Últimas

Domingo, 07 de Janeiro de 2007, 06h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Conceder ou não a água em Cuiabá?

   Em artigo neste domingo (7) no Diário de Cuiabá, o jornalista Onofre Ribeiro comenta sobre a concessão da Sanecap. Confira a seguir.


     Acabei interessando-me por essa discussão em torno da concessão da Cia. de Saneamento da Capital – Sanecap. Quando mudei-me para Cuiabá, há exatos 30 anos, o governo federal, através de um programa chamado Planasa (Plano Nacional de Saneamento), investiu pesado na capital, até então uma pequena cidade com menos de 100 mil habitantes. A cidade pôde crescer com expansões de redes e de captações.

    Hoje Cuiabá passa de 600 mil habitantes e a situação é caótica. Nunca mais se investiu em abastecimento de água, exceto para atender aos mais de 200 bairros novos que surgiram no entorno do centro, a maioria “grilos” e invasões distantes entre si, mas servidos por longas redes que custam muito caro.

    Há duas semanas o prefeito Wilson Santos convidou jornalistas para um café da manhã onde se discutiu a concessão da Sanecap à iniciativa privada, mediante licitação. A apresentação de números sobre a saúde da empresa atual é alarmante. Mas o que mais me chamou a atenção vai além dos números. 

    Já não é mais possível construir conjuntos habitacionais, bairros novos e nem condomínios que dependam de água pública. Não há disponibilidade nas captações atuais para mais nada. O prefeito lembrou que o governador Blairo Maggi quer construir conjuntos habitacionais populares em Cuiabá, mas não poderá fazê-lo porque não haverá disponibilidade de água. Do mesmo modo, grandes prédios residenciais ou comerciais estarão impedidos porque também faltará água.

    Gostaria de lembrar que em 1995, a energia elétrica no estado estava assim. Em cidades como Barra do Garças, o cliente da Cemat precisava consultar antes para saber se haveria energia elétrica suficiente para ligar um aparelho de ar condicionado. Resolvida a questão da energia com a privatização da Cemat, esses absurdos são lembranças do passado.

    Assim, se colocam exemplos. Campo Grande optou pela concessão e em cinco anos a cidade resolveu sua questão de água e de saneamento. No caso de Cuiabá, os investimentos estimados pela UFMT seriam de R$ 300 milhões em 30 anos. A empresa calcula em R$ 500 milhões. Esse dinheiro não existe. A empresa não é deficitária, mas tem dívidas pesadas e custos crescentes.

    Contra a concessão levantam-se vozes na contramão da atualidade mundial. Porém, parece-me que são vozes políticas sem discurso, em busca de alguma evidência eleitoral. São vereadores de poucos votos e ensaios de parlamentares estaduais de pouca expressão política. Temas como esse dão boas discussões e prometem votos. Como se vende até a alma por meia dúzia de votos, a chance é ótima para políticos populistas.

    Por fim, além da solução moderna ao problema de abastecimento, como se fez há 30 anos, a concessão da Sanecap garantiria, segundo o prefeito as tarifas sociais e econômicas, a questão ambiental e os investimentos necessários.
 
   Fico imaginando: se a privatização da Cemat produziu um salto de qualidade e de investimentos no estado, por que não tentar com a água? Desde que haja transparência, impedir isso seria andar para trás e acumular problemas para o futuro e arranjar temas para novos discursos velhos.

* ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Recuo do DEM e agora no Republicano

gabriel guilherme 400 curtinha   O DEM terá de excluir da lista de pré-candidatos a vereador pela Capital o nome do jovem Gabriel Guilherme (foto), de 22 anos. Ele optou por se filiar ao Republicano. Lotado na Assembleia como assistente da Secretaria de Orçamento e Finanças e filho do ortopedista Paulo Fonseca...

Galvan vai deixar PDT e ir pra o PRTB

antonio galvan 400 curtinha   Embora não tenha perdido de vistas o Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado por Bolsonaro, Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja e que acabou levado à frigideira dentro do PDT em meio ao embate por tentativa de candidatura ao Senado, se mostra disposto a ingressar no...

"Pátio igual gato, comendo e miando"

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (Podemos), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara, disse que o prefeito Zé do Pátio, de Rondonópolis, está parecendo gato, comendo e miando, pois recebe recursos federais, inclusive de programas habitacionais e, mesmo assim, ainda alardeia nos...

Adair lançará ex-vice em Alto Paraguai

adair 400 curtinha   O ex-prefeito de Alto Paraguai, advogado emedebista Adair José Alves Moreira (foto), não vai disputar novamente, apesar da insistência do seu grupo. A tendência é de apoiar o seu ex-vice Luiz Figueiredo, com quem administrou a cidade de 2013 a 2016. Luiz também é do MDB e...

Deputado bolsonarista critica prefeito

claudinei deputado curtinha 400   O deputado Claudinei Lopes (foto), morador em Rondonópolis, ficou na bronca com o discurso populista do prefeito Zé do Pátio, para quem o povo nordestino votou em massa no PT e que não tem conseguido construir mais casas populares porque, diferente dos governos petistas, o presidente...

Sem Senado e tudo pela Mesa da AL

max russi curtinha 400   Presidente regional do PSB-MT, o deputado Max Russi (foto) tem participado das discussões para definição de candidaturas ao Senado, na suplementar de abril, mas não mais como pré-candidato. Seu desafio é outro. A prioridade é a busca da reeleição como...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.