Últimas

Segunda-Feira, 16 de Abril de 2007, 09h:08 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

De patinho feio a cisne

     Quase 30 anos depois da divisão territorial, ainda há alguns questionamentos e discussões sobre quem ganhou mais, em termos de potencialidade econômica e qualidade de vida, se nós (do Norte) ou os vizinhos sul-mato-grossenses.

     Mato Grosso do Sul não regrediu. Está em franco desenvolvimento. Mas o Mato Grosso (o do Norte), é o primeiro produtor nacional de soja e algodão, dono do maior rebanho bovino nacional e segundo de arroz. De patinho feio virou cisne.

     Quando o Estado foi dividido, a população que ficou no Sul fez festa porque considerava aqui, o Norte, um peso morto, um imenso sertão que atravancava o progresso. Na época, os próprios nortistas protestaram, apesar de terem herdado 70% do antigo território. Alegavam que só restaram-lhes o ônus, considerando que o Sul teria ficado com as melhores terras, as indústrias, a maior arrecadação, enfim, o filé mignon.

     Hoje, a história é outra. O dínamo da arrancada de Mato Grosso é a agricultura. Produtores rurais do Sul do país marcharam rumo ao Oeste para desbravar a nova fronteira agrícola. A maioria optou por Mato Grosso, com suas terras, à época, baratas, topografia plana propícia à mecanização. Parte dos latifúndios improdutivos, destinados à extração de madeira, ao garimpo e à pecuária extensiva, deram lugar a fazendas profissionalizantes e lavouras mecanizadas tocadas pela tecnologia e pela vontade de vencer dos novos migrantes.

     Impressionante como isso proporcionou mudança de cenário. Na esteira da explosão verde, o Estado foi salpicado de novas cidades. Em algumas, surgem imagens incomuns, como loiros tomando chimarrão nos bancos das praças. Os nativos tiveram que se acostumar aos sobrenomes de origem alemã e italiana.

     Em 1979, quando Mato Grosso foi desmembrado em dois Estados, a parte do Norte, que ocupa 10% do território nacional, tinha 38 municípios. Hoje, tem 141. Encravadas no campo, várias das novas cidades apresentam boas surpresas. Sapezal, a chamada terra dos Maggi, inclusive tida como principal referência pelo governador Blairo Maggi, é toda suprida por uma rede de telefonia com cabos de fibra óptica.

     Com cerca de 70 mil habitantes, Primavera do Leste tem um sistema de saúde montado para atender o dobro do número de moradores. Lucas do Rio Verde, que nasceu a partir de um projeto de colonização do Incra, está com toda a sua área agricultável e tomada por soja e algodão. O Índice de Desenvolvimento Humano, medida usada pela Organização das Nações Unidas para avaliar as condições de vida, é um dos maiores do interior do Estado. O crescimento da cidade é tanto que está atraindo uma segunda leva de migrantes, não tanto aqueles especialistas em sementes e tratores, mas médicos e outros profissionais.

     Nessas cidades interioranas, a maioria da população veio da Região Sul e conseguiu impor seus hábitos, como o chimarrão e o churrasco. Na Grande Cuiabá, a cultura pantaneira continua prevalecendo, apesar de pelo menos metade dos quase um milhão de habitantes ser formada por migrantes. Não é uma Suíça, mas evidencia o desenvolvimento e as potencialidades de Mato Grosso, mesmo enfrentando os problemas típicos das metrópoles.

     O cenário passou a ser mais otimista a partir da preocupação política e empresarial de atacar dois gargalos que atrapalham o desenvolvimento: energia e transporte. No caso do primeiro, o déficit já está praticamente eliminado. Mas, em relação à malha viária, há muito por fazer. De todo o modo, Mato Grosso não é mais o patinho feio, pois já estamos no novo ciclo da industrialização, em que pesa os agricultores, que já encheram muito o bolso por aqui, mantém a estratégia da choradeira, tudo em nome do perdão ou pela renovação de suas dívidas bancárias.

Romilson Dourado é jornalista, editor de Política de A Gazeta e escreve neste espaço às segundas-feiras

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Câmara de Barra devolve R$ 100 mil

joao rodrigues 400 presidente c�mara barra do gar�as   A Câmara Municipal de Barra do Garças devolveu à prefeitura R$ 100 mil para serem investidos em medidas de combate ao novo coronavírus. O presidente do Legislativo, vereador João Rodrigues de Souza, o doutor...

Auditor assume Secretaria de Controle

demilson nogueira 400   O auditor Newton Gomes Evangelista, servidor de carreira, é o novo secretário de Controle Interno da Assembleia. Ele já respondeu também pela Auditoria-Geral da Casa. Newton assumiu a Controladoria Interna no lugar do ex-prefeito de Ponte Branca, Demilson Nogueira (foto), que deixou o posto...

Cuiabá é a unica com tudo fechado

emanuel pinheiro curtinha   A pressão sobre o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) fica agora mais forte para flexibilizar logo o decreto restrito por causa do coronavírus. Ele é o único dos gestores das maiores cidades mato-grossenses que ainda mantém decisão de fechar praticamente tudo na Capital, com...

Deputado põe aliado no lugar do irmão

ronaldo taveira 400 curtinha   Coube ao próprio deputado Wilson Santos indicar um nome para o lugar do irmão Elias Santos, que na última sexta (3) deixou a secretaria de Gestão de Pessoas da Assembleia para concorrer a vereador em Cuiabá. E o ex-prefeito emplacou no cargo que rende R$ 19,9 mil mensais o velho...

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

Irmão de Thelma na lista dos traidores

ronaldo pimentel 400 curtinha   Na carta aberta assinada por Ricardo Saad, que preside o PSDB cuiabano, ele reclama de dívidas milionárias herdadas de antecessores, inclusive dos R$ 4 milhões de pendências somente do pleito de 2016, e menciona, entre outras coisas, que "(...) há correligionários, que estavam...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.