Últimas

Quinta-Feira, 05 de Julho de 2007, 07h:45 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

EMBATE JURÍDICO

Convênio de 98 deve tirar mandato de deputado

O deputado estadual Percival Muniz, presidente regional do PPS, já se preparou para a qualquer momento receber a notícia da perda definitiva do mandato. Após indeferimento de recursos no âmbito na Justiça Eleitoral, ele sofreu agora uma outra derrota na Procuradoria-Geral da União no Supremo Tribunal Federal, que julga apenas matérias que ferem a Constituição. Seu mandado de segurança foi indeferido pela Procuradoria. Trata-se de um recurso fora do processo, que está com o relator, ministro Joaquim Barbosa. Os advogados de Muniz impetraram vários recursos. A luta do deputado é para levar o julgamento a plenário do STF, ao invés de ficar na decisão monocrática. Assim, teria o direito de se defender diretamente.

     Muniz , que pretende disputar de novo a Prefeitura de Rondonópolis no próximo ano, foi eleito deputado com 41.719 votos, o mais votado da coligação PPS/PFL, que conquistou 10 vagas.

    O processo que o deixou com o mandato sub judice é de intrigar. Possui 03 volumes, que somam 608 páginas. Tem origem no convênio 020, de 98, formalizado entre a Prefeitura de Rondonópolis, então sob comando de Alberto de Carvalho (PMDB), e a Fundação de Promoção Social (Prosol), presidida à época pela primeira-dama do Estado e hoje deputada federal Thelma de Oliveira (PSDB).

   Um projeto apresentado por Alberto e aprovado pela Câmara Municipal resultou na Lei 2.962, que definiu que R$ 48,9 mil (sendo R$ 44,5 da Prosol e R$ 4,4 mil de contrapartida da Prefeitura) deveriam ser repassados à Unidade Educacional Pró-Menor e ao Lar do Menor Casa de Davi para aquisição de gêneros alimentícios e manutenção, conforme previa o plano de trabalho.

     Essas entidades prestam serviço a crianças de 7 a 14 anos em regime de abrigo. Os R$ 48,9 mil foram feitos em 8 parcelas. O convênio teve validade de julho de 98 a fevereiro de 99. Alberto se afastou do cargo a partir de 20 de dezembro de 98 e renunciou ao mandato em fevereiro de 99 (2 meses depois). No seu período, prestou contas do convênio. O mesmo foi feito pelo sucessor Muniz.

       Contestação

       O TCE faz o primeiro questionamento sobre o convênio, quando observa que as notas fiscais de compra de gêneros alimentícios estavam em nome das 2 entidades e não da prefeitura. O Município, por sua vez, encaminha cópias do convênio feita com a Prosol, das entidades e da lei autorizativa. O Tribunal se dá por convencido, mas levanta um outro erro: a falta de licitação sobre valor de R$ 19.013,02 mil destinado às 2 entidades (a lei só permite compra dentro do mês sem licitação até R$ 8 mil).

    Por fim, o TCE rejeita a prestação de contas do convênio. No ano passado, Muniz se candidata e conquista uma cadeira de deputado. No TRE tem a prestação de contas da campanha aprovado, é diplomdo e empossado. Nesse interím, o Ministério Público Eleitoral ingressa com uma representação, levantando a inelegibilidade devido à rejeição, pelo TCE, das contas do convênio. Muniz, então, recorre ao TSE, onde já perdeu vários recursos. Seu mandato agora está nas mãos do Supremo.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • gilmar | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Dep. Percival esta perdendo a grande oportunidade de fazer a diferença, ainda a tempo, para investigar o destino de mais de 65 MILHÕES desviados do cofre da AL, devidamente comprovado pelo MP.Existem mais de 30 ações Civiis Publicas mofando nas prateleiras das Varas da Fazenda públiaca da Justiça de MT. Resta saber, se o Dep. tem a corragem para esta missão. Vamos aguardar, as provas foram protocoladas nos gabinetes de todos os Nobres parlamentares. Por muito menos o Roriz ja jogou a toalha

  • ELIFAS JOSE RIBEIRO | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Deputado Percival eu um simples eleitor(digo eleitor) envergonhado lute, mas lute mesmo, para seu processo ir parar no nosso "GLORIOSO" STF sabe porque? la à mais de 04 DECADAS NÃO PUNE NINGUEM, LA A DEUSA "TEMIS"_ É MAIS CEGA, LA ADEUSA "TEMIS" É MAIS MOROSA LA A DEUSA "TEMIS" DEIXA O PROCESSO PRESCREVER, LA NO STF É UMA MARAVILHA SIGA O MEU CONSELHO QUE O SENHOR VAI SE DAR BEM a UNICA COISA QUE EU ESPERO DO Nobre deputado é um gesto de agradecimento.

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

Articulação pra tentar voltar ao Procon

gisela simona 400 curtinha   Com adiamento e ainda sem nova data para a eleição suplementar ao Senado, Gisela Simona (Pros), que se afastou do Executivo para concorrer ao pleito, quer retornar ao cargo de secretária-adjunta de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon), vinculado à secretaria...

Senadora, ataques e defesa de Galvan

selma arruda 400 curtinha   Selma Arruda, senadora cassada por crimes eleitorais, um deles caixa 2, escreveu artigo entitulado "MP x Aprosoja. Afinal, quem tem razão", especialmente para defender o aliado político Antonio Galvan, presidente da Aprosoja. Ao concordar com plantio de soja dentro de período proibido pela...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.