Últimas

Segunda-Feira, 25 de Dezembro de 2006, 10h:08 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Água é vida

                 Água é vida

       * Wilson Santos

       Recentemente a Revista Carta Capital publicou um excelente artigo sobre a privatização da água enfocando as principais experiências e problemas ocorridas no Brasil e no mundo.

    O primeiro aspecto que chama atenção é o fato de que nos países desenvolvidos, conhecidos como de primeiro mundo, o poder público é hegemônico na água e esgoto, ou seja, exceto no caso da França e da Inglaterra, em todos os demais países da Europa, nos Estados Unidos, no Canadá, no Japão e nas demais nações industrializadas, os serviços de água e esgoto são prestados majoritariamente pelo Estado.

     Cabe portanto perguntar porque quase todos os países desenvolvidos, criadores e defensores da ideologia do neoliberalismo, od livre mercado, das privatizações e da participação mínima do Estado e na economia, criaram mecanismos para assegurar que os serviços de água e esgoto sejam prestados pelo setor público, e não pela iniciativa privada?

     A resposta nos parece simples. Ocorre que nos países desenvolvidos a água é tratada com especial responsabilidade social e o seu suprimento é gerido numa ótica de longo prazo, exigindo investimentos elevados e com longos períodos de amortização, sendo, por isso, perigoso e indesejável subordiná-la à prática imediatista do lucro rápido e elevado, característico nas atividades do setor privado.

     As experiências de privatização dos serviços de água e saneamento que vem ocorrendo no mundo ilustram bem essa situação.

    Na Inglaterra, um ano e meio após a privatização dos serviços de água, as tarifas estavam 30% (trinta por cento) mais caras e os lucros das empresas do setor aumentaram 360% (trezentos e sessenta por cento). Entre 1989 e 1996, os lucros atingiram o equivalente a US$ 20 bilhões. Esses lucros foram considerados excessivos e inaceitáveis para a sociedade britânica, a ponto do governo ter anunciado, em 1997, que cobraria das companhias do setor uma Windfall Tax de US$ 2,74 bilhões a título de compensação.

    A Ofwat National Customer Coucill, no seu relatório de 1999, afirma que um em cada três constituintes reclamou das tarifas altas. Além disso, as perdas por vazamento aumentaram de 5% (cinco por cento) em 1989 para 37% (trinta e sete por cento) em 1996 em Londres, período em que a empresa privada Thames Water passou a ser a responsável pelo abastecimento de água.

    Na Fança ocorreu a anulação da decisão do Município de Colmar de terceirizar a gestá de seu sistema de água e saneamento a um consórcio liderado peloa Suez Lyonnaise das Eaux. A empresa foi processada por financiamento eleitoral do ex-ministro do Ambiente e das Comunicações da França, Alain Carignon, condenado a cinco anos de prisão.

    Na Argentina o consórcio, liderado pela Suez Lyonnaise des Eaax, que assumiu o fornecimento dos serviços de água e esgoto em Buenos Aires, não cumpriu as metas de renovação de estações de tratamento de água e esgoto prevista nos primeiros cinco anos. Além disso, a empresa aumentou as tarifas de água em 80% (oitanta por cento), obtendo um lucro líquido, nos cinco primeiros anos, equivalente a US$ 370 milhões, tendo sido remetidos para fora da Argentina US$ 230 milhões.

    No Brasil, no município de Limeira, Estado de São Paulo, o Ministério Público entrou com pedido de cancelamento da licitação, vencida em 1996 pelo consórcio formado pela Lyonaise des Eaux do Brasil com a Odebrecht, em razão do aumento de tarifas e da baixa qualidade dos serviços prestados.

    Diante desse quadro de privatização mal sucedidas, de resultados pouco expressivos e, em alguns casos, até desastrosos, cabe aos nossos governantes abrir os olhos e perceber que a água não é uma mercadoria qualquer que possa ser vendida a toque de caixa para cobrir infindáveis déficits internos e externos.

    Um processo de privatização ou terceirização dos serviços de água e esgoto mal conduzido só leva ao aumento exorbitante as tarifas, à queda na qualidade dos serviços trazendo como consequência o lucro rápido e elevado para o capital estrangeiro, a degradação dos serviços e o desabastecimento para a nossa população.

    É preciso tratar a água e os nossos mananciais hídricos com respeito e responsabilidade social, porque água não é mercadoria. Água é vida. E vida não se vende.

 

     * Wilson Santos é professor, bacharel em Direito e atualmente exerce o mandato de deputado federal-MT pelo PMDB (artigo publicado no Diário de Cuiabá, em 27/03/2000)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ex-vereador, demagogia e contradição

everton pop 400   O ex-vereador por Cuiabá e apresentador de um programa popular de TV que leva o seu nome, Everton Pop (foto), gravou um vídeo em que critica o fato da Mesa Diretora da Câmara da Capital pagar os servidores todo dia 20, antecipando o salário em 10 dias do fechamento do mês. Pop só não...

Jayme é contra decreto do governador

jayme campos 400 curtinha   O senador Jayme Campos (foto), que já foi governador e prefeito, engrossa a lista dos que defendem isolamento social mais rigoroso neste momento. A postura vai na contramão do correligionário Mauro Mendes. O governador editou decreto que prevê a abertura de shoppings e comércio, desde...

EP e 2 medidas junto à Águas Cuiabá

emanuel pinheiro 400 curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro (foto) impôs duas medidas à concessionária Águas de Cuiabá. A empresa está proibida de cortar a água de inadimplentes e não terá direito a um aumento de 6%, aprovado pela Arsec. As medidas, segundo o prefeito, são...

Vice e o uso político do Creci pró-Julio

claudecir 400 creci curtinha   O sindicato dos profissionais do Mercado Imobiliário de Mato Grosso, sob Juliano Lobato, em nota de repúdio, detona o atual vice-presidente do Creci-MT, Claudecir Contreiras (foto), para quem está fazendo uso político da entidade e beneficiando, de forma descarada, o...

Toninho e expectativa de retorno à AL

toninho 400 curtinha   Toninho de Souza, que no ano passado estreou como deputado, permanecendo no cargo por 46 dias, no lugar de Eduardo Botelho, vive expectativa de retornar à cadeira na Assembleia. Mas isso vai depender de uma decisão de Janaína Riva, que está no quarto mês de gravidez. Ela tem...

Parlamentar temido reassume em VG

caio cordeiro 400 curtinha   Com menos de 15 dias no cargo de vereador em Várzea Grande, o primeiro-suplente Caio Cordeiro (foto), do PRP, já terá de desocupar a vaga. Eis que está de volta, da prisão para retomar o assento de parlamentar, Jânio Calistro, que está no segundo mandato e responde...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.