Últimas

Sexta-Feira, 17 de Agosto de 2007, 09h:17 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Deixem a juíza trabalhar

     O sítio do provedor de internet Terra produziu no sábado, 11 de agosto de 2007, às 2h16min, uma notícia no mínimo interessante. De acordo com o informe, no Rio de Janeiro, a juíza Mônica Labuto, responsável pelas Varas de Infância, Adolescência e do Idoso no Fórum de Madureira, resolveu trabalhar na rua em protesto. Segundo o Jornal da Globo, ela havia pedido ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro a extensão do horário de funcionamento do prédio do fórum, que hoje fecha às 21h, para dar vazão aos atos processuais, mas a alta administração negou seu pleito. A situação esdrúxula da negativa da solicitação de maior horário de funcionamento deve ser analisada com cautela, ainda que não se justifique, pois sabemos que no Rio de Janeiro o alto índice de criminalidade pode indicar a necessidade de fechamento do fórum no horário atualmente previsto (21h). No entanto, não custa lembrar que vários cidadãos buscam a Justiça para solucionar seus casos e pretendem que esta seja célere e acessível, sendo certo que não se importarão com um horário maior de funcionamento dos fóruns, afinal querem resolver os seus problemas e nada mais, seja de manhã, de tarde, de noite ou de madrugada.
     A decisão que negou maior elasticidade no horário de funcionamento mostra também outra face da Justiça, condizente a burocracia oficial, dogmas do serviço público, entre os quais se encontra a duração do expediente. O interessante é que o expediente noturno é consagrado na nossa legislação, bastando ser observada a lei que criou os juizados especiais (art. 12, Lei Federal 9.099/95), de modo que não há falta de norma para justificar a possibilidade de extensão do horário de expediente, bastando apenas vontade política para tanto.
     Outra observação que deve ser feita ao caso é a atuação da juíza, uma vez que poderia muito bem se acomodar e dizer aos cidadãos que, infelizmente, não poderá atendê-los em razão da limitação do horário, deixando de se importar com o sofrimento alheio e transformando-se de agente política do Estado em funcionária padrão lato sensu, ou seja, consagraria a máxima burocrática: faço o que é possível e apenas dentro do meu horário normal de expediente. De igual sorte, ainda nessa observação sobre a atuação, a juíza ainda mostrou uma ação diferenciada, pois, ao invés de se conformar com o que decidido pela sua Corte de Justiça, iniciou um protesto e passou a trabalhar na rua. Isso mesmo: iniciou um protesto e um protesto para poder trabalhar mais, para poder atender melhor a população que clama por solução judicial para seu caso. A sua atitude é bastante corajosa, principalmente numa classe profissional não acostumada a se manifestar, a demonstrar suas posições, a lutar por seus direitos e pelas garantias exigidas para o exercício do cargo.
     A partir de agora devemos ficar bem atentos para o desdobramento desse caso, principalmente para verificar se se concretizará retaliação superior em função do protesto pacífico realizado pela colega, que pretende apenas atender mais jurisdicionados e dar vazão rápida aos processos que estão sob sua presidência. Para isso a imprensa deve continuar bem atenta, assim como a associação classista dos magistrados fluminenses (Amaerj) e a nossa associação classista nacional (AMB). Ora, se até um dos slogans de candidato na última campanha política para a presidência da República era "deixe o homem trabalhar", por que a juíza não pode trabalhar mais, estender um pouco mais o seu horário de expediente? Deixem a juíza trabalhar!

Antônio Horácio da Silva Neto é presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam). E-mail: ahsneto@terra.com.br


 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

Bezerra ignora filiado do seu filiado

carlos bezerra 400   Carlos Bezerra (foto), o "cacicão" do MDB, abandonou antes da hora o palanque de Emanuel Pinheiro, mesmo se tratando do filiado mais importante em representatividade partidária no Estado. Bastou a pesquisa Ibope mostrar que o prefeito da Capital estava atrás de Abílio nas intenções de...

Sob ataques e humilhação e vitorioso

emanuel pinheiro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (foto) se emocionou ao falar com a imprensa neste domingo, pela primeira vez como prefeito reeleito. Lembrou que foi atacado não só neste período eleitoral, mas desde o início do mandato. Destacou a aprovação popular, com 86% de avaliação...

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

MAIS LIDAS