Últimas

Domingo, 07 de Janeiro de 2007, 06h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Entre o alarmismo e a esperança

    O ex-ministro da Fazenda no governo Sarney, Luiz Carlos Bresser Pereira, afirma, no artigo 'Entre o alarmismo e a esperança', na Folha de S. Paulo deste domingo (7), que "há momentos em que a visão de um futuro mais próspero parece prevalecer. Em outros, o medo toma conta de corações e mentes".

Confira reprodução abaixo.

    NOVO ANO , novas esperanças e novos medos. Há momentos em que a visão de um futuro mais próspero e mais livre, mais seguro e mais justo, que melhor respeite a natureza parece prevalecer, mas, em outros, o medo e o alarmismo tomam conta dos corações e das mentes.
    De repente, anuncia-se que o mundo está para ser dominado por um novo inimigo: o perigo islâmico; ou nos dizem que os países pobres estão destruindo a economia dos países ricos e civilizados com sua mão-de-obra barata e seus recursos naturais abundantes; ou, ainda, que o problema está no desenvolvimento tecnológico e científico que produziu as armas nucleares que agora ameaçam o mundo; ou, finalmente, que o crescimento econômico está ameaçando a espécie humana de extinção.
Todos esses temores têm alguma base na realidade, mas são essencialmente equivocados.
     Mesmo o último é discutível, embora o aquecimento global seja uma ameaça real -provavelmente a maior que a humanidade enfrenta. É discutível porque não existe contradição absoluta entre desenvolvimento econômico e proteção do ambiente. Existem conflitos, mas que são marginais: os custos econômicos para resolvê-los são muito menores do que, tanto os liberais radicais que não admitem regulação de suas atividades quanto os ambientalistas igualmente radicais que tudo subordinam à proteção da natureza, estão dispostos a admitir.
    Os custos apenas se tornam altos quando se definem padrões extremos de não poluição; como os custos de não poluição somente crescem fortemente quando definimos esses padrões, proteger o ambiente de forma razoável é muito mais barato do que se pretende.
    Não obstante, nós vivemos hoje sob o signo do medo, e não da esperança; sob o alarmismo dos que temem os movimentos islâmicos nacionalistas, a concorrência dos países em desenvolvimento, o holocausto nuclear, o aquecimento global.
    E quais as soluções que nos oferecem para esses problemas? A repressão dos nacionalismos, a proibição da proliferação de armas nucleares sem que se destruam as armas existentes e a redução das taxas de crescimento dos países em desenvolvimento que ousam sair da pobreza.
    De todos esses problemas, apenas um realmente me preocupa: o do aquecimento global. É evidente, entretanto, que não é paralisando o crescimento na China ou na Índia que se vai resolver o problema. Ainda que a emissão de gás carbônico esteja aumentando nesses países, a origem da mudança de clima está nos países ricos -particularmente nos Estados Unidos, país que é o grande poluidor, mas não assina o tratado de Kyoto.
    O problema preocupa, mas não me alarma, porque, apesar da irracionalidade das ações humanas quando conflitos de interesses nacionais prevalecem, estou convencido de que a humanidade, embora não possua um Estado mundial que evite os "free riders", os caronas, está hoje suficientemente consciente de seus problemas para poder agir de forma coletiva.
    A sociedade global já dispõe de informações e de mecanismos que lhe permitem coordenar de forma imperfeita, mas aceitável, seus cinco objetivos políticos: segurança, liberdade, bem-estar, justiça social e proteção do ambiente. 
    Como era de esperar, os países ricos usam de sua hegemonia ideológica para impor seus pontos de vista, mas seu alarmismo -para uso mais externo do que interno- merece cada vez menos credibilidade.
    Os povos do Oriente Médio têm direito à autonomia nacional, os povos dos países pobres têm direito ao desenvolvimento e não há razão para impedir que alguns países se protejam nuclearmente se aqueles que os ameaçam não se desarmam.
    Por outro lado, a possibilidade de uma ação coletiva razoavelmente equilibrada aumenta todos os dias na medida em que aumentam as comunicações, e os homens e as mulheres, em todas as partes do mundo, aumentam a sua capacidade de se informar e de manifestar suas opiniões.
    Por isso, não estou pessimista. O medo é grande, o alarmismo é uma arma, mas a informação e a esperança são mais fortes.


 

    LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA , 72, professor emérito da Fundação Getúlio Vargas, ex-ministro da Fazenda (governo Sarney) e da Reforma do Estado e da Ciência e Tecnologia (governo FHC), é autor de "As Revoluções Utópicas dos Anos 60" (Editora 34), entre outras obras.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM-Cuiabá projeta até 4 vereadores

beto 400 curtinha   O presinte da Provisória do DEM da Capital e secretário estadual de Governo, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está animado com as chapas do partido construídas para o embate eleitoral. Já conta com 38 pré-candidatos a vereador e avalia que todos são competitivos. Uma das...

Chapa de Pivetta faltando um nome

adilton sachetti curtinha 400   O empresário Otaviano Pivetta continua avaliando um nome para composição de sua chapa ao Senado na suplementar de 26 de abril para a vaga da cassada Selma Arruda. A primeira-suplência deve ficar mesmo com o ex-prefeito rondonopolitano e ex-deputado federal Adilton Sachetti (foto), do PRB....

Senado, disputa interna e PT rachado

verinha_curtinha   O PT, que recebe hoje as inscrições de pré-candidatos ao Senado, deve ter apenas um nome na disputa interna, o do deputado e presidente estadual da sigla Valdir Barranco. A ex-vereadora Enelinda, com dificuldade, corre contra o tempo para se viabilizar. Enquanto isso, membros de outras correntes menos...

Falta na votação da emenda impositiva

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (foto), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara e pré-candidato a senador na suplementar de 26 de abril, explica que não procede a informação de que teria votado favorável à PEC 34/19, que assegura o orçamento impositivo de...

Feliz da vida na base e com emendas

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto) já chegou com moral no Governo Mauro Mendes. Depois de um ano fazendo oposição ao Palácio Paiaguás, o deputado tucano se tornou governista de carteirinha. E começa a colher os dividendos. Uma de suas emendas de R$ 300 mil para ajudar na...

Voto a favor e agora contra Congresso

O pitbull do governo Bolsonaro, deputado federal José Medeiros (foto), está pegando carona num protesto, marcado para 15 de março, onde não deveria porque os seus atos não correspondem ao discurso, ao menos segundo sustentam seus adversários políticos. Contam que Medeiros foi um dos parlamentares que aprovaram o orçamento impositivo de R$ 30 bilhões, vetado pelo presidente. Eis que agora, ele próprio, defende a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.