Últimas

Domingo, 28 de Janeiro de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Crescimento e esperança

   Para o economista Vivaldo Lopes, o PAC apresenta aspectos positivos e alguns riscos para a estabilidade macroeconômica do país. Confira detalhes no artigo publicado neste domingo (28) no Diário de Cuiabá.

    O pacote de medidas para acelerar o crescimento econômico do país finalmente tornado público pelo presidente Luiz Inácio da Silva e muito mal explicado pelos ministros Guido Mantega e Dilma Rusself apresenta aspectos positivos e alguns riscos para a estabilidade macroeconômica do país.
     O fato positivo do Programa de Aceleração do Crescimento é partir do diagnóstico de que os investimentos em infra-estrutura econômica e social (energia, transporte, saneamento e habitação) são fundamentais para elevar o patamar do crescimento econômico do Brasil. Enquanto a economia mundial convive com cenário positivo e cresce a taxas médias superiores a 5% a vários anos consecutivos (a China cresce à média anual de 10%, a Índia a 9%, a Argentina a 8%), a taxa média anual de crescimento do Brasil na última década foi de 2,3%. Elogiável também a iniciativa do presidente de colocar na agenda política da nação o debate sobre a necessidade do país acelerar o seu desenvolvimento, sob o risco de perdermos a locomotiva da economia mundial crescente. Para um governo que passou os quatro anos do seu primeiro mandato defendendo-se de escândalos de corrupção, mensalões, dossiês, desvios éticos e aparelahamento partidário das instituições públicas, iniciar o segundo mandato com uma agenda positiva no campo econômico já é motivo para comemorações.
     Como fator de risco vejo que o presidente Luis Inácio da Silva não tirou proveito do imenso capital político conquistado nas últimas eleições e deixou passar a oportunidade de iniciar a modernização do retrógrado arcabouço da legislação trabalhista, reduzir os gastos previdenciários e mexer na relação juros-câmbio. Outro fator perigoso é o retorno da indexação dos salários. Consta entre as medidas do plano que os salários dos servidores públicos federais serão recompostos anualmente pela inflação passada mais um ganho real limitado ao máximo de 1,5%. Isso pode induzir os sindicatos dos trabalhadores da iniciativa privada, dos servidores públicos estaduais e municipais a exigirem a indexação dos salários à inflação passada, ocasionando um efeito cascata que pode reavivar o monstro da inércia inflacionária. O plano demonstra também completo desprezo do governo federal com a redução dos seus gastos correntes. Sem a redução dos gastos correntes públicos será inócuo qualquer esforço para a diminuição da elevada carga tributária brasileira. O plano sustenta-se em alguns pressupostos quase irrealizáveis, como o de que a economia vai crescer 4,5% em 2007 e 5% nos anos seguintes. Prevê também uma alta motivação das empresas para aumentar seus investimentos em infraestrutura. Dos R$ 504 bilhões de investimentos previstos nos próximos quatro anos, apenas R$ 67 bilhões sairão do orçamento federal. Os demais R$ 437 bilhões deverão ser investidos pelas estatais e pelas empresas privadas, mesmo num ambiente de hostilidade financeira ( juros altos e tributação sobre investimentos ), ambiental e insegurança regulatória. O tal PAC prevê que 3,2 mil kilômetros de rodovias serão pavimentadas ou modernizadas através da concessão de suas operações à iniciativa privada, mas algumas semanas atrás o governo federal cancelou a licitação para as concessões de importantes trechos rodoviários do país. O plano prevê, por exemplo, para Mato Grosso, a extensão dos trilhos da Ferronorte até Cuiabá. Essa é uma obrigação da concessionária, América Latina Logística (ALL)e não do governo federal. Se a ALL ainda não anunciou a decisão de construir a ferrovia até Cuiabá não foi por falta de crédito(os controladores da ALL são os mesmos da AMBEV, Casas Americanas, Submarino). Foi porque não quis. Que ação mágica o governo fará para fazer com que a ALL construa os trilhos até 2010?
   Sob o ponto de vista macroeconômico, fica a impressão de que o PAC não terá nenhum efeito sobre o crescimento em 2007 e impacto reduzido a partir dos anos seguintes. Aos esperançosos, posso citar Heráclito: “Se não tiveres esperança, não encontrarás o inesperado”. Os mais céticos podem recorrer a Millôr Fernandes: “A esperança é a última que morre. Mas morre”.

* VIVALDO LOPES é economista, especialista em Gestão Financeira de Empresas pela FIA/USP e consultor da Fundação Getúlio Vargas - FGV (
vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sorriso tenta aval para conceder RGA

estevam calvo 400   A Prefeitura de Sorriso quer pagar RGA aos servidores, mas não encontrou até agora respaldo legal para assim proceder, considerando a Lei Complementar 173/2020 que, no contexto da pandemia, proíbe reajuste no salário de servidores federais, estaduais e municipais até 31 de dezembro deste...

Ambulância doada pela CBF para MT

Aron Dresch 400   O governo estadual recebeu doação de uma ambulância da CBF como forma de reconhecimento à dedicação dos profissionais da Saúde e dos serviços que estão sendo prestados durante a pandemia. O Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, foi escolhido para...

Fávaro, relatório e vacina sem Anvisa

carlos favaro 400   O senador mato-grossense Carlos Fávaro (foto), eleito na suplementar do ano passado, está comemorando a aprovação pelos colegas do seu relatório ao Projeto 1315/2021, que libera a importação de vacinas e insumos para o combate à Covid-19 no Brasil e sem depender do...

TRE intima deputado pra se defender

gilberto cattani 400   O TRE já citou o deputado Gilberto Cattani (foto) e o comando do PRTB para se manifestar sobre o pedido do suplente Emílio Populo, que quer a perda do mandato do recém-empossado por infidelidade partidária. O relator é o jurista Sebastião Monteiro. Cattani apresenta defesa na...

DEM tem derrotados em 2020 pra AL

anelise silva 400   Alguns filiados do DEM do governador Mauro Mendes estão se movimentando por conta própria, visando as eleições de deputado estadual no próximo ano, alheios ao comodismo do presidente regional do partido, ex-deputado Fabinho Garcia. Em Cáceres, por exemplo, dois são cogitados para...

Vereadores vão devolver a VI de abril

agostinho carneiro 400   Presidida por Agostinho Carneiro (foto), a Câmara Municipal de Ribeirãozinho, um dos menores municípios do Estado, com cerca de 2,5 mil habitantes, decidiu suspender o pagamento da verba indenizatória deste mês de abril de todos os seus nove vereadores. Com isso, os R$ 9 mil que iriam para o...