Últimas

Terça-Feira, 03 de Julho de 2007, 09h:25 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Aquecimento do mundo

     O mais aguardado prognóstico da saúde do clima no planeta encerra de vez o debate sobre se os humanos têm ou não culpa pelo aquecimento global. O aumento de temperatura projetado até o final do século é de aproximadamente 3º C, como valor provável. "o aquecimento do sistema do clima é inequívoco e agora se torna evidente, a partir de observações de acréscimos nas temperaturas globais médias do ar e dos oceanos, derretimento disseminado de neve e gelo e elevação do nível médio global dos mares", afirma o quarto relatório do IPCC.
     Deter o aquecimento global vai ser difícil, os resultados vão demorar a aparecer e vai ser preciso negociar muito para que o potencial de redução na emissão de gases estufa nos países em desenvolvimento possa ser aproveitado. Segundo o IPCC, o maior volume das oportunidades mais fáceis para tentar frear a mudança climática está nas nações em desenvolvimento, e é aí que precisamos sermos inteligentes e habilidosos para saber negociar.
     É comum ouvir de pessoas com mais de 50 anos, especialmente do Sul e Sudeste, a observação de que não faz mais noites frias como antigamente. Essa percepção é correta. As temperaturas estão subindo em todo país: já aumentaram de 0,6 a 0,7º C nos últimos 50 anos. As temperaturas mínimas subiram quase 1º C durante o mesmo período. Há um menor número de noites muito frias. Tudo isso é principalmente conseqüência das crescentes emissões de gases de efeito estufa por atividades humanas. A física que embasa o efeito estufa da atmosfera terrestre é robusta e bem conhecida desde o final do século 19. O Brasil precisa conhecer as vulnerabilidades às mudanças climáticas de suas várias regiões para adotar uma política pública de "redução de danos".
     Além disso, é preciso uma profunda transformação, talvez sem paralelo na história da civilização, uma evolução não biológica, mas filosófica e cultural, do Homo sapiens para algo novo, que podemos chamar de Homo planetaris. Essa nova humanidade deve ser guiada pelo conhecimento e pela ciência e ter respeito e solidariedade com os menos afortunados, é o que pensa o físico brasileiro Paulo Artaxo, da USP.
     É no campo da mitigação que se dão os embates políticos. Países ricos, os que mais contribuem para o aquecimento global, querem que nações em desenvolvimento também aceitem compromissos de redução. Seria para o segundo período do protocolo de Kyoto, depois de 2012 - os resultados do primeiro são em geral considerados um fracasso. O governo brasileiro bateu pé na questão do desmatamento, ponto sensível para o Brasil nas negociações. José Domingos Miguez, do Ministério da Ciência e Tecnologia, insistiu que se cravasse no texto a estimativa de que ele lança 1,6 bilhão de toneladas anuais de carbono na atmosfera - 15% da emissões globais.
     Para quem acha que o importante das mudanças climáticas em São Paulo e no Brasil virá apenas daqui muitas décadas, os cálculos do pesquisador Hilton Pinto, do Cepagri (Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura), da Unicamp, são um verdadeiro balde de água fria, quer dizer,quente,no caso. O governo deveria se interessar por esses números e por outros que vêm sendo produzidos pelos cientistas. Mas o Brasil não tem um plano de adaptação para mudança climática. "As políticas são insuficientes", admite Luiz Pinguelli Rosa, professor da Coppe (coordenação de programas de pós-graduação em engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, órgão cujo chefe é o presidente Lula. Para o pesquisador, falta uma cultura que envolva as mudanças do clima no dia a dia das cidades e do país, e afirma, o tema das adaptações aos impactos é onde estamos pior. Como pesquisador concordo integralmente com o professor Luiz Pinguilli, é preciso oxigenar os órgãos ambientais, para que possamos visualizar um amanhã promissor.

Romildo Gonçalves é biólogo, especialista em queima controlada, planejamento ambiental, professor e pesquisador da Seduc/UFMT

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.