apoio de grandes empresas. Tomemos os três municípios mineiros com SGI, que estão na região de Sete Lagoas (Jequitibá, Funilândia e Baldim). Nas provas oficiais de avaliação do ciclo inicial, obtiveram 46% de alunos alfabetizados. No total dos quinze municípios sem SGI, a média foi de 22%. Ou seja, a porcentagem de alfabetizados dos três é mais que o dobro da dos outros. Nem nos municípios mais ricos da região os resultados se aproximam dos que têm o SGI.

Vivas para a tríplice aliança

Claudio de Moura Castro é economista (claudiomc@earthlink.net)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Cotado à cadeira de desembargador

francisco faiad 400 curtinha   É forte o movimento nos bastidores entre os juristas, dentro e fora da OAB/MT, pela indicação do nome de Francisco Faiad (foto) pela classe Quinto Constitucional à cadeira de desembargador. Bem articulado e com bom conceito no meio jurídico, Faiad foi presidente da OAB/MT por dois...

Pivetta promete permanecer no PDT

allan kardec 400 curtinha   O empresário Otaviano Pivetta, que se tornou o mais badalado nesta fase de pré-campanha ao Senado por causa da grande logística em torno do seu nome, se encontra numa saia-justa. Para líderes do Podemos com os quais passou a ter afinidade política, como os senadores Álvaro Dias e...

Ao Senado, 2 partidos e apoio para EP

elizeu nascimento 400 curtinha   Elizeu Nascimento (foto), terceiro-sargento PM licenciado, não é nada bobo. Ex-vereador pela Capital e no mandato de deputado estadual, Elizeu hoje controla o DC-MT e ainda levou aliados de confiança para o PSL-MT, partido que ainda está ligado ao presidente Bolsonaro e que só de...

Digital de Selma no apoio para Pivetta

olga lustosa curtinha 400   Mesmo com laços antigos de amizade com Otaviano Pivetta, Olga Lustosa, que está se desligando do cargo de assessora do gabinete da senadora cassada Selma Arruda em Brasília, causou aquele climão dentro do Podemos quando apareceu no encontro do PDT, neste sábado. O ato marcou o...

Fritado ao Senado, Galvan deixará PDT

antonio galvan 400 curtinha   Como já esperado, o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan (foto), foi mesmo patrolado dentro do PDT estadual na tentativa de concorrer ao Senado na suplementar de abril. Com a decisão oficial do partido de lançar o vice-governador Otaviano Pivetta à disputa, Galvan agora pensa em sair da...

Contratos suspensos de 7 prefeituras

domingos neto 400 curtinha   O conselheiro do TCE-MT, Domingos Neto, determinou, até julgamento do mérito, a suspensão de pagamento por sete prefeituras à Oscip Tupã. Ele é relator de uma representação feita pelo Ministério Público de Contas contra as prefeituras de Vera,...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.