Últimas

Sexta-Feira, 08 de Junho de 2007, 11h:47 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Além do que eu vejo

     Um dos grandes problemas que temos hoje é do relacionamento interpessoal. Um fato: a partir da TV, deixamos de aprender a conviver com pessoas, de sentar à calçada com nossos vizinhos e assim por diante. Em verdade, pessoas precisam conhecer mais sobre pessoas. Pessoas precisam viver mais com mais pessoas. As pessoas são como diamantes que só se lapidam com elas mesmas. Não há outra forma. Eu sempre digo que, quando estamos dentro de uma empresa, prestando serviço pra ela, temos mais responsabilidade e dever de entender o cliente do que ele a nós. Encosta sua cabecinha no meu ombro e chora.
     Assim é que devíamos estar preparados para atender o nosso cliente (seja ele interno, seja ele externo). E, para nos prepararmos para isso, precisamos entender um pouco mais sobre o comportamento humano. E mais, para entender um pouco mais sobre o comportamento humano, é preciso praticar o exercício proposto pelo macaco sábio do filme infantil Rei Leão III, quando ele diz para o personagem Timão: "é preciso ver além do que eu vejo". Isto é uma grande verdade, é preciso ver além do que eu vejo, é preciso ouvir além do que eu ouço. É como diz Gonzaguinha na canção Sangrando: "quando eu soltar a minha voz, por favor entenda, eis aqui uma pessoa se entregando".
     Quantas vezes o cliente dispara em uma secretária ou em uma atendente toda a sua ira vivida minutos atrás no trânsito, em sua casa, no seu emprego. Às vezes ocorrem situações em que as pessoas não conseguem resolver o cerne de seus problemas e quem paga a conta é a atendente. Não estou defendendo, nem tampouco dizendo que está correta esta atitude. Só estou dizendo que precisamos entender e tirar o que há de verdadeiro nos fatos que ocorrem quando há um atrito, uma exacerbação, uma revolta de um cliente. O inverso da relação também é válido. Quantas vezes o marido ou a esposa ou mesmo os filhos sofrem as conseqüências de um atrito seu com seu chefe. O estouro acontece no lado onde as conseqüências parecem ser menores - famílias, amigos, etc - (e sabemos que não são).
     Às vezes as pessoas brigam conosco, mas precisam de colo. Nos agridem, mas precisam de um afago. Nos ferem, mas precisam de ternura. Tentam nos matar porque precisam saber que estão vivas. Perceber essa necessidade e oferecê-la em resposta é o que Cristo quis dizer com "ofereça a outra face". Oferecer a outra face não é virar o rosto pra apanhar de novo, é oferecer o pedido subentendido que vem com agressão. Veja o que diz Gonzaguinha, ainda em Sangrando: "E se eu chorar e sol molhar o meu sorriso, não se espante, cante que o teu canto é minha força pra cantar". Ele quer dizer que se ele chorar e perder o sorriso, não é para a companheira chorar também, mas pra cantar, pra trazê-lo de volta, pra trazer um novo encanto para a vida. O canto da companheira é capaz de trazer o sorriso dele de volta, o choro dela não. E ele ainda continua: "quando eu soltar a minha voz, por favor entenda, é apenas o meu jeito de viver o que é amar". Aqui ele diz que, quando recobrar a força pra cantar (viver, ser feliz etc.), esse cantar não é apenas cantar, mas o jeito de viver o amor. Cantar, para ele, é apenas o jeito de "viver" o que é amar. Eu acho muito interessante que muita gente cante "é apenas o meu jeito de "dizer" o que é amar". Mas Gonzaguinha é muito claro: ele canta "de "viver" o que é amar". É muito mais rico e muito mais profundo, já que "dizer" é uma coisa, mas "viver" é algo bem mais grandioso. Portanto, no próximo "momento da verdade" que viver, traga essa relação para a consciência, viva o momento sabendo o que está fazendo. Dê ao outro o que ele precisa para mudar, não o que ele precisa pra ser punido.
     Da mesma forma que alguém chega e, com sua carranca, com seu mau humor, pode mudar um ambiente, uma pessoa que chega com alegria, que oferece amor, pode mudar um ambiente ruim e de desavenças e transformá-lo em alegria. E, pra isso, é preciso entender o outro, é preciso enxergar além do que eu vejo.

Claudinet Antônio Coltri Júnior é professor universitário, consultor empresarial nas áreas de marketing, gestão de pessoas e escreve em A Gazeta às quintas-feiras ( junior@coltri.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

Despesas e o uso eleitoreiro de CPI

marcelo bussiki 400 curtinha   Buscando visibilidade pela reeleição em ano eleitoral, alguns vereadores da Capital, vergonhosamente, usaram e abusaram de dinheiro público para promoção pessoal na esteira da CPI do Paletó. A tendência é do relatório paralelo que pede afastamento do...

Sorriso incentiva 40 projetos culturais

ari lafin 400 curtinha   A seis meses de concluir o mandato, o prefeito de Sorriso, Ari Lafin (foto), estabeleceu, dentro do Plano Municipal de Cultura, o "PROMIC - Festival da Cultura 2020" para contemplar 40 projetos cujos valores somam R$ 340 mil, envolvendo artes visuais, artes cênicas, cultura popular, música, audiovisual,...

Quase R$ 2 mi para o Lucas Protegida

binotti 400 curtinha   A Prefeitura de Lucas do Rio Verde, sob Luiz Binotti (foto), contratou, por R$ 1,9 milhão, um consórcio formado pela Rocha Comércio de Equipamentos, que ficará com a maior "fatia" de R$ 1,4 milhão, e a Airplates Tecnologia da Comunicação, com R$ 521,7 mil, para desevolver o...

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.