Últimas

Quinta-Feira, 21 de Dezembro de 2006, 04h:36 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Ante-sala do crescimento brasileiro

     "Se o governo quer destravar o crescimento, pode apostar no setor privado. Mas, antes disso, na melhoria do ambiente geral de negócios". É o que comenta o administrador de empresas Paulo Godoy, em artigo na Folha de S. Paulo desta quinta (21).

Leia abaixo reprodução do artigo

       Ante-sala do crescimento brasileiro

      PAULO GODOY

          HÁ UM hiato imponente entre o desejo e a realidade quando o assunto é crescimento econômico no Brasil. Há 20 anos, a média anual de expansão do PIB está entre 2% e 3%. Vez ou outra superou 4%, mas foram nitidamente pontos fora da curva, trajetórias intermitentes.
A partir de 2007, a pretensão é fazer com que a economia avance 5% ou mais por ano. A ousadia precisa vir acompanhada de clareza na decisão política e de eficácia e objetividade na ação administrativa. Crescer depende de investimento -e a formação bruta de capital por aqui é pequena.
          Reverter esse cenário requer medidas para diminuir ou eliminar as incertezas que afugentam ou freiam o ímpeto dos empreendedores.
         O plano do governo deve compreender dois caminhos: restituir um fluxo mínimo e constante de investimento público e atrair a iniciativa privada para expandir a capacidade industrial e a infra-estrutura.
De um lado, o Estado precisa melhorar a gestão do gasto e abrir espaço para investir mais, com orçamento próprio, sem arrecadar mais impostos da sociedade.
De outro, tem de consolidar as regras para a atuação do capital privado. Estradas, aeroportos, energia, sistemas de saneamento e redes de telecomunicações, entre tantos outros, prevêem aplicação de grandes somas, com perspectiva de rentabilidade em longo prazo. As regras para o investimento, então, precisam ser atrativas, claras e, acima de tudo, estáveis.
          O investimento depende de uma boa regulação -a regra à qual todas as pessoas e empresas têm de se submeter. Ela não pode ser burocrática e onerosa aos negócios, porque investir não pode ser um périplo. A qualidade regulatória brasileira é sabidamente deficiente. De zero a cem, recebe nota 55, aos olhos do Banco Mundial. No Chile, estabilizou-se em 90, um convite claro ao investimento privado. Por que essa nota não é boa? Algumas dicas. O sistema tributário é complexo, oneroso e injusto demais.
            Incide muito sobre poucos e onera a produção e o investimento. A legislação trabalhista penaliza quem contrata e não busca inserir no sistema formal metade da população de trabalhadores, que não contribui nem usufrui. A Justiça é intrincada e muito lenta -o que dispensa outros comentários. Os juros são altos, conseqüência de outras deficiências. Os marcos regulatórios são incompletos em algumas áreas, inexistentes em outras e passíveis de aperfeiçoamentos nas demais. As agências reguladoras funcionam com mínima capacidade, sob clima de desconfiança e pressão, com recursos contingenciados e diretorias incompletas e, às vezes, politizadas. As instituições públicas invadem a seara uma das outras, criando instabilidade jurídica aos negócios via postergação e veto.
           Com má qualidade regulatória e juros altos, o nível de investimento da iniciativa privada é baixo, o que acarreta crescimento econômico aquém do necessário. Os juros reais, entre 1995 e 2004, foram de 14,5% no Brasil, 3,4% no Chile, 1,5% no México, 3,6% na Coréia, 1,1% na China. A formação bruta de capital na economia brasileira, em 2005, foi de 19,9% do PIB, contra 24,9% na indiana, 40,5% na chinesa, 18,3% na russa, 22,1% na chilena e 19,6% na mexicana. Nos últimos 20 anos, o Brasil obteve um crescimento econômico médio anual que equivale a um terço do da Índia e a um quinto do verificado na China.
Como diferenciais, temos recursos naturais abundantes, estabilidade política e institucional, desenvolvimento tecnológico mediano, razoável capacidade empreendedora. Resumo: a transformação está em nossas mãos.
          Nos últimos dez anos, o Brasil avançou, mas muito lentamente. As regras para os negócios melhoraram, mas devagar demais. Os investimentos, o crescimento econômico e o desenvolvimento, também.
Em contas rasas, investem-se no mercado brasileiro, por ano, em torno de R$ 400 bilhões, incluindo todos os setores produtivos, soma que inclui desde a hidrelétrica do grande investidor até a laje na periferia das metrópoles. A expansão mais acelerada do PIB requer cerca de R$ 100 bilhões a mais. Difícil imaginar que essa monta virá de orçamentos públicos.
            A infra-estrutura é um exemplo das possibilidades e das dificuldades. Mais de dez anos depois da aprovação das leis que permitiram a participação privada nos negócios, ainda há hesitação quanto a essa presença. Essa irresolução está presente em exigências descabidas, rentabilidade insuficiente, demora em consolidar a regulação.
Crescer 5% todo ano requer investimento pesado. Se o governo quer um plano para destravar o crescimento, pode apostar no setor privado. Mas, antes disso, na melhoria do ambiente geral de negócios.


PAULO GODOY, 52, administrador de empresas, é presidente da Abdib (Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base) e membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ex-vereador abandona rei dos porcos

fernando morais 400 curtinha   Mesmo impedido de ser candidato, já que está inelegível por oito anos, o ex-vereador pela Capital Abílio Júnior segue se articulando politicamente, deixou o PSC e se filiou ao Podemos. Acabou dando de ombros para o empresário Fernando Morais (foto), o "rei dos porcos",...

Temor e negociação com 3 partidos

wilson kero-kero 400 curtinha   Depois de ajudar na articulação para se filiar ao Podemos o colega vereador Dilemário Alencar, que estava "fritado" e sem espaço no Pros e procurou abrigo em outra legenda, Wilson Kero-Kero (foto) está agora com receio de migrar para o partido da senadora cassada Selma Arruda e do...

Agora no DEM e foco à saúde pública

gilberto figueiredo 400 curtinha   Gilberto Figueiredo (foto), vereador licenciado da Capital e secretário de Estado de Saúde, aproveitou a janela - data limite de filiação até sábado (4) para quem quiser ser candidato em outubro -, e ingressou no DEM. Agora, o partido do governador Mauro, até...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.