Últimas

Quinta-Feira, 30 de Abril de 2009, 07h:45 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:23

LEGISLATIVO

Deputada Chica cria até Dia dos Amantes do Flash Back

Clique na imagem para ampliação
Com salário de R$ 15 mil e ainda mais R$ 15 mil de verba indenizatória, Chica Nunes (PSDB) apresenta projeto para agradar amantes do flash back  e vira motivo de "gozação" até mesmo entre os deputados

  Depois do deputado petista Ademir Brunetto apresentar e ver aprovado o seu projeto que cria o Dia Estadual do Abraço, a ser "comemorado" em 23 de setembro, marcando início da Primavera - saiba mais aqui -, agora é a vez de sua colega Chica Nunes (PSDB) obter aval dos colegas da Assembleia a sua proposta inusitada e tida como "sem importância" que institui o "Dia dos Amantes do Ritmo Flash Back".  Esse projeto foi apresentado pela tucana em 17 de dezembro do ano passado e recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça nesta terça (28). Agora está pronto para ir à votação em plenário.

  Quem preside a CCJ é o deputado evangélico Sebastião Rezende (PR). O peemedebista Nilson Santos é o vice-presidente. Atuam como membros titulares Dilceu Dal Bosco (DEM), Airton Rondina, o Português (PP), Percival Muniz (PPS) e Antônio Brito (PMDB). São suplentes José Domingos (DEM), Maksuês Leite (PP), Wagner Ramos (PR) e a própria Chica.

   Este não é o primeiro projeto inusitado da trajetória política de Chica, esposa do ex-vereador e prefeito cassado de Barão de Melgaço Marcelo Ribeiro. Quando ocupava cadeira de vereadora pela Capital, ela conseguiu aprovar um projeto que obriga os comerciantes a usar assento nos vasos sanitários.

   Quase todos os deputados acabam fugindo de suas principais missões que são apresentar e debater projetos macro e outros proposituras e de fiscalizar os atos do Poder Executivo. Proposta como a apresentada por Chica acaba motivando "gozação" e, ao mesmo tempo, frustra a população, principalmente quando descobre que cada um dos 24 deputados ganha próximo de R$ 15 mil mensais, tem direito a mais R$ 15 mil de verba indenizatória, controla R$ 30 mil de despesas para gabinete e outros privilégios e regalias, como um veículo Corolla à disposição do gabinete.

  Em sua justificativa, Chica Nunes, que já enfrenta desgaste por causa da acusação de envolvimento num rombo de R$ 6 milhões no período em que foi presidente da Câmara Municipal de Cuiabá (2005/2006), destaca que o "Dia dos Amantes do Ritmo Flash Back" deve ser comemorado todo dia 17 de setembro. Ela observa que "esse ritmo foi muito tocado, apreciado e dançado na Jovem Guarda, nas décadas de 60, 70 e 80, contagiando jovens da época". "É um ritmo belíssimo e precisa muito de incentivo para que continue por outras gerações".

   A deputada alega que seu projeto busca motivar "as famílias e amigos a se reunirem todo 17 de setembro para dançar e cantar juntos com diversas bandas e cantores amantes do estilo musical". Conta que a Baixada Cuiabana e o Médio-Norte viveram os embalos dos clubes Náutico (Timoneiro do Porto), Grêmio Recreativo Antonio João, Dom Bosco (Clube da Colina), Operário, Sayonara, Balneário Santa Rosa, Macaúba de Nortelândia, CCR de Poconé, BBR de Santo Antônio do Leverger e Clube Social de Rosário Oeste.


O projeto de Chica foi apresentado em dezembro e, na última 3ª, recebeu parecer favorável da CCJ

Postar um novo comentário

Comentários (78)

  • Jésus | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Dep. Chica, a Sr. com o seu progeto Amantes do Ritmo Flasc Back envergonha o povo Matogrossense. Tenha um ato de grandeza e retire da pauta da Assembléia esse absurdo.

  • Elza | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0


    Tenho vergonha de dizer que esses são os representantes de nosso povo!!!!

  • GONÇALINA BEIRA RIO | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas.
    Queira, por gentileza, refazer o seu comentário.

  • Joana | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Eta chiquinha, isso ai é bem a sua cara. Vai trabalhar, e para de gastar nosso dinheiro com progetos ridículos, isso é uma vergonha para nós matogrossences.

  • pedro | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0



    Novo “Maluf” do MT: No rastro de um rombo milionário

    Por Vasconcelo Quadros, JB Online, 19 abr 09.

    BRASÍLIA - Corre em segredo no Superior Tribunal de Justiça (STJ) um dos mais rumorosos casos de corrupção envolvendo autoridades estaduais em processos sobre desvio de dinheiro público. Os indiciados são o conselheiro do Tribunal de Contas do Mato Grosso, Humberto Melo Bosaipo, e o deputado José Geraldo Riva (PP), presidente da Assembléia Legislativa do Estado, alvos de 19 ações penais – todas elas transformadas em processos e distribuídas aos 15 ministros do STJ. Os dois respondem ainda a outras 80 ações por improbidade administrativa em tramite na Justiça cível mato-grossense e ainda 20 inquéritos abertos pelo Ministério Público estadual, que busca o ressarcimento dos valores supostamente desviados. No total, Riva e Bosaipo respondem, por enquanto, a 119 procedimentos judiciais.

    As ações penais foram transferidas para o STJ porque Bosaipo, ex-deputado estadual, ganhou foro privilegiado ao virar, em 2007, conselheiro do TCE, arrastando Riva junto. A última delas chegou a Brasília na semana passada. Os promotores que investigam a dupla têm dificuldades para contabilizar os recursos que sumiram dos cofres da Assembléia Legislativa. As estimativas mais realistas apontam, no entanto, para algo em torno de R$ 120 milhões desde que Riva e Bosaipo passaram a se revezar no comando da Casa nos últimos 13 anos – um como presidente e o outro como primeiro secretário, funções que permitem o controle total de um orçamento que gira atualmente em torno de R$ 18 milhões por mês ou R$ 216 milhões/ano.

    Presidente da Casa pela quarta vez, eleito este ano por todos os 24 deputados, Riva é o mais articulado dos dois. Ex-contador e ex-corretor de imóveis que chegou pobre a Juara – município ao Norte do estado, já na Amazônia matogrossense – no início da década de 80, hoje é um homem realizado. Milionário e carismático, é dono de um verdadeiro império financeiro e – segundo concordam amigos e adversários – principal liderança política regional, controlando entre 70% a 80% da força eleitoral representada pelos 141 municípios e entre os cerca de 1.400 vereadores. Riva é um midas da política e das finanças, uma espécie de Maluf do Mato Grosso: embora responda a 119 procedimentos judiciais – todos referentes a denúncias de corrupção, um a menos que seu correligionário paulista, nada pega contra ele. É como se fosse protegido pelo chamado efeito teflon.

    As coincidências entre os dois pepistas passam também pelo domínio de um considerado feudo eleitoral, aptidão para administrar e, segundo o Ministério Público, desviar recursos públicos. O esquema supostamente criminoso operado por Riva é provinciano, mas mais pesado quando se observa a parceria nos negócios.

    O promotor Célio Fúrio diz que, do montante desviado, pelo menos R$ 63 milhões foram branqueados pela dupla Riva-Bosaipo na Confiança Factoring, uma lavanderia de dinheiro sujo que pertence a ninguém menos que João Arcanjo Ribeiro, um ex-policial civil conhecido por comendador (ele ganhou a honraria da Câmara Municipal de Cuiabá) que durante duas décadas comandou o crime organizado com mãos de ferro e semeou terror no Mato Grosso.

    Segundo o MP, o dinheiro foi desviado numa lenta e contínua sangria em que a dupla, ordenadora das despesas, emitia cheques da Assembléia, mandava funcionários trocar por dinheiro com o comendador e, assim que a Assembléia recebia seu quinhão do governo mensalmente, honrava a dívida. Conforme a investigação, os R$ 53 milhões foram usados basicamente para pagar despesas pessoais e compromissos da dupla nas sucessivas campanhas eleitorais que participaram.

    BRASÍLIA - Ex-contador da Prefeitura de Juara, Riva virou prefeito da cidade em 1982, então com 23 anos, o mais jovem do país. Sua renda à época era tão curta que, ao terminar o mandado, seis anos depois, comprou um Fiat 147 usado, que quase não saía da oficina, e passou a circular na região vendendo anúncios para um jornal que lançava no Norte do Estado. Na paralela, vendia imóveis e, dizem os adversários, realizava alguns negócios não muito republicanos com guias de transporte de madeira (ATPF). Tentou, sem sucesso, virar deputado estadual em 1990, mas continuou insistindo e, em 1994, finalmente, conseguiu se eleger. Começava ali a mais longa dobradinha para controlar a Mesa Diretora da Casa. Sua declaração de bens entregue à justiça eleitoral em 2006 registra um patrimônio em torno de R$ 2,6 milhões, dos quais R$ 1.510.237.00 em dinheiro vivo depositado em vários bancos e R$ 630 mil em créditos referentes a dinheiro emprestado. O restante está distribuído em imóveis em Cuiabá, Juara e Porto dos Gaúchos.

    Dirigente do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), o ativista Gilmar Brunetto sustenta que o patrimônio de Riva não declarado é incalculável, mas que seguramente o coloca entre os homens mais ricos do Mato Grosso.

    – Ele tem negócios que passam pelas áreas imobiliária, pecuária, frigoríficos, comunicação, agricultura, comércio de combustíveis e garimpo, a maior parte em nome de laranjas – diz Brunetto. Outro ativista, Ademar Adms, coordenador da ONG Moral, diz que o deputado estadual José Riva comanda uma bancada de quatro deputados federais, entre os quais o mais fiel é Eliene Lima, eleito exclusivamente com o prestígio do presidente da Assembleia.

    – O Riva hoje é mais forte que o Blairo Maggi – diz Adms, ao se referir ao empresário e governador do Mato Grosso, o rei da soja e do agronegócio.

    Durante os últimos 13 anos, Riva e Bosaipo se revezaram no controle da Mesa diretora da Assembleia estadual e das finanças. Segundo o MP e os adversários, graças a generosa distribuição de benesses entre os colegas, a autoridades de outros poderes e a um arrojado esquema de gastos em publicidade nos veículos de comunicação locais, raramente são questionados.

    Ao deixar Juara, em 1995, Riva levou para Cuiabá um grupo de amigos que entendia de contabilidade e, com ele, montou o que o Ministério Público considera o maior esquema de fraude para desviar recursos de uma única conta bancária, a de número 86.100, aberto pela assembleia no Banco do Brasil. Num espaço de quatro anos, entre 1998 e 2002, foram emitidos centenas de cheques – cujos valores variavam de R$ 100 a mais de R$ 4 milhões – nominais a empresas fantasmas criadas pela dupla para simular o pagamento a fornecedores e descontar, em forma de empréstimos, na Confiança Factoring.

    O MP já listou cerca de 80 empresas, mas o número deve aumentar. Para cada uma delas foi aberta uma investigação, o que eleva para 119 a carga judicial que tramita em Mato Grosso e em Brasília sobre os ombros de Riva e Bosaipo. Segundo o MP, tudo funcionava como se fosse operação de fomento mercantil. – Para completar o rombo, posteriormente os cheques eram compensados ou sacados em prol da Confiança Factoring, fechando assim o círculo criminoso de desvio de dinheiro público – diz o promotor Célio Fúrio.

    Enquanto isso...

















    E-mail verificado pelo Terra Anti-Spam.
    Para classificar esta mensagem como spam ou não spam, clique aqui.
    Verifique periodicamente a pasta Spam para garantir que apenas mensagens
    indesejadas sejam classificadas como Spam.


    Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
    Atualizado em 27/04/2009

  • Julinho Trip | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Parabéns Dep. Chiquita Bacaina, a sra. bateu um recorde deste blog. Foi unanimidade. Rufaram o pau á vontade. MERECIDAMENTE.

  • haroldo lima cruz | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    É POR ESSAS E OUTRAS QUE DEVEMOS TER O DIA DO VAGABUNDO E DA VAGABUNDA !!!

  • Murilo Mendonça | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    E o Dia das Parlamentares Corruptas, ou Dia das Amantes do Dinheiro Público, quando será, deputada Chica???

  • mauro | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    ESTOU ENVERGONHADO, MAS DE QUALQUER FORMA EU APROVO ESTE PROJETO, MUITO IMPORTANTE PARA A POPULAÇÃO, SÓ ASSIM O MUNDO FICA SABENDO QUE NÓS NÃO TEMOS O QUE FAZER ! E FICAMOS BRINCANDO COM OS EMPRÉSTIMOS FINANCEIROS QUE PEDIMOS PARA AJUDAR O ESTADO, ACHO QUE ESTE PROJETO DEVE IR PARA O BNDS., EUFIQUEI MUITO LISONGEADO COM ESTE PROJETO DE MERDA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • mane porrete | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    ISSO AI DEP CONSEGUI UNANIMIDADE NO BLOG FORAM TODOS CONTRA VC, PELO MENOS ESTA FAZENDO SUA PLATAFORMA PARA PROXIMAS ELEICOES DE PORTEIRA DE BOATE. MAS ESSE ASSUNTO DA VELHA GUARDA ME LEMBRO TBEM DE V A N D E R LE I A.FUI

Mais jovem prefeito sucede familiares

Rog�rio Meira_400 jangada   O mais jovem entre os prefeitos eleitos e/ou reeleitos de MT, Rogério Meira (foto), tem um histórico de vida pública, mesmo tendo apenas 24 anos. Atualmente, ele exerce mandato de vereador por Jangada e foi eleito prefeito da cidade ao obter 1.699 votos, 9 a mais que o...

Base forte de EP para Mesa Diretora

juca do guaran� curtinha 400   A base do prefeito Emanuel Pinheiro para o segundo mandato, embora com quatro virtuais candidatos à presidência da Mesa Diretora, está construindo o discurso de que não pode rachar sob o risco de entregar o comando do Legislativo para a oposição....

Deputado ajudou a enterrar Binotti

neri 400 curtinha   O deputado federal Neri Geller (foto), que se acha um grande líder político, ajudou a enterrar nas urnas o projeto de reeleição do prefeito Luiz Binotti (PSD), derrotado à reeleição. Perdeu para o ex-vice-prefeito Miguel Vaz (Cidadania), que contou com apoio do ex-prefeito e atual...

Euclides "torra" R$ 8 mi na campanha

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado milionário Euclides Ribeiro (foto), que tem na carteira de clientes grandes produtores rurais, registra R$ 8,2 milhões de receitas e despesas de campanha ao Senado. Concorrendo pelo Avante, Euclides só chegou a 58.455 votos. Ficou em nono lugar, à frente apenas de Reinaldo...

Fávaro é quem mais gastou ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   O senador reeleito Carlos Fávaro (foto) foi o que mais gastou na campanha. Oficialmente, arrecadou R$ 11,7 milhões. As maiores contribuições financeiras vieram de empresários do agronegócio. Orcival Guimarães, dono de rede de empresas de implementos agrícolas, doou...

Beto deve repensar projeto a federal

beto farias 400 curtinha   A derrota nas urnas do seu afilhado político, vice-prefeito Wellington Marcos (DEM), que tentou o Executivo de Barra do Garças e ficou em segundo lugar, obtendo somente metade dos votos em relação aos atribuídos ao eleito Adilson Gonçalves, pode levar o prefeito Beto Farias (foto)...