Últimas

Quinta-Feira, 08 de Fevereiro de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

JUDICIÁRIO

Deputado perde no TSE e recorre ao Supremo

Caso seja cassado, a vaga na AL ficará com Barreto

     O Tribunal Superior Eleitoral indeferiu nesta quinta (8) recurso extraordinário interposto pelo deputado estadual Percival Muniz (PPS), considerado inelegível por conta de pendência de um convênio com a Prosol, quando era prefeito de Rondonópolis. A decisão representa mais uma derrota jurídica de Muniz, que corre risco de perder o mandato. Só resta agora ao parlamentar garantir no Supremo Tribunal Federal, que julga apenas matérias que ferem a Constituição, o direito de se defender diretamente.

    Como o TSE não concordou com o recurso de Muniz, que pedia autorização para o julgamento do seu processo ser realizado pelo Supremo, ele deve ingressar agora com um agravo no STF. Terá três dias de prazo para isso. Caso o relator recuse o pedido, os advogados de Percival Muniz impetrarão agravo regimental para o julgamento ser feito em plenário, ao invés de sair de decisão monocrática.

   Perguntado sobre risco de perda em definitivo do mandato devido a mais essa derrota jurídica, Muniz pondera. "Desde o início eu e meus advogados já esperávamos por isso. Mas ainda há muitos recursos e esse processo ainda vai demorar um bom tempo". De todo modo, somente o Supremo pode salvar o mandato de  Muniz, eleito deputado com 41.719 votos, o mais votado da coligação PPS/PFL, que conquistou 10 vagas. Ele está na condição de inelegível e só assumiu o mandato porque o processo está sub judice. Caso o parlamentar seja cassado, a vaga na Assembléia ficará com o suplente Hermínio Jota Barreto (PR).

    Confusão jurídica     

    O processo que caminha para perda do mandato de Muniz reúne 3 volumes, que somam 608 páginas. Tem origem no convênio 020, de 98, formalizado entre a Prefeitura de Rondonópolis, então sob comando de Alberto de Carvalho (PMDB), e a Fundação de Promoção Social (Prosol), presidida à época pela primeira-dama do Estado e hoje deputada federal Thelma de Oliveira (PSDB).

   Um projeto apresentado por Alberto e aprovado pela Câmara Municipal resultou na Lei 2.962, que definiu que R$ 48,9 mil (sendo R$ 44,5 da Prosol e R$ 4,4 mil de contrapartida da Prefeitura) deveriam ser repassados à Unidade Educacional Pró-Menor e ao Lar do Menor Casa de Davi para aquisição de gêneros alimentícios e manutenção, conforme previa o plano de trabalho.

     Essas entidades prestam serviço a crianças de 7 a 14 anos em regime de abrigo. Os R$ 48,9 mil foram feitos em 8 parcelas. O convênio teve validade de julho de 98 a fevereiro de 99. Alberto se afastou do cargo a partir de 20 de dezembro de 98 e renunciou ao mandato em fevereiro de 99 (2 meses depois). No seu período, prestou contas do convênio. O mesmo foi feito pelo sucessor Muniz.

       O TCE faz o primeiro questionamento sobre o convênio, quando observa que as notas fiscais de compra de gêneros alimentícios estavam em nome das 2 entidades e não da prefeitura. O Município, por sua vez, encaminha cópias do convênio feita com a Prosol, das entidades e da lei autorizativa. O Tribunal se dá por convencido, mas levanta um outro erro: a falta de licitação sobre valor de R$ 19.013,02 mil destinado às 2 entidades (a lei só permite compra dentro do mês sem licitação até R$ 8 mil).

    Por fim, o TCE rejeita a prestação de contas do convênio. No ano passado, Muniz se candidata e conquista uma cadeira de deputado. No TRE tem a prestação de contas da campanha aprovado, é diplomdo e empossado. Nesse interím, o Ministério Público Eleitoral ingressar com uma representação, levantando a inelegibilidade devido à rejeição, pelo TCE, das contas do convênio. Muniz, então, recorre ao TSE, que nesta quinta emitiu a segunda decisão desfavorável ao deputado do PPS.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Covid mata 20º pastor da Assembleia

aparecido domingues pastor cidao 400   Morreu neste sábado mais um pastor da Assembleia de Deus em consequência da Covid-19. Aparecido Francisco Domingues, o Cidão (foto), que era vice-presidente em Paranaíta, é o 20º pastor da Igreja em Mato Grosso a vir a óbito, após ser infectado pelo novo...

Os virtuais candidatos a governador

ygor moura 400   Mesmo que timidamente, alguns começam a externar, em privado, o desejar de disputar o governo estadual por um bloco de oposição, contrapondo o projeto de reeleição de Mauro Mendes. O empresário Ygor Moura (foto), da rede de clínicas de depilação Espaçolaser,...

Nomes "de fora" pra deputado federal

valtenir pereira 400   Enquantos os oito deputados da bancada federal de MT (Barbudo, Medeiros, Leonardo, Rosa Neide, Juarez, Bezerra, Emanuelzinho e Neri) vão em busca da reeleição, na esperança de continuarem em Brasilia por mais quatro anos, outros líderes correm por fora, dispostos a também entrar na...

Todos federais vão tentar a reeleição

carlos bezerra 400   Todos os oito deputados federais mato-grossenses estão trabalhando projeto de reeleição. Mas um resolveu espalhar, em paralelo, a ideia de tentar o Senado: Neri Geller (PP). Sabe-se, porém, que a jogada do deputado de Lucas do Rio Verde e que já foi ministro da Agricultura não passa de...

Mil cestas básicas vão para músicos

alberto machado 400   O secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está comemorando a decisão do governador Mauro Mendes e da primeira-dama Virginia Mendes, que desenvolve ações sociais de forma voluntária, de disponibilizar mil cestas básicas para...

Assembleia cede espaço pra vacinação

Eduardo Botelho _ 400   O prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro procurou e encontrou apoio da Assembleia para ampliar locais de vacinação da população contra Covid-19. Em reunião nesta sexta entre o prefeito e os deputados Eduardo Botelho (foto), Paulo Araújo e João José, que preside a...