Últimas

Quinta-Feira, 05 de Julho de 2007, 07h:45 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

EMBATE JURÍDICO

Convênio de 98 deve tirar mandato de deputado

O deputado estadual Percival Muniz, presidente regional do PPS, já se preparou para a qualquer momento receber a notícia da perda definitiva do mandato. Após indeferimento de recursos no âmbito na Justiça Eleitoral, ele sofreu agora uma outra derrota na Procuradoria-Geral da União no Supremo Tribunal Federal, que julga apenas matérias que ferem a Constituição. Seu mandado de segurança foi indeferido pela Procuradoria. Trata-se de um recurso fora do processo, que está com o relator, ministro Joaquim Barbosa. Os advogados de Muniz impetraram vários recursos. A luta do deputado é para levar o julgamento a plenário do STF, ao invés de ficar na decisão monocrática. Assim, teria o direito de se defender diretamente.

     Muniz , que pretende disputar de novo a Prefeitura de Rondonópolis no próximo ano, foi eleito deputado com 41.719 votos, o mais votado da coligação PPS/PFL, que conquistou 10 vagas.

    O processo que o deixou com o mandato sub judice é de intrigar. Possui 03 volumes, que somam 608 páginas. Tem origem no convênio 020, de 98, formalizado entre a Prefeitura de Rondonópolis, então sob comando de Alberto de Carvalho (PMDB), e a Fundação de Promoção Social (Prosol), presidida à época pela primeira-dama do Estado e hoje deputada federal Thelma de Oliveira (PSDB).

   Um projeto apresentado por Alberto e aprovado pela Câmara Municipal resultou na Lei 2.962, que definiu que R$ 48,9 mil (sendo R$ 44,5 da Prosol e R$ 4,4 mil de contrapartida da Prefeitura) deveriam ser repassados à Unidade Educacional Pró-Menor e ao Lar do Menor Casa de Davi para aquisição de gêneros alimentícios e manutenção, conforme previa o plano de trabalho.

     Essas entidades prestam serviço a crianças de 7 a 14 anos em regime de abrigo. Os R$ 48,9 mil foram feitos em 8 parcelas. O convênio teve validade de julho de 98 a fevereiro de 99. Alberto se afastou do cargo a partir de 20 de dezembro de 98 e renunciou ao mandato em fevereiro de 99 (2 meses depois). No seu período, prestou contas do convênio. O mesmo foi feito pelo sucessor Muniz.

       Contestação

       O TCE faz o primeiro questionamento sobre o convênio, quando observa que as notas fiscais de compra de gêneros alimentícios estavam em nome das 2 entidades e não da prefeitura. O Município, por sua vez, encaminha cópias do convênio feita com a Prosol, das entidades e da lei autorizativa. O Tribunal se dá por convencido, mas levanta um outro erro: a falta de licitação sobre valor de R$ 19.013,02 mil destinado às 2 entidades (a lei só permite compra dentro do mês sem licitação até R$ 8 mil).

    Por fim, o TCE rejeita a prestação de contas do convênio. No ano passado, Muniz se candidata e conquista uma cadeira de deputado. No TRE tem a prestação de contas da campanha aprovado, é diplomdo e empossado. Nesse interím, o Ministério Público Eleitoral ingressa com uma representação, levantando a inelegibilidade devido à rejeição, pelo TCE, das contas do convênio. Muniz, então, recorre ao TSE, onde já perdeu vários recursos. Seu mandato agora está nas mãos do Supremo.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • gilmar | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Dep. Percival esta perdendo a grande oportunidade de fazer a diferença, ainda a tempo, para investigar o destino de mais de 65 MILHÕES desviados do cofre da AL, devidamente comprovado pelo MP.Existem mais de 30 ações Civiis Publicas mofando nas prateleiras das Varas da Fazenda públiaca da Justiça de MT. Resta saber, se o Dep. tem a corragem para esta missão. Vamos aguardar, as provas foram protocoladas nos gabinetes de todos os Nobres parlamentares. Por muito menos o Roriz ja jogou a toalha

  • ELIFAS JOSE RIBEIRO | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Deputado Percival eu um simples eleitor(digo eleitor) envergonhado lute, mas lute mesmo, para seu processo ir parar no nosso "GLORIOSO" STF sabe porque? la à mais de 04 DECADAS NÃO PUNE NINGUEM, LA A DEUSA "TEMIS"_ É MAIS CEGA, LA ADEUSA "TEMIS" É MAIS MOROSA LA A DEUSA "TEMIS" DEIXA O PROCESSO PRESCREVER, LA NO STF É UMA MARAVILHA SIGA O MEU CONSELHO QUE O SENHOR VAI SE DAR BEM a UNICA COISA QUE EU ESPERO DO Nobre deputado é um gesto de agradecimento.

Cotado à cadeira de desembargador

francisco faiad 400 curtinha   É forte o movimento nos bastidores entre os juristas, dentro e fora da OAB/MT, pela indicação do nome de Francisco Faiad (foto) pela classe Quinto Constitucional à cadeira de desembargador. Bem articulado e com bom conceito no meio jurídico, Faiad foi presidente da OAB/MT por dois...

Pivetta promete permanecer no PDT

allan kardec 400 curtinha   O empresário Otaviano Pivetta, que se tornou o mais badalado nesta fase de pré-campanha ao Senado por causa da grande logística em torno do seu nome, se encontra numa saia-justa. Para líderes do Podemos com os quais passou a ter afinidade política, como os senadores Álvaro Dias e...

Ao Senado, 2 partidos e apoio para EP

elizeu nascimento 400 curtinha   Elizeu Nascimento (foto), terceiro-sargento PM licenciado, não é nada bobo. Ex-vereador pela Capital e no mandato de deputado estadual, Elizeu hoje controla o DC-MT e ainda levou aliados de confiança para o PSL-MT, partido que ainda está ligado ao presidente Bolsonaro e que só de...

Digital de Selma no apoio para Pivetta

olga lustosa curtinha 400   Mesmo com laços antigos de amizade com Otaviano Pivetta, Olga Lustosa, que está se desligando do cargo de assessora do gabinete da senadora cassada Selma Arruda em Brasília, causou aquele climão dentro do Podemos quando apareceu no encontro do PDT, neste sábado. O ato marcou o...

Fritado ao Senado, Galvan deixará PDT

antonio galvan 400 curtinha   Como já esperado, o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan (foto), foi mesmo patrolado dentro do PDT estadual na tentativa de concorrer ao Senado na suplementar de abril. Com a decisão oficial do partido de lançar o vice-governador Otaviano Pivetta à disputa, Galvan agora pensa em sair da...

Contratos suspensos de 7 prefeituras

domingos neto 400 curtinha   O conselheiro do TCE-MT, Domingos Neto, determinou, até julgamento do mérito, a suspensão de pagamento por sete prefeituras à Oscip Tupã. Ele é relator de uma representação feita pelo Ministério Público de Contas contra as prefeituras de Vera,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.