Últimas

Sábado, 20 de Janeiro de 2007, 08h:24 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Democracia e reforma política

    "Políticos eleitos deveriam agir em nosso nome, não no seu próprio, e nem do seu grupo de interesses". É o que comenta o professor Waldir Bertúlio, em artigo neste sábado (20) em A Gazeta. Leia reprodução abaixo.

    Nosso sistema político está assentado no republicanismo, trazendo à baila elementos essenciais à sociedade democrática. Sobretudo a favor de necessidades e interesses colocados como agenda para os representantes eleitos. Por que os governantes são chamados mandatários? Exatamente por que os cidadãos (eleitores) são os que mandam. Por isso, são denominados de mandantes. Políticos eleitos deveriam agir em nosso nome, não no seu próprio, e nem do seu grupo de interesses. Classicamente entende-se o conjunto de relações estabelecidas entre os cidadãos, governantes e parlamentares eleitos como representação política. Na democracia, os sujeitos detentores de soberania política teriam que ser necessariamente os eleitores, que a utilizariam para autorizar governantes e parlamentares a agirem em seu nome. Os que exercem cargos no poder Executivo - seja presidente, governador, prefeito -, ou dos poderes Legislativos, senadores, deputados federais, estaduais e vereadores, teriam que subordinar a transparência e permanente perda dos mandatos quando exercidos fora do ethos público.

   A vigência da democracia ocorre na medida em que essas representações sejam uma escolha de fato, democrática, e não uma farsa nas mãos de quem detém dinheiro e poder governamental para se eleger e reeleger. Um ponto essencial da representação nos mandatos deveria corresponder às necessidades e anseios dos que delegam a representação. Daí a discussão da legitimidade, que diz respeito à perspectiva de que as ações políticas sejam rigorosamente transparentes, satisfazendo as expectativas da maioria dos cidadãos. Representantes e representados teriam que manter uma linha permanente centrada no que se entende por processo decisório. Isto é, o representante não decide por si próprio, mas a partir do potencial dos eleitores "mandantes" imporem com visibilidade suas necessidades e preferencias. Acompanhando, fiscalizando e cobrando, especialmente as omissões e desvios dos chamados representantes do povo.

   A reforma política, tão recusada pelo "status quo" da maioria dos políticos, que desejam manter as relações de poder como estão, não pode ser entendida como uma simples mudança nas regras eleitorais. Não pode ser um verniz, mas sim um mergulho profundo nas raízes e princípios do republicanismo. Significa também um olhar revisor sobre uma reforma dos poderes institucionais. Remete para uma agenda com desdobramentos que chegam até a polêmica autonomia do Banco Central.

  Estou relendo e recomendo a leitura da obra "Reforma política no Brasil", Leonardo Avritzer e Fátima Anastásia como organizadores (ed. UFMG 2006). A obra mostra a complexidade e o desafio que é uma verdadeira reforma. Uma reflexão consistente aos que esperam e lutam pelo aprofundamento democrático no Brasil. Especialmente frente à tão negada crise política explodindo no campo institucional e constitucional desde 2005. O estiolamento ético das instituições políticas coloca um palco da deslegitimação das representações, ponto essencial para uma reforma do comportamento político. Tomando a relação dos poderes públicos com o espaço societal, temos um outro conjunto, que é o da reforma dos padrões de interação política. Nesta obra, o dilema: O quê, por que e como reformar?

   Uma outra obra, "A voz do povo: opinião pública e democracia", de Fishkin (Yale University Press 1995), aponta caminhos para transformar as casas legislativas em "cidades mágicas". A idéia é de que as casas legislativas sejam verdadeiros espaços de interação entre os representantes e os representados. Provém de um filme de Jimmy Stewart, onde uma fictícia cidade é uma amostra representativa do país, através dos seus habitantes. Por quê? Simplesmente, a população adentra a um processo de deliberação, debate e discussão dos seus problemas, expondo o pluralismo dos pontos de vista e perspectivas da ação de seus representantes políticos.

  No Brasil, os órgãos e espaços decisórios tem representação democrática?

Waldir Bertúlio é sanitarista, professor da UFMT e escreve em A Gazeta aos sábados

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

DEM, bate-cabeça e plano B frustrado

fabinho garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal e empresário Fábio Garcia (foto) acabou deixando o DEM órfão de candidatura a prefeito da Capital. Numa conversa com o governador Mauro, seu padrinho político, Fabinho o assegurou que iria sim disputar o Palácio Alencastro, mesmo pedindo trégua por...

Mauro sofre 2 derrotas para Emanuel

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto), principal estrela do DEM em MT, acabou amargando duas derrotas em Cuiabá para o prefeito Emanuel, neste ano, embora não tenha sido candidato nas urnas. Em princípio, buscou candidatura própria com o seu partido, mas todos os nomes possíveis, como de Gilberto, Gallo,...

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

MAIS LIDAS