Últimas

Quarta-Feira, 01 de Agosto de 2007, 11h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

As CPI’s que deram certo

     No Brasil, CPI virou sinônimo de pizza. Provavelmente porque, muitas delas, têm sido usadas como meio de promoção pessoal de políticos ou como forma de uma oposição minoritária se utilizar da mídia em ataques pesados aos governos de plantão.
     Se a sociedade não vê melhoria em sua vida, ela não pode mesmo concordar com qualquer ação política. É assim que funciona. O individuo se articula com a sociedade através de grupos sociais e com o poder político através dos vereadores, prefeitos, deputados, presidentes... E daí, trocas simbólicas. Ou seja, o individuo vota em troca de um empenho desse político por uma sociedade melhor.
     No caso de uma CPI, apesar dela não ser vista pela sociedade como algo neste sentido, o mais incrível é que ela pode ser um poderoso meio de transformar para melhor o dia a dia das pessoas.
     Na Assembléia Legislativa de Mato Grosso, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) é um instrumento que tem sido utilizado para aprimorar sua forma de fiscalizar o governo e como o governo se articula com a própria sociedade.
     Tudo depende do rito da CPI. E, um rito que cumpra suas funções precisa ser feito de um único propósito: diagnosticar um problema e, através de hipóteses, buscar solucioná-lo. Uma CPI não pode ter fins políticos.
     A Assembléia criou a “CPI da Sema”, porque verificou que o setor florestal encontra sérias dificuldades para operar legalmente. Eis o problema. E ele tem como conseqüência uma grave crise econômica nos municípios que acaba refletindo em todo Mato Grosso. É claro, o enfraquecimento de uma parte reflete no todo, além disso, o que pouca gente sabe é que tal morosidade tem atrapalhado setores diversos, como a execução de obras de asfalto e pontes, em função da não liberação das autorizações ambientais pela Sema.
     As hipóteses para a solução desse problema é o que a CPI está buscando, mas sempre atenta à legislação ecológica. Se os entraves burocráticos criados pela Sema são exagerados ou ilegais, se há servidores da Sema ou organizações nacionais e internacionais travando o processo de desenvolvimento sustentável, enfim, diagnosticar o que há de errado na estrutura da Sema e na sociedade civil, é o objetivo desta CPI.
     Assim como sou o idealizador desta CPI da Sema, já participei do processo de nascimento, formatação e condução de outras três CPIs na Assembléia Legislativa: a CPI do Narcotráfico, em 1999, ‘colocou o dedo na ferida’ quando apurou organizações criminosas operando em Mato Grosso e ajudou a desmantelá-las; A CPI dos combustíveis, 2001, serviu para melhorar significativamente a oferta do produto combustível ao consumidor. Uma verdadeira “máfia” foi desvencilhada pela CPI; E a CPI das GIA’s, em 2005, com certeza foi um alerta para um modelo de distribuição de dinheiro do ICMS, que é arrecadado pelo governo e distribuído aos municípios e estava eivado de irregularidades. Os trabalhos conseguiram o resultado prático de buscar a justiça, e municípios, como Cuiabá, que por muitos anos perdiam com isso, conseguiram recuperar parte de sua capacidade financeira.
     Assim, pudemos mostrar, aqui em Mato Grosso, que as CPI’s podem servir para melhorar a vida das pessoas, sem servir como palco de promoção pessoal e teatralidade. É assim que estamos operando a CPI da Sema, num rito sério e que tem um alvo definido: buscar corrigir distorções na relação sociedade civil e sociedade política.

José Riva é deputado estadual por Mato Grosso e preside a CPI da Sema

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Campanha une as primeiras-damas

virginia mendes 400 curtinha   As primeiras-damas Virginia Mendes (foto) e Michelle Bolsonaro, de MT e do país, respectivamente, têm mantido um relacionamento bem estreito no desenvolvimento de projetos e ações sociais. No final de abril, Michelle postou um elogio e divulgou, na sua conta do Instagram, a campanha de...

Se EP recuar, PV lança Stopa a prefeito

justino malheiros 400 curtinha   O ex-presidente da Câmara de Cuiabá e membro do diretório municipal do PV, vereador Justino Malheiros (foto), disse nesta segunda que o partido estará com o prefeito Emanuel Pinheiro até o último momento, apostando no projeto de reeleição do emedebista. Mas,...

Disputa a prefeito e apoio de Sachetti

 luizao_curtinha400   O empresário Luiz Homem de Carvalho, o Luizão (foto), ex-presidente da CDL de Rondonópolis, está mesmo determinado a encarar, pela primeira vez, o teste das urnas para prefeito. E inicia uma oposição dura à gestão Zé do Pátio, que buscará a...

Corrida de Teis no noticiário nacional

waldir teis 400 curtinha   As imagens que mostram o conselheiro afastado do TCE Waldir Teis (foto) descendo em alta velocidade as escadas de um prédio para jogar no lixo vários cheques rasgados que somavam R$ 450 mil ganharam o noticiário nacional, com destaque neste domingo em veículos, como Folha de S. Paulo, G1 e IG....

Esforço de ex-senadora para eleger 2

rafael ranalli curtinha 400   Eleita no pleito de 2018 e cassada em definitivo em abril deste ano, a ex-senadora Selma Arruda, presidente do Podemos de Cuiabá, pode deixar o partido após o processo eleitoral deste ano. Segundo informações, a juíza aposentada se afastaria da política partidária para...

6 parlamentares já foram infectados

wilson santos 400 curtinha   Desde o início da pandemia, em março, seis dos 24 deputados estaduais já testaram positivo para Covid-19. O último foi Wilson Santos (foto). Ele disse que recebeu medicação e está em isolamento. Observa que a doença está no início e segue trabalhando...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.