Últimas

Quarta-Feira, 14 de Janeiro de 2009, 21h:15 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:22

CAMPO VERDE

Dimorvan emprega aliados derrotados nas urnas

  O prefeito de Campo Verde Dimorvan Alencar Brescancim (PR) resolveu premiar com cargos na administração dois ex-vereadores derrotados à reeleição. Marinêz de Fátima Mezzomo (PR), que teve 363 votos, foi nomeada diretora-executiva do Fundo de Previdência dos Servidores Municipais (Previverde). Ela já comandou a pasta da Indústria, Comércio e Turismo no primeiro mandato do republicano e se afastou para concorrer à cadeira de vereadora. Foi reprovada nas urnas.

  Outro contemplado é o ex-parlamentar Jader Dei Ricardi (PDT), agora na função de gerente de Cidade com salário de R$ 5,5 mil. Na briga por espaço na Câmara, Ricardi teve 682 votos. Acabou perdendo a vaga para o médico José Leite da Silva Neto, que teve seu registro cassado durante o processo eleitoral, mas conseguiu reverter a situação no TRE.

   Outro ex-vereador e ex-secretário de Saúde, Josué da Silva Araújo, também deve ser empregado na gestão Dimorvan, que pretende criar a secretaria de Fazenda e destiná-la a Josué. Dimorvan manteve a maioria de seu secretariado. Além do Previverde e da Gerência de Cidade, houve troca somente nas secretarias de Desenvolvimento Agrário e Meio Ambiente e de Indústria, Comércio e Turismo.

   Cícero Alves dos Santos, um dos principais coordenadores da campanha do prefeito que bateu nas urnas o democrata Onéscimo Prati,  permanece na secretária de Habitação e Urbanismo, assim como Márcio Menezes na Administração. (Patrícia Sanches) 

O secretariado do prefeito Dimorvan
Pasta                                   nome
Administração                   Márcio Menezes Rosa
Planejamento e Finanças    Socorro dos Santos
Educação e Cultura            Josias Conceição Silva
Obras e Viação                   Adriano Ronchi
Saúde e Saneamento       Fátima Mendes
Promoção e Bem-Estar Social Leide Brescancim
Esporte e Lazer                   Joami Cabeleira
Habitação e Urbanismo     Cícero Alves dos Santos
Desenvolvimento Agrário e
Meio Ambiente
                     Manoel Messias
Indústria, Comércio
e Turismo
                             Luciano Albernaz
Gerente de Cidade               Jader Francisco

Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • Afonso henriqques de Lima Barreto | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Caro amigo Antônio Carlos, dizer que a cidade cresceu nesses últimos 4 anos mais do que nos doze da administração Onescimo Prati é um tremendo absurdo. De 97 a 2004, o municíio saltou da 15º posição no rankign econômico para o 7º lugar e a população cresceu em média 15% ao ano. Várias indústria e algodoeiras se instalaram no município.
    De 2005 a 2008, apenas a Biocamp veio para Campo Verde e ainda por cima foi instalada numa área adquirada pela administração passada. A Sadia, por n motivos, ainda não veio. As fiações das cooperativas não saíram das promessas e o crescimento da cidade, em termos habitacionais, foi desordenado, com os novos bairros carecendo de todo tipo de infraestrutura. Sem contar que o rombo nos cofres públicos é enorme e o prefeito vai pra televisão e diz que tem R$ 3 milhões em caixa. Mas se esqueceu de dizer que esses valores são de convênios, ou seja, só podem ser aplicados para os fins a que se destinam, não podem ser utilizados para pagar fornecedores, etc...
    É, caro amigo, você tá parecendo o ex-líder do prefeito na Câmara, que foi apelidado de O defensor das causas sem defesa... acorda..

  • Pedro Paulo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O discurso aí do amigo é até bonito, só que não é a realidade, teve tudo isso aí e ainda ficamos nessa situação, poderia estarmos bem melhor não fosse os escandalos em que o ex-prefeito está envolvido, disso nenhum deles falam. E meu amigo o conteúdo é bom só que a veracidade dos fatos é que pesa.

  • Afonso Henriques de Lima Barreto | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Caro amigo Pedro Paulo, de todas as acusações contra o ex-prefeito, nenhuma foi comprovada. Quando o ex-gestor deixou a prefeitura havia dívidas empenhadas, segundo ex-funcionários do setor de contabilidade da autal gestão, no valor de R$ 2,45 milhões e um saldo de R$ 750 mil, ou seja, o saldo devedor era de R$ 1,7 milhão. Para um município que arrecadou em média nos últimos 4 anos R$ 3,5 milhões mensais, a dívida herdada pode ser considerada pequena, não necessitando de 4 anos para ser paga. Com relação às dívidas com a empresa Águas de Campo Verde e com o colonizador Otávio Eckert, havia ações na Justiça que poderiam ter sido ganhas ou não pela municipalidade. Como quem casa com a viúva assume os filhos, calhou que a decisão da Justiça saiu no período em que o atual prefeito administrava pela primeira vez Campo Verde. Caso ele tivesse perdido a eleição em 5 de outubro, a responsabilidade pelo pagamento caberia a quem? ao ex-prefeito, que concorreu ao cargo. Amigo, administrar um município é assim: tem bônus e ônus, ou você acha que é tudo um mar de rosas? Se o atual prefeito tivesse perdido a eleição, você acha que ele deixaria a prefeitura sem dívidas? de forma alguma. Isso é praticamente impossível. Para se ter uma idéia, em agosto de ano passado havia dívidas empenhadas no valor de R$ 12 milhões, conforme os balancetes.
    Voltando a administração atual, na minha opinião houve uma má gestão dos recursos próprios, já que quase metade de tudo que se arrecada (e aqui não entra convênios) vai para a folha de pagamento. Basta dar uma olhada no setor de tributação, instalado no saguão da prefeitura. Tem pelo menos 7 funcionários e durante o expediente, pelo menos três operam o orkut e o messenger. Agora, para aumentar ainda mais os custos com pessoal, o atual prefeito vai criar mais uma secretaria (Fazenda) e transforma a chefia de gabinete em Secretaria de Governo - para poder garantir o emprego do atual chefe de gabineite, que é sobrinho da vice-prefeita - e ainda tem o displante de dizer que isso não acarretará mais despesas. Isso que é forma moderna de administrar?

  • Marcelo Antônio de Souza | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Secretariado do prefeiro Dimorvan, não é preciso nem publicar porque é notório e cristalino que estes nomes não passam de marionetes que apenas ocupam cadeiras e cargos públicos. Nenhuma destas pessoas tem arutoridade o suficiente, ou mínimas exigidas ao cargo que receberam, porque estão subordinadas à um só cérebro (isso a exemplo de outras cidades heinm). Para se ter uma idéia, NENHUMA secretaria atende seu real propósito, tendo elas apenas a função de existir (talvez porque é obrigatório).
    Ônibus escolar, há anos estamos abrindo o processo de licitação, enquanto para se adquirir carros para garantir CONFORTO à seus secretários é de uma agilidade incrível. Ou eu estou inventando isso? porque a Secretaria de educação realmente está muito preocupada com a segurança dos alunos que estão entupetados dentro de ônibus; assim como a Secretaria de saúde muito ágil quanto ao bom atendimento à nossos doentes; bem como a Secretaria de meio ambiente vem desenvolvendo centenas de ações, de acordo com as necessidades ambienteis ... etc etc etc ... As promessas realmente estão se tornando utopias ...

  • Ana | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Acho isso errado, o povo ja não votou nesses canditados, porque os queriam forada Prefeitura, se era para continuar a mesma não . Não ha necessidade de eleição, pois além de contrata-los, contratou ainda os parentes de varios secretarios e vereadores, o que por lei é considerado crime.....


    mas bem feito.........O povo queria mudança, e vai continuar querendo!!!!!!!

  • Antonio Carlos | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Nem uma surpresa por enquanto, agora é só abaixar o super salário do prefeito professor, ou será que ele vai pedir um novo aumento pra camara de novo???? Era de 9 mil quando entrou e subiu pra 14 mil no meio do mandato....e esses derrotados é claro que ia sobrar uma boquinha pra eles, afinal é praxe dete prefeito acomodar todo mundo, é só olhar pro tamanho da folha de pagamento

  • ANA MARCIA | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Infelizmente a politica é isso. Cheia de paternalismo,empreguismo e aconchego a correligionários derrotados. Más fazer o que? Vamos seguir em frente vamos trabalhar.

    O poder publico tem que inovar. Campo Verde é uma cidade sem brilho, muito triste e sem calor humano.As diferenças sociais são muito grandes. Exemplo são os bairros abaixo da linha divisória entre a riqueza e a pobreza que é a rodovia CV/Primavera. Principalmente o Bairro São Lourenço aonde estão obras importants como o centro de recreação, ginasio de Esportes, centro de convicio da Terceira Idade. Possue uma Rua Comercial muito desenvolvida e no Natal não tinha uma luzinha sequer enfeitando a Rua. As ruas estão sujas, agua de residencias correm a céu aberto. Tem que haver um agito .

    O POVO DE CAMPO VERDE TEM QUE SE INTEGRAR E VOLTAR A SORRIR.

  • jane estrada ( professora) | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    É verdade o crescimento do municipio só foi para o prefeito e para sua corja porque nos professores estamos no anonimato só estamos tendo deveres direitos para que? Nem o piso salarial nacional que é uma obrigação da prefeitura pagar nos não temos e isso porque ele é professor imagina se não fosse . Queremos a valorização que ele nos prometeu na primeira eleição quando votei nele quatro anos se passaram e continuamos esperando a valorização do professor.

  • Antonio Carlos | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    A cidade cresceu nesses últimos 4 anos mais do que os 12 (doze) anos na adm. passada, quando assumiu em 2005 tinha uma dívida de quase 3 milhões de reais, além de outros vários problemas deixados, passou os 3 anos e meio pra deixar a casa em ordem. então do que reclamar ficamos parados no tempo, um exemplo: Primavera nesses últimos 10anos deixou a gente pra trás,por que?
    Como a maioria do povo o elegeu e deu seu voto de confiança,tenho certeza que vai ser mais 4 anos de retoma do progresso. Felicidades .

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

Deputado agora pula de palanque

elizeu nascimento 400 curtinha   O ex-vereador e hoje deputado estadual Elizeu Nascimento (foto), que amargou a oitava colocação na disputa ao Senado na eleição suplementar do último dia 15, mudou de lado, como se troca de camisa. Em princípio, era apoiador do projeto de reeleição do prefeito...

Ex-aliado, Sales lembra quem é Abílio

coronel sales 400   Em mensagem enviada aos amigos, reforçando pedido de voto para Emanuel Pinheiro, o coronel PM da reserva e secretário de Ordem Pública da Capital, Leovaldo Sales (foto), diz conhecer bem os dois candidatos que disputam, neste segundo turno, o Palácio Alencastro. Sobre Emanuel, lembra que este tem...

Uma perna no muro e dicas indiretas

eduardo botelho 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (foto), chega ao final deste 2º turno das eleicões em Cuiabá com uma perna no muro. Ele liberou toda sua equipe para votar em quem quiser e todos pedem voto para Emanuel. Já Botelho, particulamente, preferiu não assumir publicamente o seu...

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

MAIS LIDAS