Últimas

Sexta-Feira, 25 de Maio de 2007, 09h:44 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Colarinhos brancos à solta

     A corrupção sempre esteve presente na história brasileira, desde a chegada dos europeus por aqui até os dias atuais, e, pelo "andar da carruagem", tudo indica que continuará a ocupar muitas de suas páginas, construindo longos capítulos de dilapidação do patrimônio nacional. Cada vez mais, e isso é evidente, cresce o montante dos valores desviados; com os bandos de "colarinhos brancos" quase sempre a utilizarem-se da mesma tática e estratégica para arrombar o já vulnerável cofre público, retirando dele o dinheiro que bem poderia ser investido em setores da administração com enormes dificuldades e carências, tais como a educação escolarizada, saúde e segurança dos brasileiros.
     Situação complicada. Agravada dia-a-dia, o que prende o país nas primeiras colocações entre os Estados mais desiguais. E isso, não há dúvidas, aumenta as desesperanças da população que, diga-se de passagem, até por conta do baixo rendimento dos Parlamentos, também alimenta a descrença em seus representantes. Não é para menos, pois em todas as falcatruas ou ações de corrupção, do presente e do pretérito, políticos aparecem na lista dos denunciados. Vários deles costumam marcar presença em mais de uma, levando como recompensas boladas cada vez maiores. Nesse sentido, os pegos na "Operação Navalha" não se diferencia dos chamados "sanguessugas"; e estes, tampouco, se mostram distintos dos "vampiros dos medicamentos"; pois todos dilapidam o bem público, via orçamento da União, tal como fizeram os "anões", pegos por uma CPI de 1993, e continuarão a fazer em períodos posteriores a esta última, assim como estiveram presentes em falcatruas registradas anteriormente muitas "aves de rapina" ainda desconhecidas pela Polícia Federal.
     Não se quer dizer com isso que essa corporação policial é incompetente. Nada disso. Ninguém pode, nem tem razão em duvidar de sua capacidade investigativa, pois ela conta com um aparato tecnológico adequado e agentes muitíssimos habilidosos no trato com o objeto investigado. Contudo, valem observar, alguns de seus relatórios divulgados levantam suspeitas, pois trazem resultados pífios. Um exemplo destes, e isso é oportuno relembrar, é o "desconhecimento da origem do dinheiro" destinado ao pagamento do dossiê contra tucanos em 2006, quando se sabe que ela, a Polícia Federal, saberia desvendar o tal "mistério do dinheiro" no máximo em três horas, até pela sua potencialidade investigativa.
     Trata-se, portanto, ou pelo menos se deduz, que há privilegiados mesmo em uma "Operação Navalha" destinada a "cortar" inclusive quem se "enterra nas marés baixas", ou seja, sob o manto do cargo ocupado e de suas prerrogativas. Contrariando, assim, o preceito constitucional que iguala a todos diante da lei. Aliás, próprio do sistema democrático, no qual é inadmissível a figura do cidadão especial. A menos que se esteja em uma democracia de faz-de-conta, sustentada pelo alicerce de uma "república de bananas", onde não há limites entre o público e o privado, com aquele primeiro sendo utilizado como extensão deste último. Metamorfose em que vale tudo para o usufruto desse processo de dilapidação do Estado. Leva mais quem pode com a carga desejada, sem arcar com conseqüência alguma, pois o desviar dinheiro público não é tão arriscado assim. Mesmo porque se vive sob o signo da máxima de que "a polícia prende e a Justiça solta". O fundo da realidade, aqui, torna-se verdade por inteira, quando o preso é alguém influente, sobretudo com a prerrogativa de foro privilegiado, uma vez que jamais se viu o STF condenar uma única alma. Institucionalizando-se, então, a impunidade.

Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Candidato a reitor e 2 apoios fortes

dimorvan rui 400   O candidato de oposição a reitor do IFMT, Deiver Teixeira, recebeu dois apoios importantes. As manifestações de adesão à candidatura vieram dos professores Ruy Oliveira e Dimorvan Brescancim. Ruy foi candidato a reitor nos últimos dois pleitos e é um pesquisador...

Abílio e Medeiros rejeitam Fernanda

coronel fernanda 400 curtinha   Abílio Júnior e o deputado José Medeiros, presidente do Pode-MT e que foi derrotado para senador, querem distância da coronel Rubia Fernanda (foto) da campanha neste segundo turno em Cuiabá. Nos bastidores, comentam que não precisam da militar filiada ao Patriota e que ficou...

Com maioria na Câmara de Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   A prefeita eleita de Cáceres Eliene Liberato (foto), que conquistou 15.881 votos (38,16% dos válidos), terá apoio da maioria dos 15 vereadores. Destes, oito garantiram cadeira pela coligação da própria Eliene, o que representa 53%. As duas maiores bancadas são do PSB de...

Gamba quer Tuti presidindo a Câmara

tuti 400 alta floresta curtinha   O prefeito eleito de Alta Floresta, Chico Gamba (PSDB), tem se articulado para eleger presidente da Câmara o vereador reeleito do seu partido, Oslen Dias dos Santos, o Tuti (foto), que obteve a segunda maior votação, com 814 votos. Na tentativa de convencer os novos integrantes da próxima...

Várzea Grande paga a folha já na 6ª

lucimar campos 400   A prefeita várzea-grandense Lucimar Campos, prestes a concluir o segundo mandato, anunciou que na sexta, a três dias de fechar o mês, conclui o pagamento da folha de novembro. E, nesta quarta (25), já libera a diferença da correção do piso federal para os professores. No total...

Críticas à busca do poder pelo poder

marcia pinheiro 400   Em um ato realizado na praça Alencastro, nesta segunda à noite, a primeira-dama de Cuiabá Marcia Pinheiro disparou críticas aos adversários do prefeito Emanuel, que busca a reeleição. Segundo ela, as alianças formadas por Abílio neste segundo turno são...

MAIS LIDAS