Últimas

Domingo, 07 de Janeiro de 2007, 06h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Conceder ou não a água em Cuiabá?

   Em artigo neste domingo (7) no Diário de Cuiabá, o jornalista Onofre Ribeiro comenta sobre a concessão da Sanecap. Confira a seguir.


     Acabei interessando-me por essa discussão em torno da concessão da Cia. de Saneamento da Capital – Sanecap. Quando mudei-me para Cuiabá, há exatos 30 anos, o governo federal, através de um programa chamado Planasa (Plano Nacional de Saneamento), investiu pesado na capital, até então uma pequena cidade com menos de 100 mil habitantes. A cidade pôde crescer com expansões de redes e de captações.

    Hoje Cuiabá passa de 600 mil habitantes e a situação é caótica. Nunca mais se investiu em abastecimento de água, exceto para atender aos mais de 200 bairros novos que surgiram no entorno do centro, a maioria “grilos” e invasões distantes entre si, mas servidos por longas redes que custam muito caro.

    Há duas semanas o prefeito Wilson Santos convidou jornalistas para um café da manhã onde se discutiu a concessão da Sanecap à iniciativa privada, mediante licitação. A apresentação de números sobre a saúde da empresa atual é alarmante. Mas o que mais me chamou a atenção vai além dos números. 

    Já não é mais possível construir conjuntos habitacionais, bairros novos e nem condomínios que dependam de água pública. Não há disponibilidade nas captações atuais para mais nada. O prefeito lembrou que o governador Blairo Maggi quer construir conjuntos habitacionais populares em Cuiabá, mas não poderá fazê-lo porque não haverá disponibilidade de água. Do mesmo modo, grandes prédios residenciais ou comerciais estarão impedidos porque também faltará água.

    Gostaria de lembrar que em 1995, a energia elétrica no estado estava assim. Em cidades como Barra do Garças, o cliente da Cemat precisava consultar antes para saber se haveria energia elétrica suficiente para ligar um aparelho de ar condicionado. Resolvida a questão da energia com a privatização da Cemat, esses absurdos são lembranças do passado.

    Assim, se colocam exemplos. Campo Grande optou pela concessão e em cinco anos a cidade resolveu sua questão de água e de saneamento. No caso de Cuiabá, os investimentos estimados pela UFMT seriam de R$ 300 milhões em 30 anos. A empresa calcula em R$ 500 milhões. Esse dinheiro não existe. A empresa não é deficitária, mas tem dívidas pesadas e custos crescentes.

    Contra a concessão levantam-se vozes na contramão da atualidade mundial. Porém, parece-me que são vozes políticas sem discurso, em busca de alguma evidência eleitoral. São vereadores de poucos votos e ensaios de parlamentares estaduais de pouca expressão política. Temas como esse dão boas discussões e prometem votos. Como se vende até a alma por meia dúzia de votos, a chance é ótima para políticos populistas.

    Por fim, além da solução moderna ao problema de abastecimento, como se fez há 30 anos, a concessão da Sanecap garantiria, segundo o prefeito as tarifas sociais e econômicas, a questão ambiental e os investimentos necessários.
 
   Fico imaginando: se a privatização da Cemat produziu um salto de qualidade e de investimentos no estado, por que não tentar com a água? Desde que haja transparência, impedir isso seria andar para trás e acumular problemas para o futuro e arranjar temas para novos discursos velhos.

* ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM consulta sobre regras ao Senado

julio campos 400 curtinha   Atendendo orientação da Nacional do DEM, na luta para ampliar bancada no Congresso, o diretório regional do partido vai apostar todas as fichas na disputa suplementar ao Senado. E, antes de avançar na definição de nome, o partido decidiu encaminhar consulta ao TSE para saber se...

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

Disputa em Sinop e vaga na Câmara

juarez costa 400 curtinha   O deputado federal Juarez Costa (foto) tem espalhado que será candidato a prefeito de Sinop, posto já ocupado por ele por dois mandatos. No fundo, o emedebista espera que Rosana Martinelli (PL), que foi sua vice e depois se elegeu prefeita nas urnas de 2016, desista do projeto de reeleição...

Francis forçando a barra ao Senado

francis maris 400 curtinha   Francis Maris (foto), empresário e prefeito de Cáceres, é mesmo corajoso. Ele anunciou que vai reunir colegas prefeitos da região Oeste para discutir a ideia de entrar na disputa ao Senado, na eleição suplementar para a vaga de Selma, cassada esta semana. Francis se acha "o...

Sindal repudia postura de "indicado"

O presidente do Sindal Jovanildo da Silva se diz traído por Osmar Capilé, representante dos segurados da AL e que exerce cargo de diretor dos Aposentados, que votou favorável a nova alíquota de 14% no Conselho da Previdência. O apoio ao aumento da cobrança gerou revolta entre os servidores do Legislativo, que partiram para cima de Jovanildo cobrando explicações. Em nota de repúdio, o sindicato, que o indicou como representante no...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.