Últimas

Quarta-Feira, 09 de Maio de 2007, 14h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

VARIEDADES

Criado como Capitania, MT completa 259 anos

   O Estado de Mato Grosso completa nesta quarta (9) 259 anos.  Em 9 de maio de 1748, o governo português, numa competição com os espanhóis e atraídos pela descoberta do ouro, criava a Capitania de Mato Grosso. Ao invés de fazer da já povoada Cuiabá a capital, os portugueses preferiram implantá-la em Vila Bela da Santíssima Trindade, uma espécie de posto avançado no meio do território que, pelo Tratado de Tordesilhas, pertencia à Espanha. À época, o domínios territoriais da Capitania se estendia até Rondônia. Antes, o território mato-grossense pertencia a Espanha, conforme Tratado assinado em 7 de junho de 1494 entre Portugal e Espanha.

  Vila Bela foi um dos núcleos estratégicos da colonização portuguesa do século 18. Nasceu no bojo de um golpe diplomático para faturar em cima da expansão dos bandeirantes para as minas de Cuiabá e, ao mesmo tempo, dar um empurrão para o oeste na linha do Tratado de Tordesilhas.

    Mato Grosso acaba surgindo com os portugueses, que adquiriram o chamado direito de posse por já estarem por aqui explorando o ouro. Vila Bela (antiga Vale do Guaporé) foi escolhida como capitania pela localização estratégica. Está numa região de fronteira com a Bolívia e fora usada por Portugal como espécie de ponta de lança para defesa num eventual confronto com a Espanha.

    Vila Bela foi fundada pelo capitão-geral Antônio Rolim de Moura, em 1752, num lugar ermo, à beira do rio, com o propósito exclusivo de servir de capital porque tinha elementos de arquitetura monumental para ser avistada de longe, como sinal de que se tratava de território português. Como toda capital, Vila Bela possuía um palácio e uma matriz, que nunca chegou a ser concluída.

    Hoje, tudo o que resta da antiga capital são as ruínas da igreja e do palácio, tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

    Para motivar a migração, a Coroa ofereceu vários incentivos fiscais, como a isenção do quinto (um imposto sobre o ouro) para as pessoas se fixarem em Vila Bela. A estratégia funcionou tanto que em 1750 (28 anos depois) o Tratado de Madri reconhecia os direitos lusos no alto Guaporé.

   O nome

   A incorporação de Mato Grosso ao mapa do Brasil começou com a descoberta de outro pelos bandeirantes na região de Cuiabá, no início do século 18. A partir de Cuiabá as expedições de busca de ouro e de apresamento de índios se estendem para o noroeste, chegando ao território dos índios parecis.

    Conforme os registros históricos, as expedições descobriram que a região do parecis era diferente, por ser constituída de floresta, uma mata extensa, grossa e fechada, daí o termo que deu nome ao Estado.

    Em 1734, a notícia da descoberta de ouro na região chega a Lisboa. A Coroa, então, toma posse das jazidas e passa a distribuir concessões de lavra. A exploração aurífera no Mato Grosso ganha impulso. Assim como aconteceu em Minas Gerais, a Coroa traz uma grande quantidade de escravos para o trabalho nas minas. Isso explica o fato de hoje, quase três séculos depois, a maioria da população de Vila Bela da Santíssima Trindade ser negra.

Segundo os historiadores, houve afluxo de escravos para o município no século 18 e, com a falência das minas, aconteceu a fuga da elite portuguesa para Cuiabá, no século 19.

    A sede da capitania é transferida definitivamente para Cuiabá em 1835. Sem o título, Vila Bela passa a enfrentar decadência e recebe o batismo de Mato Grosso dos Parecis. Só não foi extinto pela Assembléia Legislativa porque um projeto nesse sentido foi vetado, em 1878.

    O lugar só voltou a crescer a partir de 1948, com projetos de incentivos fiscais e de colonização no Estado. Em novembro de 1978, uma lei estadual devolve ao município o antigo nome de Vila Bela da Santíssima Trindade, que hoje conta com cerca de 17 mil habitantes.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sexto suplente na Câmara por um mês

aluizio leite 400 curtinha   Aluízio Leite (foto), filiado histórico do PV, tomou posse como vereador pela Capital na último dia 2. Mas vai ficar na cadeira por somente 31 dias, até o retorno do titular, delegado Marcos Veloso, que se afastou para cuidar de assuntos pessoais e hoje se encontra hospitalizado com...

No TCE pra tentar receber da prefeitura

flavia mesquita 400 curtinha   Flávia Mesquita (foto), da Luppa Administração de Serviços, pediu socorro ao TCE para tentar receber por serviços prestados à secretaria de Saúde de Cuiabá, alegando que o município está inadimplente há oito meses. E apontou quebra da ordem...

Pai e filho pré-candidatos em Poconé

henrique santos 400 curtinha pocone   Em Poconé, pai e filho estão animados para o teste das urnas deste ano. Um a prefeito e, outro, para vereador. Euclides Santos, que já foi vereador (89/92) e prefeito por duas vezes (93/96 e 2001/2004), além de secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos em...

Expectativa de tocar a Cultura de MT

paulo traven 400 curtinha   Um dos três adjuntos da pasta de Cultura, Esporte e Lazer do Estado, José Paulo da Mota Traven (foto) vem se articulando para assumir de forma efetiva o comando da secretaria. Ele conta com apoio de alguns membros do staff, como do secretário de Governo, Alberto (Beto) Machado. O governador...

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.