Últimas

Segunda-Feira, 22 de Outubro de 2007, 22h:08 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

Artigo

Cultura em pé de guerra

     A calmaria no meio cultural rompeu-se. Duas matérias jornalísticas turvaram as águas. Uma - Estado gasta mais de R$ 2 mi em concertos - encontra-se na RDNews (12/10), na qual, é resumido o conteúdo da Portaria n. 48, emitida pela Secretaria de Cultura. Por aquele dispositivo, são destinados R$ 2,1 milhões para 68 apresentações de concertos públicos e didáticos da Orquestra de Câmara de MT. Assim, até março/2009, Cuiabá e mais 34 cidades assistirão aos espetáculos. A Secretaria objetiva "fomentar e potencializar a música popular e erudita, possibilitando a sociedade em geral o acesso às artes".

      A outra matéria - Tem polêmica à vista - foi veiculada no Diário de Cuiabá (14/10). Sua essência versa sobre o conteúdo do Projeto de Lei (PL) n. 149/2007, assinado pelos Deputados Riva e Rabelo. A discórdia está no 4º par., no qual se lê: "Os projetos (culturais) apresentados deverão promover a contratação de artistas locais de MT,sendo vedada a contratação, com recursos provenientes do Fundo Estadual de Fomento à Cultura, de artistas de outros Estados". Visando à proteção de artistas locais, o artigo impõe a lógica abominável da reserva de mercado. À defesa disso, saiu a Ordem dos Músicos/ MT, representada por um deles. No mais, só ataque; até o Secretário de Cultura de Cuiabá condenou o PL. Um dos artistas lembrou que "...a cultura é livre, não tem raça, religião ou fronteira".

     Dessa lembrança, vejo que o cerne da discussão não se restringe ao ataque à reserva de mercado. Sei disso por meio de dois e-mails que recebi de integrantes de um fórum cultural. Por esses, pressinto que o representante dos Músicos não fala sozinho ou apenas pela Ordem. Em um dos e-mails, a matéria da RDNews - acima referida - foi-me enviada com o seguinte comentário: "Que maravilha"; grafado com maiúsculas e seguido de exclamações.

     Esse conjunto sígnico tem dupla interpretação, podendo ser de concordância ou não com tudo que está na matéria. Se for, o que direi a partir de agora deve ser desconsiderado. Se não for, o enunciado, pretendendo ser irônico, diz o oposto da essência do que está enviando. Contudo, nesse caso, opor-se, sem identificar exatamente a que está se opondo, parece-me trazer mais problemas que soluções. Como já disse, a matéria da RDNews trata do dispositivo legal (portaria) que destina recursos à Orquestra, o que possibilitaria a realização do conteúdo musical em si. Por isso, nesse caso, ao se comentar a portaria, é prudente separar as coisas; juntando-as, podem-se engrossar vozes desafinadas.

      Como cidadão, refuto os dispositivos antidemocráticos; porém, isso não me permitiria atacar o trabalho da Orquestra. Pelo seu competentíssimo desempenho e pela lógica pública e didática presentes nos concertos eu só posso desejar que os recursos necessários sejam garantidos. Portanto, minhas considerações estão fora da discussão do campo legal para o orçamento; estou discutindo no campo do conteúdo/qualidade.

      Agora, a verdade é que, com a criação da Orquestra, além de aumentar a disputa pelos recursos, o nível cultural subiu de tom. Isso exige melhor qualidade de outras manifestações. A qualidade da Orquestra é tão inegável que nem o melhor do regional é desprezado; ganha roupagem de câmara. Se ouvir um tradicional rasqueado já era digoreste(i), agora, ficou ainda mais fino.

      No outro e-mail que recebi - salvo erro de interpretação- seu remetente, em que pese oponha-se à política feita por portarias e ressalva não ter "Nada contra os músicos, orquestra etc...", ao comentar, indiretamente, a mesma matéria da RDNews, disse, brincando com a palavra "evento", que o trabalho da Orquestra "...é vento. Cultura do morango no bolo. Só serve para abrilhantar festas..." Fez mais: incitou os músicos da Ordem a questionarem se só há músicos de MT na Orquestra. Tal incitação, mesmo não pretendendo, engrossa o coro das vozes que defendem a reserva; afinal, os curricula dos músicos da Orquestra são conhecidos. Quase todos são oriundos de outros locais do Brasil e do mundo. No mais, dizer que a Orquestra é "cultura do morango no bolo" é um desafino que machuca demais os ouvidos. A cultura não merece isso.

     Roberto Boaventura da Silva Sá é doutor em Ciências da Comunicação/USP e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Deputado, Mesa da AL e incoerência

claudinei 400   Claudinei Lopes (foto), delegado de polícia que, na onda Bolsonaro, se elegeu deputado pelo PSL, em 2018, se mostra cada vez mais incoerente. É daqueles que gostam de levantar polêmicas e críticas, mas sem consistência. Ele se manifestou, por exemplo, contra a reeleição à Mesa...

Dilmar ensaia disputa para federal

dilmar dal bosco 400   Todos os deputados estaduais querem buscar a reeleição, com exceção de Dilmar Dal Bosco (foto), que está no terceiro mandato. Integrante da nova Mesa Diretora da Assembleia, como primeiro-vice-presidente, e líder do Governo Mauro, Dilmar não esconde o desejo de disputar cadeira...

Com Covid-19 e frequentando a AL

paulo araujo 400   O deputado Paulo Araújo (foto), do PP, está com reinfecção pelo Covid-19 e, mesmo assim, continua frequentando o prédio da Assembleia normalmente, como se não tivesse contaminado. Na primeira vez que foi infectado pelo vírus, também fez igual. Colegas parlamentares e...

2 abstenções e briga pela 4ª Secretaria

silvio favero 400   Dois deputados se abstiveram na eleição da Mesa Diretora da Assembleia desta terça cujo votação foi secreta. Nos bastidores, os comentários são de que as abstenções foram de Sílvio Fávero (foto), que se lançou à disputa e, sequer, teve...

Petista, incoerência e voto contrário

ludio cabral 400   O petista Lúdio Cabral (foto), daqueles parlamentares do morde e assopra, na tentativa de marcar posição, expõe cada vez mais suas incoerências em votação na Assembleia. Na sessão que antecedeu a eleição para a nova Mesa Diretora, provocada pela decisão...

Projeto sobre VI na Saúde está na AL

gilberto figueiredo 400 curtinha   Já está na Assembleia, para votação dos deputados, o projeto do governo que garante retomada do pagamento da verba indenizatória aos profissionais da Saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 nas unidades hospitalares, ambulatoriais e...