Últimas

Quinta-Feira, 21 de Dezembro de 2006, 04h:36 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Ante-sala do crescimento brasileiro

     "Se o governo quer destravar o crescimento, pode apostar no setor privado. Mas, antes disso, na melhoria do ambiente geral de negócios". É o que comenta o administrador de empresas Paulo Godoy, em artigo na Folha de S. Paulo desta quinta (21).

Leia abaixo reprodução do artigo

       Ante-sala do crescimento brasileiro

      PAULO GODOY

          HÁ UM hiato imponente entre o desejo e a realidade quando o assunto é crescimento econômico no Brasil. Há 20 anos, a média anual de expansão do PIB está entre 2% e 3%. Vez ou outra superou 4%, mas foram nitidamente pontos fora da curva, trajetórias intermitentes.
A partir de 2007, a pretensão é fazer com que a economia avance 5% ou mais por ano. A ousadia precisa vir acompanhada de clareza na decisão política e de eficácia e objetividade na ação administrativa. Crescer depende de investimento -e a formação bruta de capital por aqui é pequena.
          Reverter esse cenário requer medidas para diminuir ou eliminar as incertezas que afugentam ou freiam o ímpeto dos empreendedores.
         O plano do governo deve compreender dois caminhos: restituir um fluxo mínimo e constante de investimento público e atrair a iniciativa privada para expandir a capacidade industrial e a infra-estrutura.
De um lado, o Estado precisa melhorar a gestão do gasto e abrir espaço para investir mais, com orçamento próprio, sem arrecadar mais impostos da sociedade.
De outro, tem de consolidar as regras para a atuação do capital privado. Estradas, aeroportos, energia, sistemas de saneamento e redes de telecomunicações, entre tantos outros, prevêem aplicação de grandes somas, com perspectiva de rentabilidade em longo prazo. As regras para o investimento, então, precisam ser atrativas, claras e, acima de tudo, estáveis.
          O investimento depende de uma boa regulação -a regra à qual todas as pessoas e empresas têm de se submeter. Ela não pode ser burocrática e onerosa aos negócios, porque investir não pode ser um périplo. A qualidade regulatória brasileira é sabidamente deficiente. De zero a cem, recebe nota 55, aos olhos do Banco Mundial. No Chile, estabilizou-se em 90, um convite claro ao investimento privado. Por que essa nota não é boa? Algumas dicas. O sistema tributário é complexo, oneroso e injusto demais.
            Incide muito sobre poucos e onera a produção e o investimento. A legislação trabalhista penaliza quem contrata e não busca inserir no sistema formal metade da população de trabalhadores, que não contribui nem usufrui. A Justiça é intrincada e muito lenta -o que dispensa outros comentários. Os juros são altos, conseqüência de outras deficiências. Os marcos regulatórios são incompletos em algumas áreas, inexistentes em outras e passíveis de aperfeiçoamentos nas demais. As agências reguladoras funcionam com mínima capacidade, sob clima de desconfiança e pressão, com recursos contingenciados e diretorias incompletas e, às vezes, politizadas. As instituições públicas invadem a seara uma das outras, criando instabilidade jurídica aos negócios via postergação e veto.
           Com má qualidade regulatória e juros altos, o nível de investimento da iniciativa privada é baixo, o que acarreta crescimento econômico aquém do necessário. Os juros reais, entre 1995 e 2004, foram de 14,5% no Brasil, 3,4% no Chile, 1,5% no México, 3,6% na Coréia, 1,1% na China. A formação bruta de capital na economia brasileira, em 2005, foi de 19,9% do PIB, contra 24,9% na indiana, 40,5% na chinesa, 18,3% na russa, 22,1% na chilena e 19,6% na mexicana. Nos últimos 20 anos, o Brasil obteve um crescimento econômico médio anual que equivale a um terço do da Índia e a um quinto do verificado na China.
Como diferenciais, temos recursos naturais abundantes, estabilidade política e institucional, desenvolvimento tecnológico mediano, razoável capacidade empreendedora. Resumo: a transformação está em nossas mãos.
          Nos últimos dez anos, o Brasil avançou, mas muito lentamente. As regras para os negócios melhoraram, mas devagar demais. Os investimentos, o crescimento econômico e o desenvolvimento, também.
Em contas rasas, investem-se no mercado brasileiro, por ano, em torno de R$ 400 bilhões, incluindo todos os setores produtivos, soma que inclui desde a hidrelétrica do grande investidor até a laje na periferia das metrópoles. A expansão mais acelerada do PIB requer cerca de R$ 100 bilhões a mais. Difícil imaginar que essa monta virá de orçamentos públicos.
            A infra-estrutura é um exemplo das possibilidades e das dificuldades. Mais de dez anos depois da aprovação das leis que permitiram a participação privada nos negócios, ainda há hesitação quanto a essa presença. Essa irresolução está presente em exigências descabidas, rentabilidade insuficiente, demora em consolidar a regulação.
Crescer 5% todo ano requer investimento pesado. Se o governo quer um plano para destravar o crescimento, pode apostar no setor privado. Mas, antes disso, na melhoria do ambiente geral de negócios.


PAULO GODOY, 52, administrador de empresas, é presidente da Abdib (Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base) e membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Licença da PRF para disputar eleição

Arthur Nogueira_400_curtinha   As eleições municipais e ao Senado continuam inflacionando o número de pré-candidatos. O ex-superintendente da PRF, Arthur Nogueira (foto), anunciou que se afastou das atividades policiais para colocar o seu nome à disposição da Rede para concorrer a vaga da senadora...

Possível recuo de Fábio pra prefeito

fabio garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal, primeiro-suplente do senador Jayme e presidente estadual do DEM, Fábio Garcia (foto), faz mistério sobre encarar ou não a corrida pela Prefeitura de Cuiabá. Empurrou a decisão para a próxima semana, sem precisar data e horário. O dirigente do...

Fórum aponta traição de 3 deputados

joao batista 400 curtinha   Fórum Sindical está na bronca com os deputados que aprovaram a reforma da Previdência, mas voltam seus canhões com mais força contra 3 deles: João Batista (ex-presidente do Sindispen), Delegado Claudinei e Faissal Calil. Em nota, o Fórum dispara que se elegeram com os votos...

Vereadora cacerense vira opção à vice

valdeniria 400 curtinha caceres   Em Cáceres, a vereadora de cinco mandatos Valdeniria Dutra Ferreira (foto), do PSC, está sendo cortejada pelos principais pré-candidatos a prefeito. Todos querem-na de vice da chapa. Até Paulo Donizete, que entrou na disputa majoritária apoiado pelo prefeito Francis Maris, passou...

Selma deve mesmo deixar o Podemos

selma arruda 400 curtinha   Para evitar um novo pedido de expulsão do Podemos, Selma Arruda dá sinais de que deixará o partido nos próximos dias. A ex-senadora, que preside o Podemos de Cuiabá, foi "convidada" a deixar a sigla após demonstrar resistência em apoiar a pré-candidatura do deputado...

Arco de alianças define vice de Eliene

eliene liberato 400 curtinha   A professora e vice-prefeita de Cáceres, Eliene Liberato (foto), pré-candidata do PSB à sucessão municipal, disse que a definição do nome para vice de sua chapa só sairá na pré-convenção. Até lá, o amplo arco de alianças...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.