Últimas

Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2009, 11h:01 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:24

OPERAÇÃO PACENAS

Empresários de 2 estados são indiciados

   Documentos e informações obtidos pelo Diário revelam que, além dos 11 presos na operação Pacenas, foram indiciados pela Polícia Federal (PF) donos de empreiteiras constituídas em outros estados do país e articuladores do esquema.

   A operação Pacenas foi deflagrada no dia 10 de agosto, escancarando um verdadeiro escândalo envolvendo fraudes nas licitações de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em Cuiabá e Várzea Grande.

   O empresário Júlio Flávio Campos de Miranda, filho do empreiteiro Jorge Pires, é um dos indiciados. O pai foi um dos empresários presos na operação. Júlio Flávio chegou a substituir o empresário Luiz Carlos Richter, também preso na operação, na presidência do Sindicato das Indústrias da Construção do Estado (Sinduscon).

   Além de Júlio Flávio, também estão na relação de 22 indiciados os construtores Olinger Gomes e Mariozam Pimenta, donos da empreiteira Costa Gomes, de Goiânia, Edson Marques Chiodarelli e Ricardo Issao Ishitani. O último citado é ligado a uma construtora de Maringá (PR).

   Estes empresários, apesar de indiciados, não foram presos pela PF, ao contrário dos construtores radicados em Mato Grosso. Todos, conforme o inquérito da PF, teriam recebido dinheiro em troca da não participação nas licitações, “abrindo caminho” para empreiteiras locais.

   Também consta na lista de indiciados pela Polícia Federal como intermediadores na trama do esquema, responsáveis por parte dos contatos com construtoras de fora do Estado, quando eram feitas várias propostas financeiras, conforme apontam as investigações e interceptações telefônicas. No grupo estão os empresários Esper Haddad e Luiz Antônio de Miranda, Nei Busnardo, Guilherme Rezende, Hélio Júnior e Gustavo Caputto Cariello.

   A lista enviada pela PF à Justiça Federal se completa com os 11 presos na operação Pacenas: os empresários Anildo Lima Barros, Marcelo Avalone, Carlos Avalone Júnior, Jorge Pires de Miranda, Luiz Carlos Richter Fernandes e José Alexandre Schutze; o então procurador-geral de Cuiabá, José Antônio Rosa; e os servidores Ana Virgínia de Carvalho, Milton Nascimento Pereira, Jaqueline Favetti e Adilson Moreira da Silva, membros das comissões de licitação de Cuiabá e Várzea Grande.

   Entre os novos nomes, caberia a Luiz Antônio de Miranda e a Esper Haddad dois importantes papéis. Documento da PF aponta que Miranda, embora tenha sido citado em poucos diálogos em conversas telefônicas, é a figura a quem outros indiciados pediram orientações para saber de qual dos lotes do PAC sairiam pagamentos de recursos. Já Esper Haddad, de acordo com as investigações, sabia da fraude nos certames e participou de reuniões com empreiteiros com o objetivo de identificar construtoras locais interessadas em participar e afastá-las das licitações.

   Nei Busnardo e Hélio Júnior surgem na trama como articuladores que agiam em nome do empresário e suplente de deputado Carlos Avalone (PSDB), com o papel de intermediar contatos com concorrentes para que abandonassem as licitações e realizarem as ofertas de ‘acordos’ financeiros. As intermediações também eram feitas, conforme os documentos da PF, por Guilherme Rezende e Gustavo Caputto Cariello.

   No caso de Rezende, ele é quem teria feito a ‘ponte’ entre os sócios da construtora Costa Gomes e o Sinduscon de Mato Grosso. O episódio foi confirmado pelos empresários em depoimento à PF. Já o nome de Gustavo, conforme o teor de escutas telefônicas, era frequentemente citado por Carlos Avalone.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

4 com as maiores chances ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   Todos os principais candidatos ao Senado, na suplementar de 15 de novembro, para eleger quem ocupará a cadeira da cassada Selma Arruda, estão trabalhando com tracking eleitoral, metodologia que consiste, basicamente, em realizar pesquisas de intenção de voto por telefone de forma...

Polarização entre Gustavo e os Maia

gustavo mello 400 curtinha   Em Alto Araguaia, três disputam a prefeitura, mas a briga eleitoral está mesmo polarizada entre o prefeito Gustavo Melo (foto), do PSB, e Martha Maia (PP), irmã do ex-prefeito por quatro vezes Maia Neto. Júnior da Farmácia (PSL) corre por fora, mas sem chance de êxito nas urnas....

França, a gritaria e as contradições

roberto franca 400 curtinha   Roberto França (foto) sempre fez campanha eleitoral na gritaria. É daqueles populistas que fazem cara feia, falam alto e batem na mesa para tentar assustar e intimidar adversários e posar para o eleitor como "cabra macho", "valente" e acima de qualquer suspeita. Foi assim que se elegeu e se...

Reconhecimento de um governo ruim

pedro taques 400   Pedro Taques (foto) recorreu a uma observação feita pela mãe, professora Eda Taques, de que fora melhor senador do que governador. No horário eleitoral, o candidato ao Senado, agora pelo SD, menciona a frase da mãe para, em seguida, dizer que reconhece que sua atuação em...

Apoiado por deputados bolsonaristas

jose medeiros 400 curtinha   Um dos vice-líderes do Governo Bolsonaro na Câmara, o deputado José Medeiros (foto), do Podemos, vem recebendo apoio na disputa ao Senado de vários parlamentares bolsonaristas. O chamado núcleo duro do presidente no Congresso Nacional está com Medeiros, entre eles os deputados...

Justiça barra ficha suja em Poconé

clovis martins 400   A Justiça Eleitoral barrou em Poconé o ex-prefeito Clovis Damião Martins (foto), considerado ficha suja. Está inelegível por oito anos. Filiado ao PTB, ele foi condenado pelo TCU por irregularidade insanável que configura ato doloso de improbidade administrativa. Enquanto...