Últimas

Sábado, 14 de Julho de 2007, 09h:24 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Bons ventos sobre a educação profissional

     A educação profissional, em nível nacional, poderá contar em breve com mais uma fonte de financiamento o Fundo de Desenvolvimento do Ensino Profissional e Qualificação do Trabalhador (Fundep). O projeto de lei e a proposta de emenda à Constituição que dispõem sobre assunto, ambos de autoria do senador Paulo Paim, aguardam parecer da Comissão de Constituição de Justiça e Cidadania do Senado Federal.
     O Fundep será composto pelas seguintes fontes de recursos: 7% do produto de arrecadação dos impostos sobre renda e proventos de qualquer natureza e sobre produtos industrializados; 5% dos Fundos de Amparo do Trabalhador (FAT); 10% dos recursos recolhidos pela Previdência e transferidos a terceiros; e 18% do total dos recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust);
     Em Mato Grosso, o Fundep surge como mais uma alternativa de investimento para educação profissional, já que somos o único Estado da Federação que tem recursos garantidos por meio de emenda constitucional para a execução da política de educação profissional e tecnológica. Isto, inclusive, já foi apresentado como modelo a outros Estados.
     O Fundo Estadual de Educação Profissional (Feep) tornou-se realidade em dezembro de 2003, quando o governador Blairo Maggi encaminhou à Assembléia Legislativa a Proposta de Emenda Constitucional nº 23, dando nova redação ao artigo 354 da Constituição Estadual.
     Desde então ficou regulamentado, de forma inédita no Brasil, que o Estado de Mato Grosso atribuiria dotação correspondente a até 2% da receita proveniente de impostos, deduzidas as transferências aos municípios, à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat) e ao Feep, ficando garantido o mínimo de 0,5% da citada receita a cada entidade, observando sempre a divisão proporcional das dotações a eles destinadas.
     Concomitantemente, o governo do Estado, com o aval da Assembléia Legislativa, criou o Centro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica de Mato Grosso (Ceprotec/MT), também com autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didática e disciplinar, regido por estatuto e regimento próprios, vinculado à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secitec).
     A média anual de repasses efetuados ao Ceprotec, por meio do Feep, tem girado em torno de R$ 10,5 milhões. Os recursos são destinados para a manutenção e realização de investimentos nas unidades de ensino de Barra do Garças, Rondonópolis, Alta Floresta, Sinop, Diamantino, Tangará da Serra e unidade central, em Cuiabá.
     Neste momento, os leitores devem estar se perguntando: "Será que estes recursos são suficientes?" Não, não são. Mas para que este projeto tenha sucesso, a boa aplicação dos recursos é essencial. O que mais conta não é a quantidade de recursos nem as boas intenções, e sim a utilização adequada e ética desses recursos e mesmo com todas as limitações, o Estado tem buscado alternativas para oferecer um ensino profissional de qualidade ao maior número possível de cidadãos.
     Para se ter uma idéia, de 2004 a 2006, o Ceprotec realizou cerca de 19.174 atendimentos entre cursos técnicos, de Formação Inicial e Continuada e seminários. Para 2007, a instituição trabalha com uma meta de 7.190 atendimentos.
     É um número bastante significativo, principalmente se levarmos em consideração que o Ceprotec tem apenas três anos de atividades no Estado. Outra questão que merece destaque é a forma como são definidos os cursos técnicos. Eles são priorizados de acordo com a vocação econômica de cada região, por intermédio de consultas junto à sociedade civil organizada. A partir do 2º semestre de 2008, o Ceprotec também irá oferecer cursos superiores de tecnologia.
     Temos a convicção de que foi a partir destas conquistas que novos rumos começaram a ser delineados para a educação profissional em Mato Grosso. Graças ao trabalho de profissionais capacitados, competentes e comprometidos, o projeto político pedagógico do Ceprotec contemplou aspectos que fazem a diferença. Não podemos sacrificar gerações ou enganá-las diariamente oferecendo formação de má qualidade e criando instituições de fachada.

Luiz Fernando Caldart é presidente do Ceprotec

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

2 suplentes já estreiam em Cuiabá

alex rodrigues 400   Com menos de quatro meses de mandato, dois dos 25 vereadores cuiabanos reeleitos no ano passado já pediram licença para abrir espaço a suplentes. Diego Guimarães (Cidadania) se afastou por 30 dias. Em sua cadeira está Maysa Leão, do mesmo partido. Marcrean Santos (PP) pediu afastamento...

Governista 2 e o desafio da reeleição

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), que conseguiu retornar à Assembleia "sangrando" nas urnas de 2018, impactado pelo desgaste pela defesa intransigente do Governo Pedro Taques, se prepara para atravessar outro purgatório no próximo ano, em busca de mais um mandato. O deputado tucano carrega desgaste...

Nobres chora a morte de ex-prefeito

flavio dalmolin 400   A pequena e turística Nobres, de 16 mil habitantes, parou neste Feriado de Tiradentes em comoção pela morte, por Covid-19, do ex-prefeito Flávio Dalmolin (foto). Um cortejo percorreu ruas e avenidas, parou em frente ao estádio municipal Balizão e à prefeitura, onde...

Derrotado ensaia disputa ao Governo

reinaldo morais 400 curtinha   O empresário Reinaldo Morais (foto), o rei dos porcos, está disposto a gastar mais uns milhões com nova candidatura majoritária, agora para governador. No ano passado, concorreu ao Senado e obteve votação decepcionante. Foi o penúltimo colocado numa corrida com 11...

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....