Últimas

Segunda-Feira, 19 de Maio de 2008, 19h:35 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:20

EXECUTIVO

Com restrições, Maggi prevê "quebradeira geral"

   
Ministro Reinold Stephanes discursa em solenidade em Cuiabá e recebe recado do governador Maggi endereçado a Lula 
Foto: Ednilson Aguiar/Secom

 O governador Blairo Maggi aproveitou a presença do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinold Stephanes, de senadores e deputados federais na assinatura do acordo de cooperação federativa para definir a aplicação dos recursos do programa Territórios da Cidadania, nesta segunda no MT Regional, para pedir ajuda ao governo federal e à bancada mato-grossense. Ele implorou por medidas que ajudem a reduzir as restrições ambientais. Teme que o Estado sofra com uma crise de produção agrícola e fez um apelo: “Precisamos evoluir aqui no Estado quanto às restrições. Mato Grosso não deveria ser alvo de críticas nas questões ambientais. Deveria, sim, receber elogios pelo que fez até hoje”, diz o governador.

   Ele considera que as declarações da ex-ministra Marina Silva e do seu sucessor, Carlos Minc, que não foi empossado ainda, advêm de preconceito contra o Estado. Segundo Marina, Maggi vem trabalhando para “derrubar” a resolução do Conselho Monetário Nacional que obriga o sistema financeiro a exigir, já a partir de 1º de julho, licenciamento ambiental como condição para o crédito rural na Amazônia. Ao lado do ministro Stephanes, Maggi pediu que este leve todo o descontentamento dos produtores do Estado para o governo federal. O governador entende que sofre pressão de uma maneira desnecessária e injusta. “Estamos preocupados (setor produtivo nos 19 municípios de MT que sofreram restrições). Fomos pegos de surpresa. Não podemos sofrer mais por conta das críticas anteriores que vieram da ministra e do preconceito que o futuro ministro tem por Mato Grosso”.

    Mais uma vez o governador apresentou dados que rebatem as notícias de que o Estado é um dos que mais desmatam. Disse que de 98 até agora 14% do território estadual foi desmatado e avalia que esses números devem ser levados em consideração pelo Ministério do Meio Ambiente. “Admitimos que desmatamos, mas bem menos que antes de 98, quando o desmate chegou a 34%”, defende o governador.

  Destaca que o Estado não tem a mínima condição de liberar licenciamento ambiental a todas as propriedades até 1º de julho. “A Sema não tem a mínima condição de licenciar todas as propriedades do Estado. Para isso, Mato Grosso levaria de 10 a 15 anos”. Por conta do prazo do governo, Maggi faz uma previsão negativa para o setor produtivo e também para os gestores do Estado. Ele alerta que os municípios vão perder em arrecadação e que uma crise no setor de alimentos pode atingir o país. “Sem licenças, quem vai conseguir produzir?. Tudo pode ficar muito mais caro. Os fertilizantes passaram de US$ 200 a tonelada para US$ 800 a tonelada”, declara. “Estamos muito perto de uma quebradeira geral", completa.

   Reação

   Reinold Stephanes concorda com a preocupação do governador mato-grossense e diz que a situação é ainda mais grave do que a relatada por Maggi, se considerar que 96% das propriedades estão localizadas em área de cerrado, mas que foram incluídas no bioma Amazônia. Maggi se mostra preocupado com o modo em que o novo ministro do Meio Ambiente vai lidar com as questões do Estado. Ele não avalia o perfil de Minc, pois não o conhece.  "Espero que o novo ministro possa abrir espaço para que possamos conversar sobre nossas necessidades. Agora, se isso vai ser fácil não posso dizer. Eu não o conheço e provavelmente sua equipe vai mudar", destaca. (Simone Alves)

Postar um novo comentário

Comentários (16)

  • Reginaldo Garcia | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    É cada vez mais preocupante a questão ambiental no Estado de Mato grosso.Em primeiro lugar é preciso ver até onde este setor que se diz produtivo quer chegar(acho que sei a resposta),outra preocupação é o tratamento dado ao CERRADO na visão deste povo este o bioma e de menor valor portanto deve ser destruido assim tambem deve ser na visão destas pessoas o Pantanal.Já falei aqui outra vez estes que se diz produtores são na verdade extratores e só sabem trabalhar com dinheiro do goverrno que por sinal é da população.

  • roberto | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Nao afrouxa governador o ministro, o lula e sua cambada devem comer cerrado, capim rabo de burro, mandiocao, enfim pastar no cerrado, é uma vergonha do jeito q tao tratando o agricultor matogrossense, nós somos brasileiros e estamos produzindo alimenyos pra estes burocratas q ficam lá em brasilia, nos gabinetes. Vamos fazer uma silagem de cerrado para eles> Dále maggi vai pra cima.

  • Gilmar | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Lula deve estar arrependido de colar Marina na geladeira, o novo Ministro esta colocando o Presidente numa saia justa, até quando Maggi continua amiguinho de Lula?

  • Antonio Etico R. Silva | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O que é mais preocupante de tudo isso, é para nós que ficamos aqui, pois o Maggi é passageiro no Estado, inclusive grande parte de suas plantações e a de seus parentes são em áreas arrendadas, portanto, como diz voces cuiabanos, no caso dos cajús, xupa-xupa-despôs-joga-fora.
    Vamos ajudar a Plantar, bota esses cuiabanos prá- catar-raiz.

  • Pedro Dias da Silva | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Cáceres está no meio desse dilema. Há muito nossa região foi desmatada ...e os produtores atuais sofrem com esse desgaste. é preciso avaliar melhor.Por que não coloca o credito de carbono em pratica?

  • Vanuza Martins | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Maggi precisa de ajuda para implantar ações de compensação ambiental como ele já propôs. Mas ele só vai mostrar o quanto quer trabalhar quando tirar Daldegan da Sema. Esse secretário é um encosto. Ele finge que conhece o meio ambiente. Pode ser competente pra muita coisa, não pra ficar à frente da Sema. Não tem postura de um secretário. Basta ir em busca dos TACs e vai ver o quanto o Estado perde com a flexibilidade aos produtores que pensam que podem comprar e sujam o nome da maioria.

  • Cuiabano | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Cerrado também é bioma. E deve ser tratado como tal.

  • carlos águia | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Sabe estou achando que poderemos, pegar nossa mochila e ir embora do mato grosso, porque nao teremos mais pais,mas ao mesmo tempo faço uma pergunta pra onde iremos, se foi pra MT, que muito tempo viemos construindo nossas vidas,suor e sofrimento, nao existia estradas, nem tel.agora teremos que abandonar tudo, so por causa de um partido podre, que vem amendrontando o paiz, sera que o povo ainda quer eleger alguem desse partido...chegaaaaaaaa??????

  • Jovaine | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    É Antônio Ético, você tem razão. O Cuiabano xupa-xupa-xupa e depois joga fora. Só que os gauchos xupa-xupa-xupa e depois engole. Quem deve catar raiz são os gauchos que devem gostar muito delas como por exemplo: mandioca, nabo, cenoura e por aí vai.

  • CARLOS ROBERTO | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    ACOMPANHEI A VISITA DO MINISTRO REINOLD, E A SITUAÇÃO É GRAVE, BLAIRO FALOU O QUE TINHA QUE FALAR, MAS O MINISTRO PEDIU NOVAMENTE A PALAVRA, E DEIXOU CLARO QUE MUITA GENTE VAI QUEBRAR POR ESSE MATO GROSSO AFÓRA.!!

Efeito-Covid adia vinda de Michelle

michelle bolsonaro A primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro, e a secretária da Mulher, Luciana Zamproni, resolveram transferir para abril a agenda de 11 de março que teria como convidada a secretária nacional de Mulheres, do Ministério dos Direitos Humanos, Cristiane Britto e a primeira-dama do Brasil Michelle...

Governador entre a cruz e a espada

mauro mendes curtinha   Às vésperas da pandemia completar 1 ano em MT, o Estado vive o seu pior momento e o governador Mauro Mendes (foto) enfrenta uma verdadeira prova de fogo: liderar ações coordenadas em todo o território mato-grossense para evitar que o Estado viva cenas parecidas com as de Manaus e de Estados...

Câmara volta a realizar 2 sessões

juca 400 curtinha   A Câmara de Cuiabá, sob a presidência do vereador Juca do Guaraná Filho (foto), volta a realizar duas sessões semanais, nas terças e quintas. Por conta da pandemia, as sessões serão remotas. A resolução foi aprovada por unanimidade pelos parlamentares que vinham...

Coronel linha dura morre ao 91 anos

Coronel Abid 400   Morreu   em Campo Grande (MS), aos 91 anos,  o coronel da PM aposentado Adib Massad (foto), considerado  um dos principais nomes  da Segurança Pública de Mato Grosso na década de 1970. À época, ainda com a patente de  tenente, foi comandante regional...

Mauro e vitórias na briga de decretos

orlando perri 400 curtinha   A estratégia do governador Mauro Mendes de articular com os Poderes a edição do decreto de toque de recolher vem dando frutos. O governo publicou decreto impondo toque de recolher das 21h às 5h, com fechamento do comércio às 19h. O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro,...

Prefeito é intubado e pode ir para SP

Prefeito de Tapurah Carlos Alberto Capeletti   É grave o quadro de saúde do prefeito de Tapurah (432 km de Cuiabá), Carlos Alberto Capeletti (PSD). Após piora, ele precisou ser intubado nesta quinta (4). Foi internado na terça (2), após testar positivo para Covid-19, em uma UTI no Hospital 13 de Maio, em...