Últimas

Segunda-Feira, 27 de Agosto de 2007, 09h:07 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Endividar da Saúde

     O Ministério da Saúde andou veiculando na imprensa que gastou 400 milhões de reais em 2006 para atender 0,3% da população brasileira. E que tais gastos são realizados por ordens judiciais. Que as decisões obrigam ao SUS a fazer cirúrgicas, internações em UTI e pagamentos de remédio de alto custo. E que tal fato estaria provocando enorme endividamento. A Secretaria de Saúde de Mato Grosso engrossa o argumento e informa seus gastos assemelhados em 2 milhões. Tudo isto induz ao leitor que existe o beneficiar (indevido) de grupos de pacientes. É estarrecedor que os administradores públicos ajam desta maneira. E coloquem-se no mesmo plano do comerciante de secos e molhados. Agindo com paixões e defesas puras para conter a qualquer custo as despesas legais. Nada mais justo que conter despesas inúteis. Nada mais injusto que não conceder o direito de viver sem dor.
     O Estado deve responder a questão do SUS com melhor planejamento e fiscalização. Agir de modo reflexivo e racional. O produto da saúde (acompanhando a linguagem) está envolto com vidas humanas. Não importa o custo (gasto) aparente. Nenhum governo tem direito de escolher quem vive ou quem morre. Deve cumprir com seu dever. Disponibilizar cirurgias. Acomodações. E remédios que mitiguem os sofrimentos. O paciente pede luxo. Apenas elidir da dor. Ninguém vai ao sistema de saúde por deleite. O Judiciário não intervém na gerência pública quando a mesma cumpre com sua função. As ações judiciais corrigem falhas ou desvios. As liminares não são causas, mas apenas resultados. É preciso recolocar a verdade nos trilhos. A arrecadação de 8 bilhões do Ministério da Saúde sofre de plano desvio de 50% para o programa Bolsa Família (eleitoreiro). A CPMF aprovada com exclusividade para saúde jamais cumpriu tal finalidade. As farmácias públicas de remédios de altos custos restam com prateleiras esvaziadas. O sistema farmacológico público tornou-se mercado de compra proibido ao setor governamental. O interesse do laboratório privado sobrepõe a tudo e todos.
     O indecoroso exemplo deixa de adquirir remédio de uso em larga escala do laboratório público e consegue adquirir a Dipirona por mais de 250% do valor da Farmácia Popular do Brasil (R$ 0,70 o frasco). A Sulfametoxazol custa na popular R$ 1,45 o frasco. O Diazepam R$ 0,04 o comprimido. E nunca reclama das despesas altas com laboratórios privados. Daí o endividamento da rede de saúde insurgir mais da administração despreocupada do que outra causa qualquer. Os 2 milhões de gastos por ordem judicial na Secretaria de Saúde local não faz calor ao esquema ilícito por licitações fraudulentas - felizmente já desmontado. Estima-se prejuízo estadual de mais de 13 milhões de reais, o que cobriria as despesas judiciais por mais de sete anos. Tomemos outro exemplo: o PSMC recebe mensalmente 4,8 milhões de reais do SUS. E poderia estar recebendo mais de 7 milhões se tivesse dados concretos dos pacientes atendidos. No entanto, mantém-se no absurdo de entregar os prontuários aos pacientes sem qualquer registro ou arquivo público. E não consegue provar necessidade de aumento de recurso junto ao Ministério da Saúde.
     Não faltam recursos. Existem excessos acorrentados ao despreparo gerencial público. Compra-se mal e consome-se (gasta) pior ainda. Culpar qualquer grupo de pacientes por falta de recurso ou endividamento na saúde coletiva é justificativa simplória. É participar no desvio das funções da medicina. É agir contra interesses da boa administração, que merece ter todo cidadão.
     O SUS pertence ao contribuinte - pertencente ou não ao grupo de pacientes difamado. Não se pode expô-lo na imprensa. Citar nomes de pacientes em reportagens contraria bom senso. Quando a paciente tem cinco anos de idade, como se fez na imprensa local, constitui crime por expor menor ao vexame social. Nada mais justo que render (aos pacientes) um pouco de respeito médico e administrativo devido - enquanto enfermos fragilizados. Ou educadamente pedir-lhes por escrito desculpas por falhas legais e antiéticas cometidas.

Hélcio Corrêa Gomes é advogado e diretor/tesoureiro da OAB/MT ( helciocg@brturbo.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PEC da Previdência na pauta nesta 5ª

dilmar dal bosco 400 curtinha   A polêmica e controversa PEC da Previdência, apresentada pelo governador Mauro, deve ser apreciada nesta quinta, em primeira votação, pelos deputados. O Executivo conseguiu os votos mínimos necessários para conseguir aprovação. Deputados da oposição...

Caminho bem consolidado à reeleição

leonardo 400 curtinha   Dos prefeitos que podem ir à reeleição de cidades pólos, o que encontra situação mais confortável é Leonardo Bortolini, o Léo (foto), de Primavera do Leste. Bem articulado e habilidoso politicamente e com uma relação extensa de obras e...

PSDB e balão de ensaio para prefeito

paulo borges 400 curtinha   Bastante enfraquecido e fragilizado, após perda do comando do Executivo estadual e de quadro de filiados, o PSDB anuncia que terá candidato a prefeito de Cuiabá. E até lista três "prefeitáveis", sendo eles os empresários Luiz Carlos Nigro e Dorileo Leal, além do...

Grupo de Fabinho ávido pelo poder

fabio tardin 400 vereador   Uma ala do DEM de Várzea Grande, que se sente excluída do Paço Couto Magalhães, está torcendo pela cassação da prefeita Lucimar e do vice Hazama. O placar do julgamento no TSE está em 2 a 1 pela manutenção do mandato. Esse bloco anti-Lucimar é...

Vereadores oficializam 2 férias por ano

emerson 400 alta floresta curtinha   Os vereadores de Alta Floresta, no Nortão, aproveitaram este período de pandemia, com as atividades presenciais suspensas, para garantir dois períodos de "férias" por ano. Em decisão desta segunda, a Câmara Municipal, presidida por Emerson Sais Machado (foto), alterou o...

Comissão da Câmara sob efeito-Covid

renivaldo 400 curtinha   Em meio às discussões sobre transparência e compras emergenciais de medicamento, insumos e equipamentos às unidades de saúde, na luta contra a pandemia da Covid-19, a Câmara de Cuiabá criou uma Comissão Especial, composta por três vereadores. Tem a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.