Últimas

Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2007, 02h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Ausência e saudade

    Em artigo nesta terça (16) em A Gazeta, o professor Lourembergue Alves discorre sobre a morte e lamenta, entre tantas perdas, a de João Alberto Novis Gomes Monteiro, que ocupava a cadeira número 34 da Academia Mato-grossense de Letras. Confira a reprodução abaixo.

    A morte não é outra coisa senão a ausência de vida, o que, dito de outra maneira, a não companhia física de uma pessoa. Por conta disso, e não sem razão, os que ficam por aqui, no espaço terrestre, desde parentes, admiradores e até amigos, passam a conviver com a saudade, que é alimentada dia-a-dia pela falta sentida. Sensação só reconfortada pela lembrança do ausente fisicamente, constituída de seus feitos, qualidades, defeitos e maneira bem particular de ser, jamais percebida em outrem, mesmo nos que lhe são descendentes, isso porque cada humano é único e o conjunto de suas obras, exclusivo; perpetuado na lembrança e preservado nas prateleiras que dão guaridas a reminiscência. Sustenta-se, desse modo, a imortalidade, tão defendida por uma academia de letras, tal como a do Estado de Mato Grosso, muito embora esta, tanto quanto as outras, se ressinta das perdas, todas elas, inclusive a sua mais recente o ocupante da cadeira número 34, João Alberto Novis Gomes Monteiro.

   Médico por formação, cuiabano de nascimento e amante das coisas com as quais se debruça a Academia Mato-grossense de Letras. Foi paixão à primeira vista, muito antes de sua posse como membro-efetivo, e o amor que sentia por ela tornou-se mais forte a partir do instante em que se viu atravessar pela vez primeira os umbrais da instituição. Viu-se ligado a ela a tal ponto que se tornou exemplo para os acadêmicos que a ingressaram depois dele, arrebatando admiração dos antigos e respeito dos que a visitavam, pois o viam como um presidente dedicado e um de seus porta-vozes mais competente. Passava horas na sala da presidência, respondendo as cartas que chegavam, atendendo a telefonemas e recebendo os visitantes. Fazia tudo com simplicidade e naturalidade. Parecia receber luzes dos que já tinham deixado o mundo físico, mas que ainda estavam por ali pelas sensações, lembranças e imagens. Certamente por isso, estava quase sempre de bom humor, vez por outra deixando escapar uma ou outra piada em meio a sorrisos, da mesma forma que passava a cantarolar, após o ritual das posses, entre os comes e bebes, canções da velha guarda, buscava-as com a força de um garimpeiro e com a facilidade de um pesquisador experiente ao abrir as caixas sonoras do tempo; porém mostrava-se sério e duro quando saia em defesa da instituição. Não retrocedia, nem se deixava abater diante das dificuldades enfrentadas, e, olhe que a situação econômico-financeira da academia estava, tanto quanto agora está muito complicada.

   Não foi fácil, portanto, sua saída da presidência da Academia Mato-grossense de Letras para assumir um cargo de terceiro escalão no governo estadual, para o qual chegou a rabiscar alguns planos e alimentar sonhos de trabalho, porém ficou lá por poucos dias; talvez se desse por vencido pela burocracia estatal, a mesma que ele se acostumara a enfrentar quando saia em defesa ou da reforma do antigo Casarão "Barão de Melgaço" ou da posse pelo Instituto Histórico e Geográfico e pela AML do prédio ao fundo, o mesmo que havia, por décadas, servido de sede da Secretaria de Educação do Estado.

   Mostrou-se frágil, afinal todo ser humano o é, não apenas um ou outro, e, nessa condição, viu-se abatido pela doença. Recorreu ao tratamento médico, mas o seu corpo já não tinha mais a resistência de outrora; assim, antes mesmo do término de 2006, a morte bateu à porta, arrebatando-lhe a vida, deixando dessa forma vaga a cadeira número 34. Sua ausência tira o brilho um pouco da instituição. Suas obras, felizmente, ficaram, somadas a de tantos outros, tais como a de um Lenine Povoas, Dunga Rodrigues e Satyro Benedicto de Oliveira, com os quais agora faz companhia lá nos céus. Ausências e saudades sentidas pelos seus confrades e confreiras do Instituto e da Academia.

Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos. E-mail: lou.alves@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Lei em Cuiabá veta cortar luz e telefone

misael galvao 400 curtinha   Seguindo exemplo de outros municípios, a Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto), rejeitou veto do prefeito Emanuel e promulgou uma lei, que proíbe empresas de gás e concessionárias de serviço público de energia elétrica, no caso a Energisa,...

Visita a todos setores e agradecimento

domingos neto tce 400 curtinha   Numa demonstração de humildade e respeito aos servidores, o presidente do TCE Domingos Neto visitou nesta 4ª todo os setores do Tribunal para agradecer pessoalmente o esforço, dedicação e a contribuição de cada colaborador para que sua gestão do...

Equipe, foco e elogios ao governador

mauro carvalho 400 curtinha   Mauro Carvalho (foto), o número 2 do Palácio Paiaguás, faz questão de destacar que o governador Mauro Mendes está fechando o 1º ano de mandato sem promover uma única mudança no quadro dos 16 secretários, incluindo os que comandam a CGE e PGE. Entende isso...

Até Galvan quer o Senado pelo agro

antonio galvan 400 curtinha   A eleição suplementar ao Senado para início de 2020 começa a despertar interesse de diferentes setores. Só dos chamados representantes do agronegócio são pelo menos quatro possíveis candidatos. Até Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja Mato...

Sem elo com a servidora denunciante

abilio 400 curtinha   Sob investigação da Comissão de Ética da Câmara de Cuiabá por causa de reincidentes casos de quebra de decoro, Abílio Brunini (foto), em nota, contesta o colega Juca do Guaraná, que divulgou imagens e afirmou que o vereador do PSC esteve no Hospital São Benedito e...

Goleada na cassação no TRE e no TSE

edson fachin 400 curtinha   No TRE-MT, em abril, a juíza aposentada e senadora Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, teve o mandato cassado por unanimidade. No julgamento do recurso da parlamentar no TSE, nesta terça, o placar também foi "elástico": 6 a 1. Somente o ministro Edson Fachin (foto) votou acatando o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.