Últimas

Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2007, 02h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Ausência e saudade

    Em artigo nesta terça (16) em A Gazeta, o professor Lourembergue Alves discorre sobre a morte e lamenta, entre tantas perdas, a de João Alberto Novis Gomes Monteiro, que ocupava a cadeira número 34 da Academia Mato-grossense de Letras. Confira a reprodução abaixo.

    A morte não é outra coisa senão a ausência de vida, o que, dito de outra maneira, a não companhia física de uma pessoa. Por conta disso, e não sem razão, os que ficam por aqui, no espaço terrestre, desde parentes, admiradores e até amigos, passam a conviver com a saudade, que é alimentada dia-a-dia pela falta sentida. Sensação só reconfortada pela lembrança do ausente fisicamente, constituída de seus feitos, qualidades, defeitos e maneira bem particular de ser, jamais percebida em outrem, mesmo nos que lhe são descendentes, isso porque cada humano é único e o conjunto de suas obras, exclusivo; perpetuado na lembrança e preservado nas prateleiras que dão guaridas a reminiscência. Sustenta-se, desse modo, a imortalidade, tão defendida por uma academia de letras, tal como a do Estado de Mato Grosso, muito embora esta, tanto quanto as outras, se ressinta das perdas, todas elas, inclusive a sua mais recente o ocupante da cadeira número 34, João Alberto Novis Gomes Monteiro.

   Médico por formação, cuiabano de nascimento e amante das coisas com as quais se debruça a Academia Mato-grossense de Letras. Foi paixão à primeira vista, muito antes de sua posse como membro-efetivo, e o amor que sentia por ela tornou-se mais forte a partir do instante em que se viu atravessar pela vez primeira os umbrais da instituição. Viu-se ligado a ela a tal ponto que se tornou exemplo para os acadêmicos que a ingressaram depois dele, arrebatando admiração dos antigos e respeito dos que a visitavam, pois o viam como um presidente dedicado e um de seus porta-vozes mais competente. Passava horas na sala da presidência, respondendo as cartas que chegavam, atendendo a telefonemas e recebendo os visitantes. Fazia tudo com simplicidade e naturalidade. Parecia receber luzes dos que já tinham deixado o mundo físico, mas que ainda estavam por ali pelas sensações, lembranças e imagens. Certamente por isso, estava quase sempre de bom humor, vez por outra deixando escapar uma ou outra piada em meio a sorrisos, da mesma forma que passava a cantarolar, após o ritual das posses, entre os comes e bebes, canções da velha guarda, buscava-as com a força de um garimpeiro e com a facilidade de um pesquisador experiente ao abrir as caixas sonoras do tempo; porém mostrava-se sério e duro quando saia em defesa da instituição. Não retrocedia, nem se deixava abater diante das dificuldades enfrentadas, e, olhe que a situação econômico-financeira da academia estava, tanto quanto agora está muito complicada.

   Não foi fácil, portanto, sua saída da presidência da Academia Mato-grossense de Letras para assumir um cargo de terceiro escalão no governo estadual, para o qual chegou a rabiscar alguns planos e alimentar sonhos de trabalho, porém ficou lá por poucos dias; talvez se desse por vencido pela burocracia estatal, a mesma que ele se acostumara a enfrentar quando saia em defesa ou da reforma do antigo Casarão "Barão de Melgaço" ou da posse pelo Instituto Histórico e Geográfico e pela AML do prédio ao fundo, o mesmo que havia, por décadas, servido de sede da Secretaria de Educação do Estado.

   Mostrou-se frágil, afinal todo ser humano o é, não apenas um ou outro, e, nessa condição, viu-se abatido pela doença. Recorreu ao tratamento médico, mas o seu corpo já não tinha mais a resistência de outrora; assim, antes mesmo do término de 2006, a morte bateu à porta, arrebatando-lhe a vida, deixando dessa forma vaga a cadeira número 34. Sua ausência tira o brilho um pouco da instituição. Suas obras, felizmente, ficaram, somadas a de tantos outros, tais como a de um Lenine Povoas, Dunga Rodrigues e Satyro Benedicto de Oliveira, com os quais agora faz companhia lá nos céus. Ausências e saudades sentidas pelos seus confrades e confreiras do Instituto e da Academia.

Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos. E-mail: lou.alves@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Cáceres, lockdown e frases de alerta

francis maris 400 curtinha   Em Cáceres, o prefeito Francis Maris (foto) decretou lockdown desde a última segunda, dia 29, como forma de forçar os moradores a permanecer em casa para conter o avanço da Covid-19. Mas as medidas restritivas não estão surtindo tanto efeito na prática. Muitos continuam...

4 prefeitos de MT com coronavírus

luiz binotti 400 curtinha   Pelo menos quatro prefeitos em Mato Grosso já foram diagnosticados com Covid-19. O caso mais recente envolve Luiz Binotti (foto), de Lucas do Rio Verde. Ele aguarda resultado de exames, mas já se encontra em isolamento domiciliar. Com sintomas do novo coronavírus, Binotti decidiu ficar em casa. De um...

Forçando cuiabanos a ficar em casa

emanuel pinheiro 400 curtinha   Acuado por causa do avanço dos casos de Covid-19, o que tem provocado colapso na rede pública de saúde, principalmente em Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) decidiu adotar medidas mais restritivas para conter circulação e aglomerações de pessoas,...

Relação tensa e agora sem assessores

niuan ribeiro 400 curtinha   A relação política entre o prefeito Emanuel Pinheiro e o vice Niuan Ribeiro (foto), em Cuiabá, deve azedar ainda mais. Ambos estão rompidos politicamente desde o ano passado. Niuan, que atua no 6º andar do Palácio Alencastro de olho nas ações de Emanuel, que...

PEC da Previdência na pauta nesta 5ª

dilmar dal bosco 400 curtinha   A polêmica e controversa PEC da Previdência, apresentada pelo governador Mauro, deve ser apreciada nesta quinta, em primeira votação, pelos deputados. O Executivo conseguiu os votos mínimos necessários para conseguir aprovação. Deputados da oposição...

Caminho bem consolidado à reeleição

leonardo 400 curtinha   Dos prefeitos que podem ir à reeleição de cidades pólos, o que encontra situação mais confortável é Leonardo Bortolini, o Léo (foto), de Primavera do Leste. Bem articulado e habilidoso politicamente e com uma relação extensa de obras e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.