Últimas

Domingo, 07 de Janeiro de 2007, 06h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Conceder ou não a água em Cuiabá?

   Em artigo neste domingo (7) no Diário de Cuiabá, o jornalista Onofre Ribeiro comenta sobre a concessão da Sanecap. Confira a seguir.


     Acabei interessando-me por essa discussão em torno da concessão da Cia. de Saneamento da Capital – Sanecap. Quando mudei-me para Cuiabá, há exatos 30 anos, o governo federal, através de um programa chamado Planasa (Plano Nacional de Saneamento), investiu pesado na capital, até então uma pequena cidade com menos de 100 mil habitantes. A cidade pôde crescer com expansões de redes e de captações.

    Hoje Cuiabá passa de 600 mil habitantes e a situação é caótica. Nunca mais se investiu em abastecimento de água, exceto para atender aos mais de 200 bairros novos que surgiram no entorno do centro, a maioria “grilos” e invasões distantes entre si, mas servidos por longas redes que custam muito caro.

    Há duas semanas o prefeito Wilson Santos convidou jornalistas para um café da manhã onde se discutiu a concessão da Sanecap à iniciativa privada, mediante licitação. A apresentação de números sobre a saúde da empresa atual é alarmante. Mas o que mais me chamou a atenção vai além dos números. 

    Já não é mais possível construir conjuntos habitacionais, bairros novos e nem condomínios que dependam de água pública. Não há disponibilidade nas captações atuais para mais nada. O prefeito lembrou que o governador Blairo Maggi quer construir conjuntos habitacionais populares em Cuiabá, mas não poderá fazê-lo porque não haverá disponibilidade de água. Do mesmo modo, grandes prédios residenciais ou comerciais estarão impedidos porque também faltará água.

    Gostaria de lembrar que em 1995, a energia elétrica no estado estava assim. Em cidades como Barra do Garças, o cliente da Cemat precisava consultar antes para saber se haveria energia elétrica suficiente para ligar um aparelho de ar condicionado. Resolvida a questão da energia com a privatização da Cemat, esses absurdos são lembranças do passado.

    Assim, se colocam exemplos. Campo Grande optou pela concessão e em cinco anos a cidade resolveu sua questão de água e de saneamento. No caso de Cuiabá, os investimentos estimados pela UFMT seriam de R$ 300 milhões em 30 anos. A empresa calcula em R$ 500 milhões. Esse dinheiro não existe. A empresa não é deficitária, mas tem dívidas pesadas e custos crescentes.

    Contra a concessão levantam-se vozes na contramão da atualidade mundial. Porém, parece-me que são vozes políticas sem discurso, em busca de alguma evidência eleitoral. São vereadores de poucos votos e ensaios de parlamentares estaduais de pouca expressão política. Temas como esse dão boas discussões e prometem votos. Como se vende até a alma por meia dúzia de votos, a chance é ótima para políticos populistas.

    Por fim, além da solução moderna ao problema de abastecimento, como se fez há 30 anos, a concessão da Sanecap garantiria, segundo o prefeito as tarifas sociais e econômicas, a questão ambiental e os investimentos necessários.
 
   Fico imaginando: se a privatização da Cemat produziu um salto de qualidade e de investimentos no estado, por que não tentar com a água? Desde que haja transparência, impedir isso seria andar para trás e acumular problemas para o futuro e arranjar temas para novos discursos velhos.

* ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Elogios à gestão proba Mauro Mendes

marcelo oliveira 400 curtinha   O secretário de Estado Marcelo de Oliveira (Infraestrutura e Logística), Marcelo de Oliveira (foto), fez questão de destacar nesta quarta, em entrevista ao vivo ao RDTV, tv web do portal Rdnews, que o governador Mauro Mendes tem se empenhado ao máximo para fazer uma boa gestão,...

2 frentes do MDB e apostas em Cuiabá

gustavo padilha 400 curtinha   O MDB vive uma situação curiosa em Cuiabá. Embora no comando da prefeitura, com Emanuel Pinheiro, o partido só conseguiu reconquistar cadeira na Câmara há três meses, com a filiação de Juca do Guaraná, aproveitando a janela partidária. Em 2016,...

Opositores ganham força em Barra

adilson gon�alves 400 curtinha   Grupos de oposição estão ganhando "musculatura" em Barra do Garças, numa expectativa otimista de derrotar o candidato apoiado pelo prefeito Beto Farias (MDB), o atual vice Wellington Marcos, que está filiado ao DEM. Wellington é considerado nome "pesado"...

Cuiabá já conta com 10 "prefeitáveis"

paulo grando 400 curtinha novo   Dez partidos já possuem um ou mais pré-candidatos a prefeito de Cuiabá. E a "inflação" de nomes tende a aumentar empurrada pela necessidade de sobrevivência dessas legendas, que, lançando nome à majoritária, ajudam seus candidatos a vereador na busca por...

Apoio de Bolsonaro é aposta de França

roberto franca 400 curtinha   Roberto França (foto) segue cheio de esperanças do apoio de Bolsonaro a seu nome como pré-candidato a prefeito de Cuiabá. Entre o sim e o não, preferiu seguir o calendário eleitoral e se afastar da apresentação do seu tradicional programa de TV Resumo do Dia, de...

Adin contra nomeação em Cáceres

angelo audicom 400 curtinha   Presidida por Ângelo Silva de Oliveira (foto), a Audicom-MT, entidade que congrega auditores e controladores internos dos municípios do Estado, ingressou com Adin no Tribunal de Justiça, pleiteando liminar para, assim como ocorreu em Rondonópolis, também derrubar uma lei em vigor...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.