Últimas

Sábado, 06 de Janeiro de 2007, 01h:15 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Chocadeiras da violência (2)

     O jornalista Onofre Ribeiro faz algumas considerações diretamente ligadas à raiz da violência urbana. Confira no artigo publicado no Diário de Cuiabá neste sábado (6) e reproduzido abaixo. 
   

      Uma vez compreendidas as causas da origem social dos problemas geradores da violência urbana no Brasil, é preciso traçar o exato momento em que se romperam os vínculos entre dos valores coletivos. Para isso, vou relatar um fato que ouvi da boca de duas professoras cuiabanas, de uma escola no bairro Jardim Industriário, na região do Coxipó. Ele é especialmente didático porque pode ser aplicado a qualquer região do Brasil, principalmente nas médias e grandes cidades.

        Na escola elas convivem com alunos que vêm das camadas mais pobres do bairro, que é periférico da capital. São crianças filhas de mães separadas e raramente o companheiro da mãe é o pai. Então, existe o descompromisso paternal, somando à violência contra a mãe e contra os filhos, o álcool como pano de fundo para piorar as relações. E o pior é a promiscuidade. Dormem quase todos espalhados pelo chão, facilitando ligações incestuosas.

      Com essa cultura, as crianças chegam à escola onde deságuam todas as suas frustrações no grupo. Tornam-se agressivas na força do conjunto e exercem uma liberdade exagerada. As meninas adoram ser chamadas de “galinhas” porque lhes dá prestígio entre os meninos. A gravidez dá status, mas a responsabilidade com o filho é jogada nas costas da mãe, já sobrecarregada. Eles percebem que a vida útil da infância e da adolescência ali é muito curta.

       Outra atitude dos alunos, é a violência entre eles próprios e as ameaças aos professores. Meninos armam-se da faca e estiletes, e ameaçam professores na maior tranqüilidade. Ser preso dá status aos garotos. Eles trazem da prisão o aprendizado que não tinham da violência e as experiências que ouviram e aplicam assim que voltam.

     Aqui entram duas considerações diretamente ligadas à raiz da violência urbana:

1 - as creches públicas são poucas, mal aparelhadas e atendem a quase nada da demanda quando se compara que 58,8%(dados do IBGE-2006) dos lares cuiabanos são dirigidos por mulheres, cuja maioria é pobre e trabalha para sustentar a família. Creche deveria ser prioridade social à luz da segurança;

2 - o Brasil é o único país nas Américas, cuja escola fundamental e do ensino médio não funciona em horário integral. A escola ensinaria as letras e teria o tempo necessário para ensinar valores, cidadania, dar preparo para a vida. O aluno fica quatro horas na escola, e o resto do tempo na rua onde acaba se envolvendo com situações de risco.

      Como se vê, somando-se a falta de oportunidades nos bairros, a violência nasce muito cedo. Ele recruta desde a tenra infância e constrói uma cultura de permissividade que deságua na delinqüência infanto-juvenil e adulta, cada vez mais violenta e sem princípios. Como exigir que esses jovens marginalizados, uma vez marginais, respeitem valores como a vida, a propriedade, o conceito de sociedade? Eles não têm a mínima obrigação de serem decentes aos olhos da sociedade que os transforma no que se tornam. A raiz da violência é social. Não é policial! O assunto continuará na terça-feira, dia 9.



* ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Viúva de Adriano disputa em Cáceres

anelise silva 400 curtinha   Anelise Silva (foto), viúva do ex-reitor da Unemat e ex-deputado Adriano Silva, lançou pré-candidatura à prefeita de Cáceres pelo DEM do governador Mauro. Ela enfatiza que sofre a dor da perda e que decidiu entrar no páreo para dar continuidade ao projeto de Adriano de...

Vereador tenta barra compra de cestas

diego guimaraes 400 curtinha   O vereador pela Capital, Diego Guimarães (foto), denunciou junto à Ouvidoria do TCE o que definiu como irregular a aquisição, com dispensa de licitação, de cinco mil cestas básicas de alimentos pela secretaria municipal de Assistência Social e Desenvolvimento...

Apresentador de TV luta contra Covid

alexandre mota 400 curtinha   Alexandre Mota (foto), apresentador desde abril do programa de variedades Balanço Geral, da TV Vila Real de Cuiabá (Record), está internado na UTI do hospital São Mateus. É mais uma vítima diagnosticada com Covid-19. O seu quadro clínico se agravou. O pulmão...

Campanha une as primeiras-damas

virginia mendes 400 curtinha   As primeiras-damas Virginia Mendes (foto) e Michelle Bolsonaro, de MT e do país, respectivamente, têm mantido um relacionamento bem estreito no desenvolvimento de projetos e ações sociais. No final de abril, Michelle postou um elogio e divulgou, na sua conta do Instagram, a campanha de...

Se EP recuar, PV lança Stopa a prefeito

justino malheiros 400 curtinha   O ex-presidente da Câmara de Cuiabá e membro do diretório municipal do PV, vereador Justino Malheiros (foto), disse nesta segunda que o partido estará com o prefeito Emanuel Pinheiro até o último momento, apostando no projeto de reeleição do emedebista. Mas,...

Disputa a prefeito e apoio de Sachetti

 luizao_curtinha400   O empresário Luiz Homem de Carvalho, o Luizão (foto), ex-presidente da CDL de Rondonópolis, está mesmo determinado a encarar, pela primeira vez, o teste das urnas para prefeito. E inicia uma oposição dura à gestão Zé do Pátio, que buscará a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.