Últimas

Quarta-Feira, 10 de Outubro de 2007, 08h:30 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Dívida em dúvida I

     Tenho acompanhado pela imprensa os movimentos em busca da renegociação da dívida pública estadual. O principal argumento é que a capacidade de investimento do Estado está comprometida pelo serviço da divida renegociada junto à União, que está atrelada à Receita Líquida Real. Alguns cuidados, no entanto, devem ser tomados para que o resultado da renegociação seja interessante para o Estado. São eles:  
1 – Discutir a renegociação de 1993, que consome hoje mais recursos do que o contrato de 1997 (R$ 273,347 milhões contra R$ 148,279 milhões em 2006) e responde por cerca de 38% do total da dívida estadual. Seu refinanciamento teve prazo de vinte anos, findando em 2013. No caso de existência de saldo devedor, ele deverá ser prorrogado por mais dez anos (2023). O montante total deste contrato era de R$ 2.069,196 milhões em 31/12/2006 e, certamente, haverá saldo devedor se continuar no ritmo de pagamento atual.
2 – No caso de bancos estrangeiros aceitarem assumir este passivo, provavelmente eles aceitarão incluir alguma cláusula cambial nos contratos. Eles trabalham em Dólar e não aceitarão assumir um passivo com baixa liquidez 100% em Real. É um risco grande para Mato Grosso “dolarizar” um montante considerável da sua dívida. Isto não resolve a situação atual da forte vulnerabilidade, por conta do atrelamento ao IGP-DI.
3 – Se forem oferecidas aos bancos privados as mesmas garantias do contrato atual, quer dizer, Fundo de Participação dos Estados e possibilidade de saque na conta única do tesouro estadual em caso de inadimplência, qualquer banqueiro terá enorme interesse no negócio. Caso estas discussões avancem, as propostas deverão ser submetidas a processo licitatório, ganhando aquele banco que oferecer as melhores condições (juros mais baixos, maior prazo de carência e vigência, garantias, valor das parcelas, etc).
4 – O alongamento prazo para 40 anos ao invés dos atuais 20 neste contrato, pode parecer interessante à primeira vista, mas equivale em termos operacionais a contratação de dívida nova. Como o prazo será duplicado, os juros que incidem sobre o saldo devedor, cuja capitalização hoje é mensal, também serão duplicados. Isto significa afirmar que a soma do valor das parcelas pagas neste contrato será muito superior ao projetado hoje e nada garante que haverá quitação no final, pois o saldo devedor tende a crescer pela incidência dos juros compostos. Com este alongamento, o piso exigido hoje para que o Estado possa contratar novas operações de crédito (uma vez a sua Receita Líquida Real) será alcançado de forma mais lenta do que nas condições atuais e isto afetará a sua capacidade de pagamento e, na sequência, as possibilidades de contratação de dívida nova.
5 – Será muito difícil a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) aceitar esta proposta, porque o contrato de renegociação das dívidas de 1997 é o único meio de que eles dispõem para implementar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e levar a política econômica em curso para as unidades subnacionais. Amparada na Lei 9.496/97, a STN envia uma missão técnica todos os anos para visitar os Estados e observar o comportamento dos indicadores constantes na renegociação. É como se fosse um “FMI” interno que acompanha o desempenho fiscal dos Estados e as metas acordadas para cada exercício, controlando os principais grupos de despesa do orçamento. Portanto, se o contrato for revogado, a União perderá o único instrumento de controle das finanças públicas estaduais e dos principais municípios e terá dificuldade em obter a cooperação destes para o alcance do superávit primário.  Cabe destacar que, em 2006, os Estados e municípios contribuíram com R$ 19,7 bilhões para o superávit primário consolidado, ou o equivalente a 0,85% do PIB e a União não pretende perder esta contribuição.
     Estes detalhes devem ser observados para que a renegociação resulte em ganho para o atual Governo, como também para os seus sucessores e os cidadãos do Estado de Mato Grosso, que são os verdadeiros pagantes desta dívida.

Vinícius de Carvalho Araújo é especialista em gestão pública, mestre em História política pela UFMT e Professor da Unic (vcaraujo@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PTB perdeu uns, mas ganhou outros

emanuelzinho 400   Em Várzea Grande, enquanto alguns militantes do PTB, puxados pelo secretário jaymista Silvio Fidelis foram para os braços do candidato a prefeito Kalil Baracat (MDB), que tem Hazama (DEM) de vice, militantes de outras legendas decidiram abraçar a candidatura do petebista Emanuelzinho (foto). São...

PT de Cuiabá passivo; ROO, autêntico

kleber amorim 400 curtinha   O PT de Rondonópolis se organizou melhor, mobilizou a militância, se tornando mais autêntico do que o núcleo petista de Cuiabá. Para se ter ideia, o partido, numa posição de coragem e levando preocupação ao prefeito Zé do Pátio, que tinha...

DEM é "suprapartidário" em Cuiabá

wilson santos, 400 curtinha   Para uns, o DEM de Cuiabá se tornou "suprapartidário". Para outros, um partido de aluguel. Além de não ter cabeça de chapa para prefeito, o partido do governador Mauro e dos irmãos Júlio e Jayme Campos enfrenta uma situação inusitada de concorrentes...

Diretório do Podemos-VG dissolvido

mara podemos curtinha 400   A direção estadual do Podemos, sob o deputado José Medeiros, destituiu o diretório municipal de Várzea Grande e anulou o encaminhamento para apoio a Kalil Baracat a prefeito. Agora sob comando provisório da professora Wilcimara Carnelós, a Mara (foto), que está na...

Silvio provoca debandada no PTB-VG

silvio fidelis 400 curtinha   Silvio Fidélis (foto), afilhado político de Chico Galindo e que se tornou fiel escudeiro da prefeita várzea-grande Lucimar Campos, de cuja gestão é secretário de Educação, provocou debandada geral no PTB local. Inconformado com a decisão de Emanuelzinho de...

PTB tem 25 e deve eleger 2 à Câmara

misael galvao 400 curtinha   O PTB lançou 25 nomes a vereador em Cuiabá. E a tendência é de eleger entre um e dois. As maiores apostas são os seus próprios vereadores: Misael Galvão (foto) e Adevair Cabral, respectivamente, presidente e primeiro-secretário da Mesa Diretora da Câmara....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.