Últimas

Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2007, 02h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Ausência e saudade

    Em artigo nesta terça (16) em A Gazeta, o professor Lourembergue Alves discorre sobre a morte e lamenta, entre tantas perdas, a de João Alberto Novis Gomes Monteiro, que ocupava a cadeira número 34 da Academia Mato-grossense de Letras. Confira a reprodução abaixo.

    A morte não é outra coisa senão a ausência de vida, o que, dito de outra maneira, a não companhia física de uma pessoa. Por conta disso, e não sem razão, os que ficam por aqui, no espaço terrestre, desde parentes, admiradores e até amigos, passam a conviver com a saudade, que é alimentada dia-a-dia pela falta sentida. Sensação só reconfortada pela lembrança do ausente fisicamente, constituída de seus feitos, qualidades, defeitos e maneira bem particular de ser, jamais percebida em outrem, mesmo nos que lhe são descendentes, isso porque cada humano é único e o conjunto de suas obras, exclusivo; perpetuado na lembrança e preservado nas prateleiras que dão guaridas a reminiscência. Sustenta-se, desse modo, a imortalidade, tão defendida por uma academia de letras, tal como a do Estado de Mato Grosso, muito embora esta, tanto quanto as outras, se ressinta das perdas, todas elas, inclusive a sua mais recente o ocupante da cadeira número 34, João Alberto Novis Gomes Monteiro.

   Médico por formação, cuiabano de nascimento e amante das coisas com as quais se debruça a Academia Mato-grossense de Letras. Foi paixão à primeira vista, muito antes de sua posse como membro-efetivo, e o amor que sentia por ela tornou-se mais forte a partir do instante em que se viu atravessar pela vez primeira os umbrais da instituição. Viu-se ligado a ela a tal ponto que se tornou exemplo para os acadêmicos que a ingressaram depois dele, arrebatando admiração dos antigos e respeito dos que a visitavam, pois o viam como um presidente dedicado e um de seus porta-vozes mais competente. Passava horas na sala da presidência, respondendo as cartas que chegavam, atendendo a telefonemas e recebendo os visitantes. Fazia tudo com simplicidade e naturalidade. Parecia receber luzes dos que já tinham deixado o mundo físico, mas que ainda estavam por ali pelas sensações, lembranças e imagens. Certamente por isso, estava quase sempre de bom humor, vez por outra deixando escapar uma ou outra piada em meio a sorrisos, da mesma forma que passava a cantarolar, após o ritual das posses, entre os comes e bebes, canções da velha guarda, buscava-as com a força de um garimpeiro e com a facilidade de um pesquisador experiente ao abrir as caixas sonoras do tempo; porém mostrava-se sério e duro quando saia em defesa da instituição. Não retrocedia, nem se deixava abater diante das dificuldades enfrentadas, e, olhe que a situação econômico-financeira da academia estava, tanto quanto agora está muito complicada.

   Não foi fácil, portanto, sua saída da presidência da Academia Mato-grossense de Letras para assumir um cargo de terceiro escalão no governo estadual, para o qual chegou a rabiscar alguns planos e alimentar sonhos de trabalho, porém ficou lá por poucos dias; talvez se desse por vencido pela burocracia estatal, a mesma que ele se acostumara a enfrentar quando saia em defesa ou da reforma do antigo Casarão "Barão de Melgaço" ou da posse pelo Instituto Histórico e Geográfico e pela AML do prédio ao fundo, o mesmo que havia, por décadas, servido de sede da Secretaria de Educação do Estado.

   Mostrou-se frágil, afinal todo ser humano o é, não apenas um ou outro, e, nessa condição, viu-se abatido pela doença. Recorreu ao tratamento médico, mas o seu corpo já não tinha mais a resistência de outrora; assim, antes mesmo do término de 2006, a morte bateu à porta, arrebatando-lhe a vida, deixando dessa forma vaga a cadeira número 34. Sua ausência tira o brilho um pouco da instituição. Suas obras, felizmente, ficaram, somadas a de tantos outros, tais como a de um Lenine Povoas, Dunga Rodrigues e Satyro Benedicto de Oliveira, com os quais agora faz companhia lá nos céus. Ausências e saudades sentidas pelos seus confrades e confreiras do Instituto e da Academia.

Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos. E-mail: lou.alves@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ex-vereador abandona rei dos porcos

fernando morais 400 curtinha   Mesmo impedido de ser candidato, já que está inelegível por oito anos, o ex-vereador pela Capital Abílio Júnior segue se articulando politicamente, deixou o PSC e se filiou ao Podemos. Acabou dando de ombros para o empresário Fernando Morais (foto), o "rei dos porcos",...

Temor e negociação com 3 partidos

wilson kero-kero 400 curtinha   Depois de ajudar na articulação para se filiar ao Podemos o colega vereador Dilemário Alencar, que estava "fritado" e sem espaço no Pros e procurou abrigo em outra legenda, Wilson Kero-Kero (foto) está agora com receio de migrar para o partido da senadora cassada Selma Arruda e do...

Agora no DEM e foco à saúde pública

gilberto figueiredo 400 curtinha   Gilberto Figueiredo (foto), vereador licenciado da Capital e secretário de Estado de Saúde, aproveitou a janela - data limite de filiação até sábado (4) para quem quiser ser candidato em outubro -, e ingressou no DEM. Agora, o partido do governador Mauro, até...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.