Últimas

Sexta-Feira, 17 de Agosto de 2007, 09h:17 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Deixem a juíza trabalhar

     O sítio do provedor de internet Terra produziu no sábado, 11 de agosto de 2007, às 2h16min, uma notícia no mínimo interessante. De acordo com o informe, no Rio de Janeiro, a juíza Mônica Labuto, responsável pelas Varas de Infância, Adolescência e do Idoso no Fórum de Madureira, resolveu trabalhar na rua em protesto. Segundo o Jornal da Globo, ela havia pedido ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro a extensão do horário de funcionamento do prédio do fórum, que hoje fecha às 21h, para dar vazão aos atos processuais, mas a alta administração negou seu pleito. A situação esdrúxula da negativa da solicitação de maior horário de funcionamento deve ser analisada com cautela, ainda que não se justifique, pois sabemos que no Rio de Janeiro o alto índice de criminalidade pode indicar a necessidade de fechamento do fórum no horário atualmente previsto (21h). No entanto, não custa lembrar que vários cidadãos buscam a Justiça para solucionar seus casos e pretendem que esta seja célere e acessível, sendo certo que não se importarão com um horário maior de funcionamento dos fóruns, afinal querem resolver os seus problemas e nada mais, seja de manhã, de tarde, de noite ou de madrugada.
     A decisão que negou maior elasticidade no horário de funcionamento mostra também outra face da Justiça, condizente a burocracia oficial, dogmas do serviço público, entre os quais se encontra a duração do expediente. O interessante é que o expediente noturno é consagrado na nossa legislação, bastando ser observada a lei que criou os juizados especiais (art. 12, Lei Federal 9.099/95), de modo que não há falta de norma para justificar a possibilidade de extensão do horário de expediente, bastando apenas vontade política para tanto.
     Outra observação que deve ser feita ao caso é a atuação da juíza, uma vez que poderia muito bem se acomodar e dizer aos cidadãos que, infelizmente, não poderá atendê-los em razão da limitação do horário, deixando de se importar com o sofrimento alheio e transformando-se de agente política do Estado em funcionária padrão lato sensu, ou seja, consagraria a máxima burocrática: faço o que é possível e apenas dentro do meu horário normal de expediente. De igual sorte, ainda nessa observação sobre a atuação, a juíza ainda mostrou uma ação diferenciada, pois, ao invés de se conformar com o que decidido pela sua Corte de Justiça, iniciou um protesto e passou a trabalhar na rua. Isso mesmo: iniciou um protesto e um protesto para poder trabalhar mais, para poder atender melhor a população que clama por solução judicial para seu caso. A sua atitude é bastante corajosa, principalmente numa classe profissional não acostumada a se manifestar, a demonstrar suas posições, a lutar por seus direitos e pelas garantias exigidas para o exercício do cargo.
     A partir de agora devemos ficar bem atentos para o desdobramento desse caso, principalmente para verificar se se concretizará retaliação superior em função do protesto pacífico realizado pela colega, que pretende apenas atender mais jurisdicionados e dar vazão rápida aos processos que estão sob sua presidência. Para isso a imprensa deve continuar bem atenta, assim como a associação classista dos magistrados fluminenses (Amaerj) e a nossa associação classista nacional (AMB). Ora, se até um dos slogans de candidato na última campanha política para a presidência da República era "deixe o homem trabalhar", por que a juíza não pode trabalhar mais, estender um pouco mais o seu horário de expediente? Deixem a juíza trabalhar!

Antônio Horácio da Silva Neto é presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam). E-mail: ahsneto@terra.com.br


 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....

Misal é reeleito para o 10º mandato

misael galv�o 400 curtinha   Após dois anos fora do comando do Shopping Popular, período em que respondeu pela presidência da Câmara da Capital, o ex-vereador Misael Galvão (foto) voltou à direção do empreendimento, que abriga 500 lojas. E, sob forte...

Oscarlino, Pros e "nocaute" em Gisela

oscarlino 400   Na queda-de-braço dentro do Pros por espaço político, o ex-sindicalista Oscarlino Alves (foto) nocauteou a ex-superintendente do Procon-MT, Gisela Simona. Ele foi um dos filiados que não aceitaram apoio a Abílio na disputa de segundo turno para prefeito de Cuiabá, se aliou ao projeto de...

Promotor recebe medalha do Exército

Mauro Zaque curtinha   O promotor de Justiça Mauro Zaque (foto) foi condecorado com a medalha do Exército Brasileiro na manhã desta segunda (19), no dia da instituição. A solenidade é considerada a segunda maior do Exército Brasileiro, foi reservada por conta da pandemia e contou com a...

Sema reabre os parques em Cuiabá

mauren lazzaretti sema 400   Fechados desde 1º de abril, em obediência às regras de decreto municipal, que suspendiam as atividades coletivas, os parques estaduais urbanos de Cuiabá reabrem nesta segunda (19) para utilização pelo público. Será possível acessar as tradicionais trilhas...

Pilha em Jayme pra disputar o Governo

jayme campos 400   Mesmo sabendo que Jayme Campos (foto) não entra em disputa onde percebe dificuldades para vencê-la e militando no mesmo partido de Mauro Mendes, o DEM, algumas lideranças políticas têm instigado o senador a se lançar ao governo estadual. Para tentar convencer Jayme, lançam...

MAIS LIDAS