Últimas

Terça-Feira, 19 de Junho de 2007, 08h:52 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Difícil é não ter onde recorrer!

     Preocupa-me a crise ética e a banalidade em que hoje se considera a vida.  Educar um filho é cada dia mais angustiante e um permanente desafio. A criminalidade está ganhando corações e mentes, apesar dos desejos dos pais de que seus filhos sejam honestos, trabalhadores e bem sucedidos. A família vem aos poucos perdendo o sentido para muitas crianças que procuram o sustento ou mesmo a “felicidade” nos caminhos tortos da vida.
     As drogas vêm ocupando espaços, cada vez maiores, nas ruas, nas casas e nas escolas, dentre outros lugares.  Em qualquer um dos espaços a reação é a mesma: despreparo! Nós, pais e professores, não sabemos como enfrentar e socorrer os nossos filhos.
     Estamos a cada dia perdendo-os. Crianças estão comercializando drogas, tentando viciar outras crianças. Quem pode nos ajudar?  Não sei. Nós não sabemos a quem recorrer!
     Acredito que haja realmente despreparo dos professores frente a este problema de saúde pública que leva o governo a gastar muito nos atendimentos a pacientes que necessitam de socorro. Mas por que o governo não torna mais próximas aos pais as ações que por ventura estejam sendo executadas?
     Meu filho de coração, portador de necessidade especial e usuário de medicamento controlado por receita médica foi vítima. Felizmente, o pronto socorro de Cuiabá o socorreu a tempo de evitar um óbito. 
Fico imaginando como pode um ser humano tentar viciar uma pessoa especial que não tem condições de se defender?
     A criança especial tem muitas dificuldades de serem aceitas nas escolas regulares públicas (sempre procurei pública; pode ser que as privadas também tenham o mesmo comportamento), como bem retratou a novela “Páginas da Vida”, apesar de ser “direito” deles à escola. Quando encontra uma porta aberta ainda corre o risco de começar o pesadelo, como o meu que se iniciou numa escola da rede estadual de ensino na capital.
     Eu não sei mesmo como a sociedade aceita esse estado de coisas, que nos violam no mais sagrado direito, o de viver adequadamente. Poucas vozes se levantam para lutar e somar forças a fim de combater esse estado de insegurança, de crueldade e de violência no qual nós vivemos. Os Parlamentares fazem leis, muitas sem serem cumpridas. O executivo executa “ações previstas na Constituição Federal” a fim de prevenir e reprimir o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o contrabando e o descaminho, sem prejuízo da ação fazendária e de outros órgãos públicos nas respectivas áreas de competência (CF, 1988). Mesmo assim, me pergunto, por que não chamar a sociedade para discutir e definir ações de maiores sucessos?
     O direito constitucional previsto no artigo sexto (São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição) grifos nossos, estão cada vez mais ameaçados.
     Eu sei que é obrigação dos pais educarem os seus filhos. Mas qual educação vamos dar se grande parte dos pais tiveram uma educação fragilizada ou na maioria das vezes são analfabetos? As mudanças são lentas, o Brasil tem que dar comida tanto quanto educação.  O preparo dos trabalhadores da educação precisa estar à altura desses e de outros desafios. Os nossos filhos precisam ir para as escolas e lá serem educados ao conhecimento com atenção, carinho e protegidas. Isso se pode exigir quando os profissionais são valorizados, preparados e bem remunerados, o que não é nossa realidade.
     Faço votos que as mães possam amparar os seus filhos “perdidos” para o crime e as drogas. Por enquanto quero ensinar o meu filho especial que já sabe o certo e o errado a saber reagir frente às situações de exclusão e de aliciamento.

Girlene Ramos, é ex presidente do PT, bióloga e  pós graduada em Gerente de Cidades

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

Rossato quer "minar" reeleição de Ari

dilceu rossato 400 curtinha   Em Sorriso, a capital nacional do agronegócio, a tendência é da disputa à sucessão no próximo ano ficar polarizada entre o prefeito Ari Lafin, do PSDB, e seu antecessor, Dilceu Rossato (foto), hoje filiado ao PSL. Embora se movimente nos bastidores, o deputado Xuxu Dal Molin...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.