Últimas

Domingo, 07 de Janeiro de 2007, 06h:16 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Crime político

      "O julgamento e a condenação do ex-ditador, como foram conduzidos, transformaram-se em dois atos de uma peça teatral grotesca". É o que comenta o professor universitário Lourembergue Alves, em A Gazeta deste domingo (7) a cerca da morte de Saddam Hussein.

      Leia reprodução abaixo.

    O ser humano, quase sempre, não gosta de falar sobre a morte. Isso é natural, até porque não existe nada mais violento do que o subtrair de vidas, se bem que o nascimento também é um ato violento, pois registra uma expulsão ou extração completa do corpo da mãe de um nascituro; porém, ao contrário daquele, este último ato permite o aflorar de uma existência, o que leva a comemoração e toda uma preocupação com o novo ser; diferentemente quando se tem um passamento, no qual se instala a tristeza e a dor, e, por conta disso, não há lugar para festas. Entretanto, na morte de Saddam Hussein se presenciaram esses dois sentimentos ao mesmo tempo, tanto no Iraque como em outra parte do mundo, com as pessoas se agrupando ou a favor ou contra o enforcamento do ex-ditador iraquiano. Não cabe a esta coluna dizer com qual desses grupos se encontra a verdade. Mas, isto sim, sair-se em defesa da liberdade, que se assenta no terreno complexo da política, cuja existência se dá no campo do diálogo, e este, por sua vez, se instala no quadro da paz e da democracia. Nesse sentido, não se justifica a pena de morte.

    É claro que Saddam Hussein foi um ditador sanguinário e, durante vinte e quatro anos, perseguiu diuturnamente seus adversários políticos, assassinando quase todos, até mesmo quem lhe era ligado por laços de parentescos, sem dar a eles possibilidade alguma de defesa, da mesma forma que se deu, por exemplo, em 1982, quando autorizou o assassinato de 148 xiitas. Crime que o levou à condenação à morte, uma vez que, no Iraque, os criminosos podem estar sujeitos a pena capital; curiosamente criada e implantada pelo próprio ex-ditador. Há, portanto, que se respeitar às leis do Estado iraquiano; sem ser, contudo, partidário de tal procedimento, principalmente quando se sabe que o prisioneiro Saddam foi submetido a um julgamento movido pelos interesses eleitoreiros do presidente George W. Bush, tanto que a sua decisão final se deu dois dias antes das eleições do Legislativo nos EUA; o condenado Saddam não foi tratado com respeito pelos carrascos, revidando os xingamentos recebidos; e, pior ainda, foi executado na frente de testemunhas populares; transformado, desse modo, em um espetáculo bárbaro, muito assemelhado ao que ocorria no regime medieval, inadequado então aos tempos atuais, voltados à democracia, e sem a dignidade da Justiça de Nuremberg, que julgou os crimes praticados pelos nazistas.

    Assim, o julgamento e a condenação do ex-ditador, como foram conduzidos, transformaram-se em dois atos de uma peça teatral grotesca, dirigida pela Justiça internacional, capitaneada pelo governo estadunidense. Talvez, por isso, não servirão de anteparo democrático, muito menos como instrumento pára-choque com o fim de acabar com a guerra civil iniciada com a invasão dos Estados Unidos no Iraque. A morte de Saddam Hussein pode, e certamente deve, acirrar ainda mais os ânimos já exaltados, uma vez que os simpatizantes do ex-ditador são levados ao ressentimento contra o atual governo iraquiano, liderado por um xiita. Inflamam-se, então, as paixões sectárias. Isso significa, e não sem razão, o aumento dos índices percentuais da violência no país, cujo resultado final apresenta grande número de feridos e mortos. Deixando, portanto, muito distante a paz e a democracia, pois estas não se sustentam com a ausência do diálogo entre as partes envolvidas, menos com a falta da tolerância, sob a predominância do desrespeito aos direitos humanos. Por falar nisso, os assassinatos de civis iraquianos não se enquadram em crimes políticos? Quem os investigará? Nesse particular, o presidente Bush não cometeu nenhum crime político?

   Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos (lou.alves@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...

Com Paccola, Câmara terá polêmicas

paccola 400 curtinha   O vereador eleito pela Capital, tenente-coronel PM Marcos Eduardo Ticianel Paccola (foto), do Cidadania, promete levar muitas polêmicas para os embates que pretende travar no Legislativo. Ele é daqueles sem papas na língua. Defende, por exemplo, que a população tenha direito de se armar. Em...

Esposa de deputado na 2ª suplência

maria avalone 400   Não foi só o deputado estadual Wilson Santos que frustrou-se na tentativa de eleger membro da família à cadeira de vereador. O também parlamentar Carlos Avalone, presidente regional do PSDB, apostou todas as fichas na esposa Maria Avalone. Mas ela só chegou à...

Neurilan e apoio de Botelho à AMM

eduardo botelho 400 curtinha   Em busca de apoio de lideranças políticas para permanecer no comando da AMM por mais três anos, Neurilan Fraga foi pedir socorro para o presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (foto). Quer que o parlamentar seja o presidente de honra de sua chapa. Neurilan tem se articulado como pode e,...