Últimas

Domingo, 28 de Janeiro de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Crescimento e esperança

   Para o economista Vivaldo Lopes, o PAC apresenta aspectos positivos e alguns riscos para a estabilidade macroeconômica do país. Confira detalhes no artigo publicado neste domingo (28) no Diário de Cuiabá.

    O pacote de medidas para acelerar o crescimento econômico do país finalmente tornado público pelo presidente Luiz Inácio da Silva e muito mal explicado pelos ministros Guido Mantega e Dilma Rusself apresenta aspectos positivos e alguns riscos para a estabilidade macroeconômica do país.
     O fato positivo do Programa de Aceleração do Crescimento é partir do diagnóstico de que os investimentos em infra-estrutura econômica e social (energia, transporte, saneamento e habitação) são fundamentais para elevar o patamar do crescimento econômico do Brasil. Enquanto a economia mundial convive com cenário positivo e cresce a taxas médias superiores a 5% a vários anos consecutivos (a China cresce à média anual de 10%, a Índia a 9%, a Argentina a 8%), a taxa média anual de crescimento do Brasil na última década foi de 2,3%. Elogiável também a iniciativa do presidente de colocar na agenda política da nação o debate sobre a necessidade do país acelerar o seu desenvolvimento, sob o risco de perdermos a locomotiva da economia mundial crescente. Para um governo que passou os quatro anos do seu primeiro mandato defendendo-se de escândalos de corrupção, mensalões, dossiês, desvios éticos e aparelahamento partidário das instituições públicas, iniciar o segundo mandato com uma agenda positiva no campo econômico já é motivo para comemorações.
     Como fator de risco vejo que o presidente Luis Inácio da Silva não tirou proveito do imenso capital político conquistado nas últimas eleições e deixou passar a oportunidade de iniciar a modernização do retrógrado arcabouço da legislação trabalhista, reduzir os gastos previdenciários e mexer na relação juros-câmbio. Outro fator perigoso é o retorno da indexação dos salários. Consta entre as medidas do plano que os salários dos servidores públicos federais serão recompostos anualmente pela inflação passada mais um ganho real limitado ao máximo de 1,5%. Isso pode induzir os sindicatos dos trabalhadores da iniciativa privada, dos servidores públicos estaduais e municipais a exigirem a indexação dos salários à inflação passada, ocasionando um efeito cascata que pode reavivar o monstro da inércia inflacionária. O plano demonstra também completo desprezo do governo federal com a redução dos seus gastos correntes. Sem a redução dos gastos correntes públicos será inócuo qualquer esforço para a diminuição da elevada carga tributária brasileira. O plano sustenta-se em alguns pressupostos quase irrealizáveis, como o de que a economia vai crescer 4,5% em 2007 e 5% nos anos seguintes. Prevê também uma alta motivação das empresas para aumentar seus investimentos em infraestrutura. Dos R$ 504 bilhões de investimentos previstos nos próximos quatro anos, apenas R$ 67 bilhões sairão do orçamento federal. Os demais R$ 437 bilhões deverão ser investidos pelas estatais e pelas empresas privadas, mesmo num ambiente de hostilidade financeira ( juros altos e tributação sobre investimentos ), ambiental e insegurança regulatória. O tal PAC prevê que 3,2 mil kilômetros de rodovias serão pavimentadas ou modernizadas através da concessão de suas operações à iniciativa privada, mas algumas semanas atrás o governo federal cancelou a licitação para as concessões de importantes trechos rodoviários do país. O plano prevê, por exemplo, para Mato Grosso, a extensão dos trilhos da Ferronorte até Cuiabá. Essa é uma obrigação da concessionária, América Latina Logística (ALL)e não do governo federal. Se a ALL ainda não anunciou a decisão de construir a ferrovia até Cuiabá não foi por falta de crédito(os controladores da ALL são os mesmos da AMBEV, Casas Americanas, Submarino). Foi porque não quis. Que ação mágica o governo fará para fazer com que a ALL construa os trilhos até 2010?
   Sob o ponto de vista macroeconômico, fica a impressão de que o PAC não terá nenhum efeito sobre o crescimento em 2007 e impacto reduzido a partir dos anos seguintes. Aos esperançosos, posso citar Heráclito: “Se não tiveres esperança, não encontrarás o inesperado”. Os mais céticos podem recorrer a Millôr Fernandes: “A esperança é a última que morre. Mas morre”.

* VIVALDO LOPES é economista, especialista em Gestão Financeira de Empresas pela FIA/USP e consultor da Fundação Getúlio Vargas - FGV (
vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Os Maia fincam força no Legislativo

silvio maia 400   O ex-prefeito por quatro vezes de Alto Araguaia, Maia Neto, perdeu nas urnas na majoritária, mas ganhou na proporcional. De um lado, a irmã Martha Maia, seu braço-direito durante todos os mandatos, foi derrotada à prefeita por Gustavo Melo, que se reelegeu. Por outro, Maia Neto viu dois dos seus...

Reeleito, Gustavo derruba o clã Maia

gustavo melo 400   O jovem prefeito de Alto Araguaia, Gustavo de Melo (foto), de 36 anos, manteve mesmo o "apertado" favoritismo, conforme mostrou na reta final a pesquisa do instituto Analisando, e derrotou o clã Maia. Venceu por 962 votos de diferença. Filiado ao PSB, Gustavo chegou a 4.805, enquanto Martha Maia (PP) registrou 3.840...

Nivelando para cima o debate em VG

emanuelzinho 400   Em discurso na Câmara Federal, Emanuelzinho (foto), 3º colocado a prefeito de Várzea Grande, disse ter ajudado a nivelar, por cima, o debate eleitoral, com grandeza e altivez e se mostra entusiasmado. Destaca que "política se faz com seriedade, transparência e com o coração sintonizado...

Mais jovem prefeito sucede familiares

Rog�rio Meira_400 jangada   O mais jovem entre os prefeitos eleitos e/ou reeleitos de MT, Rogério Meira (foto), tem um histórico de vida pública, mesmo tendo apenas 24 anos. Atualmente, ele exerce mandato de vereador por Jangada e foi eleito prefeito da cidade ao obter 1.699 votos, 9 a mais que o...

Base forte de EP para Mesa Diretora

juca do guaran� curtinha 400   A base do prefeito Emanuel Pinheiro para o segundo mandato, embora com quatro virtuais candidatos à presidência da Mesa Diretora, está construindo o discurso de que não pode rachar sob o risco de entregar o comando do Legislativo para a oposição....

Deputado ajudou a enterrar Binotti

neri 400 curtinha   O deputado federal Neri Geller (foto), que se acha um grande líder político, ajudou a enterrar nas urnas o projeto de reeleição do prefeito Luiz Binotti (PSD), derrotado à reeleição. Perdeu para o ex-vice-prefeito Miguel Vaz (Cidadania), que contou com apoio do ex-prefeito e atual...