Últimas

Segunda-Feira, 16 de Abril de 2007, 09h:08 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

De patinho feio a cisne

     Quase 30 anos depois da divisão territorial, ainda há alguns questionamentos e discussões sobre quem ganhou mais, em termos de potencialidade econômica e qualidade de vida, se nós (do Norte) ou os vizinhos sul-mato-grossenses.

     Mato Grosso do Sul não regrediu. Está em franco desenvolvimento. Mas o Mato Grosso (o do Norte), é o primeiro produtor nacional de soja e algodão, dono do maior rebanho bovino nacional e segundo de arroz. De patinho feio virou cisne.

     Quando o Estado foi dividido, a população que ficou no Sul fez festa porque considerava aqui, o Norte, um peso morto, um imenso sertão que atravancava o progresso. Na época, os próprios nortistas protestaram, apesar de terem herdado 70% do antigo território. Alegavam que só restaram-lhes o ônus, considerando que o Sul teria ficado com as melhores terras, as indústrias, a maior arrecadação, enfim, o filé mignon.

     Hoje, a história é outra. O dínamo da arrancada de Mato Grosso é a agricultura. Produtores rurais do Sul do país marcharam rumo ao Oeste para desbravar a nova fronteira agrícola. A maioria optou por Mato Grosso, com suas terras, à época, baratas, topografia plana propícia à mecanização. Parte dos latifúndios improdutivos, destinados à extração de madeira, ao garimpo e à pecuária extensiva, deram lugar a fazendas profissionalizantes e lavouras mecanizadas tocadas pela tecnologia e pela vontade de vencer dos novos migrantes.

     Impressionante como isso proporcionou mudança de cenário. Na esteira da explosão verde, o Estado foi salpicado de novas cidades. Em algumas, surgem imagens incomuns, como loiros tomando chimarrão nos bancos das praças. Os nativos tiveram que se acostumar aos sobrenomes de origem alemã e italiana.

     Em 1979, quando Mato Grosso foi desmembrado em dois Estados, a parte do Norte, que ocupa 10% do território nacional, tinha 38 municípios. Hoje, tem 141. Encravadas no campo, várias das novas cidades apresentam boas surpresas. Sapezal, a chamada terra dos Maggi, inclusive tida como principal referência pelo governador Blairo Maggi, é toda suprida por uma rede de telefonia com cabos de fibra óptica.

     Com cerca de 70 mil habitantes, Primavera do Leste tem um sistema de saúde montado para atender o dobro do número de moradores. Lucas do Rio Verde, que nasceu a partir de um projeto de colonização do Incra, está com toda a sua área agricultável e tomada por soja e algodão. O Índice de Desenvolvimento Humano, medida usada pela Organização das Nações Unidas para avaliar as condições de vida, é um dos maiores do interior do Estado. O crescimento da cidade é tanto que está atraindo uma segunda leva de migrantes, não tanto aqueles especialistas em sementes e tratores, mas médicos e outros profissionais.

     Nessas cidades interioranas, a maioria da população veio da Região Sul e conseguiu impor seus hábitos, como o chimarrão e o churrasco. Na Grande Cuiabá, a cultura pantaneira continua prevalecendo, apesar de pelo menos metade dos quase um milhão de habitantes ser formada por migrantes. Não é uma Suíça, mas evidencia o desenvolvimento e as potencialidades de Mato Grosso, mesmo enfrentando os problemas típicos das metrópoles.

     O cenário passou a ser mais otimista a partir da preocupação política e empresarial de atacar dois gargalos que atrapalham o desenvolvimento: energia e transporte. No caso do primeiro, o déficit já está praticamente eliminado. Mas, em relação à malha viária, há muito por fazer. De todo o modo, Mato Grosso não é mais o patinho feio, pois já estamos no novo ciclo da industrialização, em que pesa os agricultores, que já encheram muito o bolso por aqui, mantém a estratégia da choradeira, tudo em nome do perdão ou pela renovação de suas dívidas bancárias.

Romilson Dourado é jornalista, editor de Política de A Gazeta e escreve neste espaço às segundas-feiras

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Filho de Taborelli assume vaga em VG

Willy taborelli _ curtinha400   O pai coronel Taborelli está fora de combate, mas o filho Willy (PSC), suplente de vereador, vai assumir cadeira na Câmara de VG a partir de 2 de março. Vai atuar na vaga do correligionário Miguel Baracat, que se licencia para fazer tratamento de saúde. O filho do polêmico...

Sem acordo para ter apoio de Selma

otaviano pivetta 400 curtinha   O empresário e vice-governador Otaviano Pivetta, pré-candidato ao Senado, disse que, de fato, recebeu convite para se filiar ao Podemos, inclusive do deputado Medeiros, um de seus prováveis adversários nas urnas de abril, mas que segue firme no PDT. Destaca ser um admirador do senador...

Na expectativa para disputar Senado

nelson barbudo 400 curtinha   Se o TRE flexibilizar a data de filiação para quem quer concorrer ao Senado, na eleição suplementar de abril, a inflação de candidatos tende a ser ainda maior. Entrariam no páreo, além dos 10 que já se dizem pré-candidatos, o ex-governador Pedro...

Conflito armado entre Ulysses e Elizeu

ulysses moraes curtinha   Já está dando confusão no PSL/DC o acórdão feito entre os deputados estaduais Ulysses (foto) e Elizeu. O primeiro confidenciou a amigos que não pretende apoiar a possível candidatura de Elizeu ao Senado, na eleição suplementar, marcada para abril. A considerar...

Jornalistas lançam 1º Anuário Jurídico

antonielle_curtinhas   O site Ponto na Curva e o Animus Centro Empresarial lançam em maio o primeiro Anuário Jurídico de Mato Grosso. A publicação, que é inédita no Estado, é conduzida pelas jornalistas e advogadas Antonielle Costa (foto) e Débora Pinho. A ideia é dar destaque a...

Ao Senado e com apoio de Bolsonaro

jose medeiros 400 curtinha   Com o apoio garantido por Bolsonaro, José Medeiros dá um passo largo rumo ao Senado, já nesta fase de pré-campanha. Entusiasmado, ele marcou a convenção do Podemos para 12 de março. De um lado, o ex-senador e hoje federal entra no rol dos mais cotados por causa do peso do...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.