Últimas

Quarta-Feira, 07 de Março de 2007, 09h:21 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Aprendendo ao ensinar

   Em A Gazeta desta quarta (7), a economista Adriana Vandoni comenta sobre os partidos políticos. Confira reprodução abaixo.

   No fim da semana passada estive em sala de aula. Sou professora do curso de pós-graduação em Gestão de Cidades com a disciplina Ética, Estado e Política. Na semana passada tratamos do surgimento dos partidos políticos e da evolução deles no Brasil. Abordamos também a história das Câmaras Municipais e o papel de verear. Claro que me estendi aos dias atuais e a turma fez com que a aula rendesse muito mais que o esperado.

Ao falarmos sobre a atuação dos políticos brasileiros neste período de intensa degradação moral e sobre o nosso papel diante disso, concluímos que só através das urnas não mudaremos nada a não ser que comecemos a fazer um intenso trabalho de conscientização, de elucidação.

Precisamos resgatar em nós mesmos o valor de sermos cidadãos.

Debatemos a reforma política e seus temas mais polêmicos, dentre eles a famigerada fidelidade partidária. Brinquei com a turma dizendo que fidelidade é aquela promessa feita diante do padre e que nem sempre é cumprida. O que falta é lealdade. Dois exemplos descrevem bem essa diferença gritantemente sutil. Em 2004 José Dirceu apoiou um candidato do PC do B para a prefeitura de Fortaleza e tentou fazer com que a candidata do PT renunciasse à sua própria candidatura. José Dirceu não foi leal com o partido nem com a companheira, mas não rompeu com a sua fidelidade partidária. Outro exemplo foi em 2006, lá mesmo no Ceará. Tasso Jereissati, presidente do PSDB, apoiou um candidato do PSB, irmão de Ciro Gomes, e deixou o tucano Lúcio Alcântara a ver navios. Mais uma vez não faltou fidelidade. Tasso continua PSDB, talvez até morra no PSDB, mas foi desleal com o partido.

Regra alguma poderá exigir lealdade, porque ela é derivada do caráter e, como costumo dizer: por mais que a medicina tenha evoluído ainda não conseguiu encapsular caráter, princípio e dignidade.

Mas o que fazer se muitas vezes somos sucumbidos pelos acontecimentos? Entregar os pontos? Deixar a vida nos levar? Pra onde ela levará se permanecermos apáticos? Claro que muitas vezes me deixo levar pelo desânimo de ver nada acontecendo. Vale a pena continuar falando e escrevendo sobre moral, ética, honestidade e futuro? Esses são questionamentos que venho me fazendo, mas um e-mail de uma aluna me fez enxergar que esse é o caminho:

"Quero mandar um agradecimento especial pela sua aula no curso Gestão de Cidades, pois ela me fez retomar a minha consciência moral e a responsabilidade social, que há muito tenho me afastado, seja por desencanto ou mesmo decepção por todo esse cenário político que se apresenta de forma tão imoral e sem ética por parte de nossos representantes.

Sua aula me trouxe de volta a essa realidade que tanto queria ignorar, como se ignorando essas ações políticas, fruto de falsos representantes do povo, pudesse me inocentar de minhas responsabilidades como cidadã.

Minha vida profissional e pessoal sempre foi pautada na defesa dos direitos e deveres dos indivíduos, garantidos em nossa Constituição, e por me envergonhar enquanto cidadã com esses que deveriam honrá-la e defendê-la deixei de forma covarde de reagir a esses abusos, aceitando com passividade que eles fossem até reeleitos.

Trim... Trim... Um toque de alerta veio através de sua aula e percebi que tenho que me levantar e me juntar aos muitos outros. Que esse meu adormecer fez, na verdade, deixar de lutar pela justiça que sempre acreditei. Obrigada".

E ela ainda agradece. Imagine! Eu é que tenho a agradecê-la por me mostrar que este Brasil ainda vale a pena, apesar de alguns.

Adriana Vandoni é economista, especialista em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas/RJ. (avandoni@gmail.com)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Diversos cortes nas despesas da AL

eduardo botelho curtinha 400   Num período em que o Legislativo praticamente parou, assim como o Judiciário e órgãos vinculados aos Poderes, como TCE e MPE, o presidente da AL, deputado Eduardo Botelho (foto), tomou decisão correta ao cortar gastos enquanto perdurar a pandemia do coronavírus. Entre as...

Governador está tenso e preocupado

mauro mendes 400 curtinha   O governador Mauro Mendes anda tenso e preocupado. Mesmo já tendo adotado uma série de medidas de prevenção, inclusive consideradas radicais, ele não dorme direito por causa das projeções nada otimistas de aumento nos próximos dias de casos de coronavírus em...

AL aprovará empréstimo de R$ 550 mi

A Assembleia aprovou, na convocação extraordinária desta sexta (27), dispensa de pauta para a mensagem do Executivo que pede autorização para contrair empréstimo de R$ 550 milhões junto à Caixa Econômica. O recurso será aplicado na construção de pontes de concreto em diversos municípios. Agora, a matéria entra na pauta e será aprovada pela maioria dos deputados na próxima segunda (30),...

Queda nas receitas e o salário regular

emanuel pinheiro 400 curtinha   Prefeitos de um modo geral vão conseguir pagar a folha do funcionalismo de março, na próxima semana, sem tantas dificuldades. Já para abril, a tendência é que passem apurados para manter os vencimentos em dia, por causa do reflexo negativo da pandemia do coronavírus,...

Galvan, afronta à legislação e multa

antonio galvan 400 curtinha   O presidente da Aprosoja-MT, Antônio Galvan (foto), que tentou, mas acabou desistindo da disputa ao Senado, está sempre envolvido em polêmicas, seja nas demandas do agronegócio, seja no cotidiano da política. A mais recente é que ele, juntamente com outros produtores, está...

Destaque nas ações anti-coronavírus

leonardo bortolini leo 400 curtinha   O prefeito de Primavera do Leste Leonardo Bortolin (foto) vem recebendo elogios e ganhou o noticiário nacional por medidas práticas, céleres e seguras no atendimento à população, em meio aos cuidados para prevenção ao coronavírus. Desde a semana...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.