Últimas

Sábado, 06 de Janeiro de 2007, 01h:15 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Chocadeiras da violência (2)

     O jornalista Onofre Ribeiro faz algumas considerações diretamente ligadas à raiz da violência urbana. Confira no artigo publicado no Diário de Cuiabá neste sábado (6) e reproduzido abaixo. 
   

      Uma vez compreendidas as causas da origem social dos problemas geradores da violência urbana no Brasil, é preciso traçar o exato momento em que se romperam os vínculos entre dos valores coletivos. Para isso, vou relatar um fato que ouvi da boca de duas professoras cuiabanas, de uma escola no bairro Jardim Industriário, na região do Coxipó. Ele é especialmente didático porque pode ser aplicado a qualquer região do Brasil, principalmente nas médias e grandes cidades.

        Na escola elas convivem com alunos que vêm das camadas mais pobres do bairro, que é periférico da capital. São crianças filhas de mães separadas e raramente o companheiro da mãe é o pai. Então, existe o descompromisso paternal, somando à violência contra a mãe e contra os filhos, o álcool como pano de fundo para piorar as relações. E o pior é a promiscuidade. Dormem quase todos espalhados pelo chão, facilitando ligações incestuosas.

      Com essa cultura, as crianças chegam à escola onde deságuam todas as suas frustrações no grupo. Tornam-se agressivas na força do conjunto e exercem uma liberdade exagerada. As meninas adoram ser chamadas de “galinhas” porque lhes dá prestígio entre os meninos. A gravidez dá status, mas a responsabilidade com o filho é jogada nas costas da mãe, já sobrecarregada. Eles percebem que a vida útil da infância e da adolescência ali é muito curta.

       Outra atitude dos alunos, é a violência entre eles próprios e as ameaças aos professores. Meninos armam-se da faca e estiletes, e ameaçam professores na maior tranqüilidade. Ser preso dá status aos garotos. Eles trazem da prisão o aprendizado que não tinham da violência e as experiências que ouviram e aplicam assim que voltam.

     Aqui entram duas considerações diretamente ligadas à raiz da violência urbana:

1 - as creches públicas são poucas, mal aparelhadas e atendem a quase nada da demanda quando se compara que 58,8%(dados do IBGE-2006) dos lares cuiabanos são dirigidos por mulheres, cuja maioria é pobre e trabalha para sustentar a família. Creche deveria ser prioridade social à luz da segurança;

2 - o Brasil é o único país nas Américas, cuja escola fundamental e do ensino médio não funciona em horário integral. A escola ensinaria as letras e teria o tempo necessário para ensinar valores, cidadania, dar preparo para a vida. O aluno fica quatro horas na escola, e o resto do tempo na rua onde acaba se envolvendo com situações de risco.

      Como se vê, somando-se a falta de oportunidades nos bairros, a violência nasce muito cedo. Ele recruta desde a tenra infância e constrói uma cultura de permissividade que deságua na delinqüência infanto-juvenil e adulta, cada vez mais violenta e sem princípios. Como exigir que esses jovens marginalizados, uma vez marginais, respeitem valores como a vida, a propriedade, o conceito de sociedade? Eles não têm a mínima obrigação de serem decentes aos olhos da sociedade que os transforma no que se tornam. A raiz da violência é social. Não é policial! O assunto continuará na terça-feira, dia 9.



* ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sema reabre os parques em Cuiabá

mauren lazzaretti sema 400   Fechados desde 1º de abril, em obediência às regras de decreto municipal, que suspendiam as atividades coletivas, os parques estaduais urbanos de Cuiabá reabrem nesta segunda (19) para utilização pelo público. Será possível acessar as tradicionais trilhas...

Pilha em Jayme pra disputar o Governo

jayme campos 400   Mesmo sabendo que Jayme Campos (foto) não entra em disputa onde percebe dificuldades para vencê-la e militando no mesmo partido de Mauro Mendes, o DEM, algumas lideranças políticas têm instigado o senador a se lançar ao governo estadual. Para tentar convencer Jayme, lançam...

Scheila assume APDM e cita projetos

scheila pedroso 400   Esposa do prefeito sinopense Roberto Dorner, Scheila Pedroso (foto), primeira-dama e secretária municipal de Assistência Social, passa a tocar, pelos próximos dois anos, a Associação para o Desenvolvimento Social dos Municípios de MT (APDM/MT). Ela promete juntar força com os...

Prefeito de Araputanga negocia praça

enilson rios prefeito 400 araputanga   O prefeito de Araputanga, Enilson Rios (foto), que ganhou as eleições do ano passado por uma diferença de apenas 56 votos sobre Joel Martins, com placar de 3.492 a 3.436, está no centro de uma polêmica. Ele aceitou uma proposta do Sicredi para utilização de um...

Barra recebe R$ 1,9 mi pra bancar UTIs

adison gon�alves 400   Em Barra do Garças, com 61 mil habitantes e 5.929 casos confirmados de Covid-19, inclusive com 207 mortes, incluindo 26 óbitos de indígenas em consequência da doença, o prefeito Adilson Gonçalves (foto) abriu crédito suplementar no orçamento de R$ 1,9...

De MT para USP; governo comemora

gabriel usp ribeiraozinho 400   O governador Mauro Mendes comemorou o fato do estudante Gabriel Rodrigues Ribeiro (foto), de 18 anos, morador de Ribeirãozinho, município mato-grossense com menos de três mil habitantes, ter conseguido ingresso no curso de medicina da USP, considerada a melhor universidade do país. Aos 18...