Últimas

Sexta-Feira, 23 de Março de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Contra a força não há resistência

     O jornalista Kleber Lima comenta as declarações do senador Jaime Campos contra a cooptação de prefeitos por parte do grupo do governador Blairo Maggi. Confira abaixo

    O senador Jaime Campos denunciou esta semana o Partido da República por estar, no seu dizer, cooptando de maneira pouco ética os prefeitos de outros partidos aliados. Vociferou mas teve a cautela de poupar de suas críticas o presidente e comandante em chefe do PR, que vem a ser o governador Blairo Maggi.
    O cuidado de Jaime em relação a Blairo justifica o título deste artigo. A rigor, não é novidade que o partido de quem esteja no poder seja o maior e mais forte. As adesões surgem por gravidade. Presenciei outro dia um articulador do PR recomendando a um prefeito que verificasse antes com o seu próprio partido a oportunidade de mudar de sigla. Não me pareceu que tenha havido um assédio brutal do PR sobre os alcaides. Ao contrário, muitos prefeitos, no afã de tentar melhorar seu relacionamento com o governo, se ofereceram ao PR.
    Essa mistura entre partido e governo é clássica e afeta a todos que já tiveram experiência de poder. A esquerda socialista foi a primeira a sofrer com esse dilema, quando permitiu o surgimento da chamada aristocracia operária. Os partidos burgueses, embora sem militância de massa, vivem-na no âmbito dos líderes intermediários, justamente os prefeitos, vereadores e deputados.
   Infelizmente, a cultura partidária em nosso meio é inexistente. Partido, salvo raríssimas e honrosas exceções na política brasileira, é pura conveniência. Exceção na qual, registre-se, deve ser enquadrado o próprio Jaime Campos e parte da atual cúpula do PFL, que estão por ali faz bastante tempo, e já enfrentaram muitos revezes nesse período sem hesitar. O mesmo se diga do velho PMDB e do PT, entre os maiores partidos da atualidade em nosso estado. Pra quem não entendeu, é um elogio.
   Entretanto, o próprio PFL, bem como o PMDB - e porque não, o PT -, experimentaram seus melhores momentos como partido exatamente quando estavam empodeirados. Fora do poder, os partidos encolhem, passam por uma depuração - o que pode ser salutar, mas desde que os dirigentes aprendam com essa lição, e no futuro, quando a fronteira de poder passar por suas fileiras novamente, fixe critérios mais partidários e conceituais para receber adesões, e não apenas o eleitoral.
   A situação guarda semelhança com a relação do político com o eleitor. O candidato reclama invariavelmente do que chama de corrupção do eleitor, que pede benefícios pessoais, quando não financeiros, para dar seu voto. Esquece, todavia, que foi ele, o candidato, quando precisava de votos, que ofereceu as vantagens ao eleitor. O eleitor aprendeu a técnica, dominou-a e a usa a seu favor agora. É uma relação de causa e efeito que vive uma espécie de espiral - o limite é o infinito.
   Pior de tudo é que o bom senso e uma leitura realista do ambiente político em que vivemos não apontam para a superação desse cancro. Algumas mexidas na legislação, dentro das inúmeras propostas da chamada Reforma Política poderiam sinalizar mais concretamente para isso. A adoção da fidelidade partidária, com punição de perda de mandato para quem mudar de partido, é bem-vinda nesse sentido. Mas, o que precisamos, realmente, de fato, é de uma mudança cultural, onde os eleitores retomem o interesse pela política e o respeito pelos políticos; e os políticos, por sua vez, aprendam a respeitar e a se vergar ao interesse coletivo, no mínimo aos dos grupos sociais que representam. Até lá, manda quem pode e obedece quem tem juízo.

KLEBER LIMA é jornalista pós-graduado em marketing e consultor de comunicação. E-mail: kleberlima@terra.com.br /www.kgmcomunicacao.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

2 suplentes já estreiam em Cuiabá

alex rodrigues 400   Com menos de quatro meses de mandato, dois dos 25 vereadores cuiabanos reeleitos no ano passado já pediram licença para abrir espaço a suplentes. Diego Guimarães (Cidadania) se afastou por 30 dias. Em sua cadeira está Maysa Leão, do mesmo partido. Marcrean Santos (PP) pediu afastamento...

Governista 2 e o desafio da reeleição

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), que conseguiu retornar à Assembleia "sangrando" nas urnas de 2018, impactado pelo desgaste pela defesa intransigente do Governo Pedro Taques, se prepara para atravessar outro purgatório no próximo ano, em busca de mais um mandato. O deputado tucano carrega desgaste...

Nobres chora a morte de ex-prefeito

flavio dalmolin 400   A pequena e turística Nobres, de 16 mil habitantes, parou neste Feriado de Tiradentes em comoção pela morte, por Covid-19, do ex-prefeito Flávio Dalmolin (foto). Um cortejo percorreu ruas e avenidas, parou em frente ao estádio municipal Balizão e à prefeitura, onde...

Derrotado ensaia disputa ao Governo

reinaldo morais 400 curtinha   O empresário Reinaldo Morais (foto), o rei dos porcos, está disposto a gastar mais uns milhões com nova candidatura majoritária, agora para governador. No ano passado, concorreu ao Senado e obteve votação decepcionante. Foi o penúltimo colocado numa corrida com 11...

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....