Últimas

Quarta-Feira, 04 de Abril de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Coisas do cotidiano

   Neste artigo, o jornalista Kleber Lima discorre sobre a cidade, sua modernidade, cotidiano e contraste. Confira abaixo.

     A cidade é uma invenção que marca em definitivo a modernidade. As cidades nem sempre foram como as conhecemos hoje. Já foram meros burgos - concentração de pessoas voltadas para o comércio e o trabalho. Hoje as cidades são modernas, com luz elétrica, sistemas de saneamento, arranha-céu, viadutos, ruas asfaltadas, shoppings centers, e principalmente com inúmeros centros de convivência de todas as tribos. As cidades de hoje são, sobretudo, isso: um ambiente de convivência social.
       Apesar da evolução do conceito de cidade, ainda vivemos em alguns aspectos seu lado província, onde todos se conhecem pelo nome, e onde a fofoca e o paroquialismo predominam.
      Trago três exemplos desse contraste da cidade moderna x burgo em nosso quotidiano de hoje em Cuiabá.
       O primeiro é o caso do requerimento de visita íntima feito pelo detento João Arcanjo Ribeiro, o Comendador. O fato foi imediatamente transformado em bizarro espetáculo, com a exposição da intimidade do preso, e também da sua "esposa" aqui fora. Apareceram especialistas em tudo para sustentar a tese de que a visita íntima se constituiria num privilégio sem tamanho. Não adiantou o contrato de união estável, válido para todo tipo de outra circunstância, já que há uma predisposição na opinião pública de condenar o comendador por tudo, negando-lhe, inclusive, aquilo a que tenha, eventualmente, direito líquido e certo.
      É verdade que eu deveria estar me ocupando dos cidadãos de bem, diria a consciência do senso comum. Mas é essa "consciência" do senso comum - uma falsa consciência na verdade, por estar eivada de preconceitos e deformações -, em geral a maior responsável pelas tiranias e distorções da realidade.
       O segundo é o triste caso daquela criança supostamente assassinada pela própria mãe no CPA. O senso comum fez várias vítimas, além da criança. O sistema de saúde do município foi a primeira. Depois, os filhos da babá e a própria. Até que finalmente houve a confissão da mãe. Apesar de que, à luz do direito, a simples confissão não a torna culpada de nada. Essa proclamação de culpa cabe a um tribunal. Mas o igualmente triste e lamentável na nossa cidade-província foi a nossa sanha de encontrar um culpado a qualquer custo, mesmo que isso tornasse vítimas pessoas inocentes.
    Finalmente, vejo outdoors espalhados pela cidade com o seguinte enunciado: a crise no sistema de saúde de Cuiabá não é culpa dos médicos.
     Ora, o médico é essencial ao sistema de saúde. Sem ele, não haveria sistema de saúde. É dele, portanto, a maior parte da responsabilidade, sim. Sobretudo levando-se em conta sua condição de líder nato do sistema, cabendo-lhe, em primeira e última instância, o bem estar do paciente.
     Não digo que é sua culpa. É preciso distinguir culpa de responsabilidade. A política de saúde é falha, se é que há de fato uma "política" de saúde. Os recursos, em muitos casos, são insuficientes. Mas, é fato também que o descompromisso com a saúde pública grassa em todo o sistema, do atendente, que atende mal, ao médico, que também tapeia o sistema, fechando a porta do consultório da rede pública para dormir de madrugada, enquanto as pessoas carentes aguardam nas filas ao relento; ou se utilizando do SUS apenas como porta de entrada para seus hospitais e consultórios particulares.
    Logo, não dá para negar a responsabilidade dos médicos quanto ao estado da saúde pública. E, nesse sentido, foi providencial a campanha de outdoors, ao menos para chamar a atenção da sociedade para definir o grau de responsabilidade de cada agente do sistema, de cada dirigente público, e também a dos cidadãos.
     Se bem que acho que no fundo isso já seria pedir demais. Talvez o melhor mesmo fosse colocarmos vidros cada vez mais escuros em nossos carros, ou nos fingir de cegos, para os que andam a pé, para não enxergar determinadas cenas do cotidiano citadino moderno, já que voltar aos burgos, simplesmente, não é mais possível.

Kleber Lima é jornalista pós-graduado em marketing (kleberlima@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

DEM, bate-cabeça e plano B frustrado

fabinho garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal e empresário Fábio Garcia (foto) acabou deixando o DEM órfão de candidatura a prefeito da Capital. Numa conversa com o governador Mauro, seu padrinho político, Fabinho o assegurou que iria sim disputar o Palácio Alencastro, mesmo pedindo trégua por...

Mauro sofre 2 derrotas para Emanuel

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto), principal estrela do DEM em MT, acabou amargando duas derrotas em Cuiabá para o prefeito Emanuel, neste ano, embora não tenha sido candidato nas urnas. Em princípio, buscou candidatura própria com o seu partido, mas todos os nomes possíveis, como de Gilberto, Gallo,...

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

MAIS LIDAS