Últimas

Domingo, 25 de Fevereiro de 2007, 04h:01 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Antinomias do Brasil

   Em artigo na Folha de S. Paulo deste domingo (25), a professora da USP, Olgária Matos, discorre acerca dos comentários do governador do Rio, que afirmou que a violência no Brasil é inteiramente contornável, pois nosso "processo civilizatório" é "irreversível". Ela sai também em defesa do colega Renato Janine, que criou polêmica sobre o assunto. Confra abaixo.

    EM RECENTE entrevista, o governador do Rio de Janeiro afirmou que a violência no Brasil é inteiramente contornável, pois nosso "processo civilizatório" é "irreversível". Para fundamentar seu ponto de vista -diariamente desmentido-, se voltou para o "desenvolvimento econômico" anunciado. É em um quadro em que o econômico justifica a violência, o "social" a explica e o bovarismo vê civilização onde não há projeto civilizatório que deveria ser entendido o artigo do professor Renato Janine Ribeiro (Mais!, 18/2). Ninguém defende pena de morte e tortura. Fazê-lo seria gravíssimo.
      Mas também preocupante seria se, ante a procissão de horrores em que vive o país, um indivíduo respondesse a eles com neutralidade e impessoalidade. Adorno anotou em "A Educação após Auschwitz" que um dos traços da sociedade totalitária é a perda da capacidade de identificação com a dor do outro, o desaparecimento da compaixão -tristeza mimética que faz de quem sofre outro nós-mesmos.
Um crime cruel é, em si, irreversível, não tem perdão. Pois, assim como o perdão só pode ser pedido por quem cometeu um crime ou uma ofensa, o ato de perdoar só pode ser concedido diretamente pela vítima. O que Renato Janine escreveu é que, justamente por não haver procuração dada por quem foi silenciado, cada um de nós não tem o direito de perdoar e, por isso, o crime permanece, no âmbito moral, irreparável. No artigo, ele não perdoa. Não tendo sido a vítima imediata dessa violência, perdoar, para ele, seria imoral.
      Apesar de concebida em âmbito religioso por Jesus Cristo, a faculdade de perdoar foi enunciada em um sentido secular: "Deus perdoa nossas dívidas assim como nós perdoamos nossos devedores". A Igreja Católica, ao defender, com razão e humanidade, a dignidade de toda pessoa, põe em ação as palavras de Cristo: "Perdoai, Senhor, eles não sabem o que fazem". Restaria saber até que ponto os assassinos de hoje são inocentes. E quem o arbitra é o Estado. Quanto a isso, surpreendem as declarações oficiais. Na segunda-feira, o presidente da República disse que qualquer um poderia ser levado a cometer um crime como o que atingiu a criança no Rio de Janeiro.
      A psicanalista professora titular do Instituto de Psicologia da USP Maria Inês Assumpção Fernandes observou a estranheza dessa afirmação. A impossibilidade de discernir quem é a vítima e quem é o agressor, diz ela, ocorre em situações de terror, seja o promovido pelo Estado, seja o vivido pela sociedade. O artigo em questão nos leva a perguntar se não são as atitudes dos poderes públicos que trazem de volta a lei do sangue.
       Entenderam mal o pensamento de Renato Janine tanto os que o elogiaram, pretendendo que o professor defende o direito de matar do Estado, quanto os que o atacaram pela mesma razão. Não é porque o capitalismo contemporâneo é pulsional e infantilizante, porque produz uma educação e uma cultura para a qual a atividade do pensamento é próxima a zero que o Estado teria direito ao assassinato frio -que é a pena de morte-, e o criminoso, à indulgência da lei.
O que o ensaio de Renato Janine dá a pensar é, entre outras coisas, se, ao dar-se preferência ao aspecto educativo da lei, suprimindo, na prática, seu caráter punitivo, e se, na comedida e prudente atitude dos representantes da lei e instituições humanitárias, não se expressa a idéia de que as condições materiais de existência explicam o crime e as condições sociais e penitenciárias o justificam.
      Pois é tão infamante jovens e adultos serem trucidados em favelas e queimados em pneus quanto o é qualquer ser humano sê-lo em ônibus ou nas ruas da cidade, independentemente de sua extração social. Trauma após trauma, pode-se opinar o que se quiser sobre delinqüentes e seus crimes, só não há como dizer que se trata de "crime famélico". Esses jovens estão cheios de mensagens, e uma delas é a de não quererem só comida. Assim como é falta de pudor a mídia brasileira freqüentemente operar com presunção de culpa, também deveria ser rechaçada indulgência com criminosos. Afinal, é só no Brasil que delinqüentes são tratados não por seus nomes próprios, mas por diminutivos e com linguagem afetiva. É cedo que se adquire consciência do que é assassinar, do que é permitido e do que é interdito, sem o que uma sociedade não é uma sociedade.


OLGÁRIA CHAIN FÉRES MATOS é professora titular do Departamento de Filosofia da USP.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Os virtuais candidatos a governador

ygor moura 400   Mesmo que timidamente, alguns começam a externar, em privado, o desejar de disputar o governo estadual por um bloco de oposição, contrapondo o projeto de reeleição de Mauro Mendes. O empresário Ygor Moura (foto), da rede de clínicas de depilação Espaçolaser,...

Nomes "de fora" pra deputado federal

valtenir pereira 400   Enquantos os oito deputados da bancada federal de MT (Barbudo, Medeiros, Leonardo, Rosa Neide, Juarez, Bezerra, Emanuelzinho e Neri) vão em busca da reeleição, na esperança de continuarem em Brasilia por mais quatro anos, outros líderes correm por fora, dispostos a também entrar na...

Todos federais vão tentar a reeleição

carlos bezerra 400   Todos os oito deputados federais mato-grossenses estão trabalhando projeto de reeleição. Mas um resolveu espalhar, em paralelo, a ideia de tentar o Senado: Neri Geller (PP). Sabe-se, porém, que a jogada do deputado de Lucas do Rio Verde e que já foi ministro da Agricultura não passa de...

Mil cestas básicas vão para músicos

alberto machado 400   O secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está comemorando a decisão do governador Mauro Mendes e da primeira-dama Virginia Mendes, que desenvolve ações sociais de forma voluntária, de disponibilizar mil cestas básicas para...

Assembleia cede espaço pra vacinação

Eduardo Botelho _ 400   O prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro procurou e encontrou apoio da Assembleia para ampliar locais de vacinação da população contra Covid-19. Em reunião nesta sexta entre o prefeito e os deputados Eduardo Botelho (foto), Paulo Araújo e João José, que preside a...

VG fatura com os clientes da Capital

Com o feriado em Cuiabá nesta quinta (8), por força do aniversário de 302 de emancipação político-administrativa, o movimento no comércio migrou para a vizinha Várzea Grande, segundo maior município do Estado. Em alguns trechos, especialmente na região central, registrou-se congestiomanento no trânsito praticamente o dia todo. Em tempos de pandemia e com horário de funcionamento reduzido, lojistas e comerciantes...