Últimas

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2006, 07h:28 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Desvios de finalidade

Em artigo intimulado 'Desvio de finalidade', publicado no Diário de Cuiabá desta sexta (22), o conselheiro do TCE/MT, Valter Albano, afirma que tem se posicionado 'contrária à vinculação de receitas e à existência de fundos públicos em geral e de órgãos na administração indireta, por entender tratar-se de instrumentos que afrontam o princípio democrático e o poder delegado pelo povo às autoridades do Executivo e Legislativo.'

Confira reprodução na íntegra abaixo:

Desvios de finalidade

     Tenho posição contrária à vinculação de receitas e à existência de fundos públicos em geral e de órgãos na administração indireta, por entender tratar-se de instrumentos que afrontam o princípio democrático e o poder delegado pelo povo às autoridades do Executivo e Legislativo. Penso que são admissíveis quando criados com objetivos específicos e por tempo determinado.

     Como exemplo, na condição de secretário de Estado de Educação, apoiei a criação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental - Fundef pelo governo Fernando Henrique Cardoso, com o objetivo de criar uma cultura de financiamento da educação e universalizar o ensino fundamental, pelo prazo de 10 anos que se completa em 2006.

      Apoiei também no âmbito estadual e na condição de secretário de Estado de Fazenda, a iniciativa do então governador Dante de Oliveira de criar o Fundo de Gestão Fazendária - Fungefaz e o Fundo Estadual de Transporte e Habitação – Fethab. O primeiro, uma exigência do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID contida no contrato do Programa Nacional de Apoio à Administração Fiscal para os Estados Brasileiros – Pnafe.

      O segundo, uma necessidade imperiosa resultante da histórica ausência da capacidade de investimento do Estado em setores relevantes como estradas e habitação.
 
      Volto ao meu posicionamento inicial para apontar que a essência do Fundo Estadual de Transporte e Habitação está sendo destruída.

     Criado pela Lei 7.263/2000, o Fundo seria uma fonte de recursos que proporcionaria principalmente ao atual governo condições efetivas para promover melhorias no sistema viário e construção de moradias populares.

     Desde a sua edição a lei do Fethab vem sendo objeto de diversas alterações, envolvendo a ampliação da alíquota da contribuição relativa a operações com combustíveis – a Lei original estabeleceu um percentual de 0,04% sobre as saídas desse produto e o governo atual elevou essa alíquota para 0,10% - e, principalmente, mudanças na destinação dos recursos. Ou seja, a finalidade de existência do Fundo é que vem sendo sistematicamente alterada.

      Destinado a financiar obras de manutenção e implantação de estradas e projetos habitacionais, o Fundo passou a custear inclusive aquisição e conserto de equipamentos rodoviários. A última modificação, contudo, realça uma iniciativa completamente estranha e contrária aos propósitos que justificaram a concepção da lei.

      A modificação promovida neste mês de novembro, inserida no parágrafo 5º do Artigo 15, amplia o que já era praticado pelo próprio governo desde 2004, quando passou a destinar recursos do Fethab para construção de “equipamentos públicos sociais”, dentre eles terminais de integração, ciclovias e centros de múltiplo uso. Agora, com a recente mudança os recursos desse Fundo passam a financiar também centros de convivência e até mesmo praças e áreas de lazer.

      Não se trata de questionar a importância e nem o dever do Estado de investir recursos em projetos dessa natureza. Trata-se, sim, de chamar a atenção para iniciativas e arranjos sustentados no improviso, na falta de planejamento, enfim, na gestão equivocada de recursos públicos.

      Ressalto que a única razão da existência de um Fundo é a sua destinação a finalidade específica, assim como a duração por tempo determinado, a exemplo do Fundef na área da educação. 

      Alterar essas condições significa desvirtuar propósitos e desviar finalidade, tal como ocorre no caso do Fethab. E a conseqüência pode vir a ser o Estado continuar buscando novas fontes de recursos para execução de projetos relevantes e pontuais. Na prática, pode significar necessidade de criação de novos tributos acarretando mais insatisfação e abalando ainda mais a já debilitada confiança do brasileiro nas suas lideranças e dirigentes governamentais.



      * VALTER ALBANO é economista, conselheiro e vice-presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

Despesas e o uso eleitoreiro de CPI

marcelo bussiki 400 curtinha   Buscando visibilidade pela reeleição em ano eleitoral, alguns vereadores da Capital, vergonhosamente, usaram e abusaram de dinheiro público para promoção pessoal na esteira da CPI do Paletó. A tendência é do relatório paralelo que pede afastamento do...

Sorriso incentiva 40 projetos culturais

ari lafin 400 curtinha   A seis meses de concluir o mandato, o prefeito de Sorriso, Ari Lafin (foto), estabeleceu, dentro do Plano Municipal de Cultura, o "PROMIC - Festival da Cultura 2020" para contemplar 40 projetos cujos valores somam R$ 340 mil, envolvendo artes visuais, artes cênicas, cultura popular, música, audiovisual,...

Quase R$ 2 mi para o Lucas Protegida

binotti 400 curtinha   A Prefeitura de Lucas do Rio Verde, sob Luiz Binotti (foto), contratou, por R$ 1,9 milhão, um consórcio formado pela Rocha Comércio de Equipamentos, que ficará com a maior "fatia" de R$ 1,4 milhão, e a Airplates Tecnologia da Comunicação, com R$ 521,7 mil, para desevolver o...

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

Nomes do DEM para vereador de VG

pablo 400 curtinha   O DEM do casal Jayme-Lucimar, senador e prefeita, respectivamente, é dono da maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com sete dos 21 vereadores. Destes, cinco já estão trabalhando projeto de reeleição, sendo eles Gisa Barros, que era do PSB; Valdemir Bernadino, o Nana; Pedro...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.