Últimas

Sexta-Feira, 19 de Janeiro de 2007, 07h:48 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Briga, tendência e privilégio

   Em artigo nesta sexta (19) em A Gazeta, o professor Louremberg Alves discorre sobre a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados. Leia reprodução a seguir.
    A briga pela Mesa Diretora da Câmara Federal parece ficar mais acirrada, com os parlamentares se dividindo entre as três candidaturas postas, o que pode mudar todo o cenário anteriormente apresentado, quando se dizia que o atual presidente da Casa seria tranqüilamente reeleito, uma vez que contava e ainda conta com apoio da administração Lula da Silva. Tal situação, agora, está totalmente descartada, pois outros dois deputados entraram na disputa, e, por conta disso, fala-se já na possível existência de segundo turno.

   O segundo turno vale dizer, só é possível caso um dos candidatos não consiga a metade mais um do total dos votos existentes na Casa e/ou o primeiro e o terceiro colocados, juntos, obtenham 257 apoios dos 515 deputados federais, a exemplo do que se presenciou na eleição do deputado Severino Cavalcante (PP/PE), pois este, na segunda votação, recebeu os votos que haviam sidos dirigidos ao terceiro colocado na primeira eleição. Isso é possível repetir-se. Aliás, o candidato à reeleição, Aldo Rebelo (PC do B/SP), aposta muito nessa hipótese, daí a sua persistência em manter-se na briga, muito embora até o presidente Lula da Silva, via ministra da Casa Civil, já o sondou sobre a possibilidade de abrir caminho para que Arlindo Chinaglia (PT/SP) prevaleça na cena política como candidato único do governo à presidência da Câmara; em troca poderia ser contemplado com um ministério.

    O quadro, portanto, ainda está indefinido. O petista se encontra na dianteira, seguido pelo comunista e, um pouco depois, pelo deputado Gustavo Fruet (PSDB/PR) tentando arregimentar os votos oposicionistas. Acontece que nenhum deles tem um projeto de trabalho para a administração da Câmara, no sentido de reconquistar a credibilidade popular e sepultar de vez o "papelão" de vários deputados envolvidos em "mensalão", "sanguessugas", "vampiros dos medicamentos" e, enfim, todos os expedientes que desrespeita a Casa e agride a população.

   Trata-se, dessa forma, de uma disputa por visibilidade particular, por cargos e, estrategicamente, por poder de mando, com o fim de melhor barganhar com o governo federal. Razão pela qual o oposicionista PFL se mantém ao lado do deputado Rebelo, a despeito de todas as vicissitudes; também se posicionam os deputados do chamado "baixo clero"; e, igualmente, se coloca a bancada peemedebista que está totalmente dividida, com parte deles apoiando o presidente-candidato e a outra identificada com o líder petista, embora se saiba que uma meia dúzia confessa nos bastidores votar no candidato da terceira via. Não é diferente com os chamados representantes das siglas pequenas, tampouco o é o posicionamento dos peessedebistas, que já se colocaram inicialmente favoráveis à candidatura Arlindo Chinaglia e, agora, com a entrada de um de seus na disputa, se acham divididos em dois grupos: com o primeiro, liderado pelos governadores Serra, de São Paulo, e Aécio Neves, de Minas Gerais, não se mostrando muito entusiasta com a candidatura do deputado Fruet, em razão de seus interesses estaduais; e o segundo, capitaneado pelo sociólogo Fernando Henrique Cardoso, defensor intransigente do candidato do PSDB.

 O debate está posto, com as candidaturas investindo nas próprias campanhas e apostando, cada qual, em seu poder de sedução na conquista dos 513 eleitores. Estes não formam um eleitorado fiel, tende, pelo menos grande parte deles, a apostar em quem lhes garanta os privilégios, tais como os altos salários e as regalias do tipo de gastos sem controle, e, isso, leva-o ora para um lado, ora para outro. Há, aqui, a nítida volatilidade de votos, e isso, evidentemente, não se deve em razão de programas de trabalho para possibilitar a celeridade das atividades parlamentares, com o fim de favorecer a vida da imensa maioria dos brasileiros.

Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos (lou.alves@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

Deputado agora pula de palanque

elizeu nascimento 400 curtinha   O ex-vereador e hoje deputado estadual Elizeu Nascimento (foto), que amargou a oitava colocação na disputa ao Senado na eleição suplementar do último dia 15, mudou de lado, como se troca de camisa. Em princípio, era apoiador do projeto de reeleição do prefeito...

Ex-aliado, Sales lembra quem é Abílio

coronel sales 400   Em mensagem enviada aos amigos, reforçando pedido de voto para Emanuel Pinheiro, o coronel PM da reserva e secretário de Ordem Pública da Capital, Leovaldo Sales (foto), diz conhecer bem os dois candidatos que disputam, neste segundo turno, o Palácio Alencastro. Sobre Emanuel, lembra que este tem...

Uma perna no muro e dicas indiretas

eduardo botelho 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (foto), chega ao final deste 2º turno das eleicões em Cuiabá com uma perna no muro. Ele liberou toda sua equipe para votar em quem quiser e todos pedem voto para Emanuel. Já Botelho, particulamente, preferiu não assumir publicamente o seu...

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

MAIS LIDAS