Últimas

Quinta-Feira, 12 de Julho de 2007, 09h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Desenvolvimento com justiça social

     Para iniciar este primeiro de uma série de artigos que farei a respeito do desenvolvimento do estado de Mato Grosso, motivado pelas recentes reportagens sobre ZPE (Zona de Processamento de Exportação), reitero a pergunta que já fiz em outras ocasiões: - O que mais almeja a sociedade brasileira senão a estabilidade política, instituições consolidadas e permanentes, valores morais e éticos reconstruídos, obediência à Constituição Federal, e o que é mais importante para o nosso povo, desenvolvimento econômico, trazendo em seu bojo, emprego, educação, saúde e a cidadania plena?
     A indagação, por si só, tem algo de insólito, de paradoxal, pois a única saída para o nosso estado, e consequentemente nosso país, é um amplo pacto social, que privilegie o homem, o trabalhador e os humildes, na mantença de sua dignidade. E, assim, por que não perseguir, se cremos, em determinada solução que convém a todos, sem distinção de classes ou grupos? O nosso estado já exigia, e exige, ainda hoje, mudanças. Clama insistente pelo desenvolvimento econômico, viés obrigatório para uma sociedade mais justa e menos discriminatória.
     Não é a primeira vez que me aposso do ânimo de escrever sobre o desenvolvimento de nosso Mato Grosso, e nesse resgate da memória vem junto um senso de civismo, de responsabilidade comum, com a noção de dever para com a sociedade. Torna-se urgente repensar o próprio estilo de governar, a maneira de ser e agir, conferindo nas ações maior simplicidade, melhor qualidade no atendimento aos investidores, maior rapidez nas aprovações de seus projetos, para a real implantação de seus empreendimentos.
     Para que haja concretamente o desenvolvimento econômico, é necessário entender que o capital financeiro não tem pátria ou lugar definido. Sua bandeira é do infinito. Vai realmente se instalar onde lhe sejam asseguradas as condições de estabilidade econômica e social e em seu bojo as concretas possibilidades de lucro. É ingênua utopia imaginar-se que o empresário investidor queira assimilar restrições que, de uma forma ou de outra, venham comprometer suas margens, apenas movidos por sentimentos nobres ou por solidariedade política, principalmente num estado como o nosso, com gravíssimos problemas estruturais.
     Com o governo de Carlos Gomes Bezerra (1987/1990), que tive a honra de ser secretário de Indústria, Comércio e Turismo, e ser testemunho no deslanche do processo desenvolvimentista, expresso estratégica e prioritariamente pela industrialização de nosso estado, transformando a nossa produção agrícola, agregando-lhe valores e criando empregos em nosso estado, surgiu o Prodei (Programa de Desenvolvimento Industrial), o primeiro programa de incentivos fiscais do País!      Conseguiu-se, também, com muita luta, a aprovação da ZPE de Cáceres, inexplicavelmente paralisada, e que volta atualmente aos noticiários econômicos de nosso País, como estratégica e fundamental para o crescimento econômico; teve início a fabricação do açúcar, que alicerçou as destilarias existentes para hoje transformar o nosso estado em um dos maiores produtores de açúcar e álcool, e agora o biodiesel; e a Ferronorte, com a liberação de incentivos da SUDAM e outros setores que foram desenvolvidos, que falaremos nos próximos artigos.
     O governador Carlos Bezerra jamais mediu esforços. Tornou como prioridade de governo o atendimento a empresários que se dirigiam a nosso estado para os devidos investimentos. Dedicou-se a explorar exaustivamente os potenciais de nosso estado, a seu ver inesgotável, para contribuir com o desenvolvimento de nosso País. Colocou toda a máquina administrativa a este propósito, inseriu neste processo as entidades de classe produtivas e motivou toda a comunidade para o definitivo progresso de Mato Grosso.
     O governador Carlos Bezerra provou, com suas ações, que o desenvolvimento econômico não depende única e exclusivamente do consenso político e sim da linha dialética e do programa de governo adotado, e a participação de toda a comunidade, atos constantes na experiência histórica do seu governo. Um governo de realizações, apesar da feroz oposição que lhes movia determinadas facções da sociedade, principalmente o setor radical ambientalista que, por exemplo, atrasou irresponsavelmente, por quase três anos, a instalação da Cervejaria Antarctica, indústria exemplo de proteção ambiental.
     Com seu carisma, programa de metas definido, pronto atendimento aos investidores, o governador Carlos Bezerra revolucionou a fisionomia econômica de Mato Grosso. Pôs em marcha o processo de industrialização e abriu para todos os mercados o nosso estado, diversificando totalmente a produção agrícola e industrial. Foram US$ 2,5 bilhões de investimentos em três anos e meio de governo, que propiciaram a criação de 40 mil empregos diretos, com total dedicação à saúde, à educação, segurança pública, saneamento básico...
     Sempre lúcido e objetivo, o governador Carlos Bezerra dizia, em suas palavras dirigidas nas reuniões com empresários e investidores, que “se quisermos promover o desenvolvimento econômico, devemos proceder uma transformação social, mobilizando os recursos humanos, políticos, entidades organizadas” e, ainda, “quando um governo decidido, toma nas mãos os seus próprios destinos, em sintonia com a sociedade, com a intenção de minimizar os seus sofrimentos e angústias, combatendo a miséria, a pobreza absoluta, fazendo ressurgir o homem, como elemento vital,  não há força política ou ideológica capaz de lhe deter os seus passos!”.

Edson Tarcísio de Oliveira Campos, ex-secretário de Indústria, Comércio e Turismo de Mato Grosso( edsontarcisio@hotmail.com )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Relação tensa e agora sem assessores

niuan ribeiro 400 curtinha   A relação política entre o prefeito Emanuel Pinheiro e o vice Niuan Ribeiro (foto), em Cuiabá, deve azedar ainda mais. Ambos estão rompidos politicamente desde o ano passado. Niuan, que atua no 6º andar do Palácio Alencastro de olho nas ações de Emanuel, que...

PEC da Previdência na pauta nesta 5ª

dilmar dal bosco 400 curtinha   A polêmica e controversa PEC da Previdência, apresentada pelo governador Mauro, deve ser apreciada nesta quinta, em primeira votação, pelos deputados. O Executivo conseguiu os votos mínimos necessários para conseguir aprovação. Deputados da oposição...

Caminho bem consolidado à reeleição

leonardo 400 curtinha   Dos prefeitos que podem ir à reeleição de cidades pólos, o que encontra situação mais confortável é Leonardo Bortolini, o Léo (foto), de Primavera do Leste. Bem articulado e habilidoso politicamente e com uma relação extensa de obras e...

PSDB e balão de ensaio para prefeito

paulo borges 400 curtinha   Bastante enfraquecido e fragilizado, após perda do comando do Executivo estadual e de quadro de filiados, o PSDB anuncia que terá candidato a prefeito de Cuiabá. E até lista três "prefeitáveis", sendo eles os empresários Luiz Carlos Nigro e Dorileo Leal, além do...

Grupo de Fabinho ávido pelo poder

fabio tardin 400 vereador   Uma ala do DEM de Várzea Grande, que se sente excluída do Paço Couto Magalhães, está torcendo pela cassação da prefeita Lucimar e do vice Hazama. O placar do julgamento no TSE está em 2 a 1 pela manutenção do mandato. Esse bloco anti-Lucimar é...

Vereadores oficializam 2 férias por ano

emerson 400 alta floresta curtinha   Os vereadores de Alta Floresta, no Nortão, aproveitaram este período de pandemia, com as atividades presenciais suspensas, para garantir dois períodos de "férias" por ano. Em decisão desta segunda, a Câmara Municipal, presidida por Emerson Sais Machado (foto), alterou o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.